Encorajamento para dias difíceis (XVIII)

Warren W. Wiersbe

 

Vitória sobre o medo

     Certa ocasião uma senhora abordou D. L. Moody e disse-lhe que tinha encontrado uma promessa maravilhosa na Bíblia que a ajudou a vencer o medo. O versículo dela era o Salmo 56:3: “No dia em que eu temer, hei-de confiar em Ti.” Moody replicou, “Humm! Tenho uma promessa melhor do que essa!” E citou Isaías 12:2: “Eis que Deus é a minha salvação: eu confiarei e não temerei.” Moody tinha uma promessa maior.

     Vale a pena conhecer estas palavras de Isaías 12:2 nestes dias em que é tão fácil ficarmos assustados. Jesus disse que no fim dos tempos os homens desmaiariam com medo das coisas que acontecerão; e eu creio que estamos a ver algo disto a ocorrer hoje. Os psicólogos têm estado a escrever livros e artigos em revistas sobre como vencer o medo.

     Há algumas espécies de medo que é bom para nós. Nós avisamos os nossos filhos para não irem para próximo de ruas movimentadas, e colocamos dentro deles um saudável medo de serem atropelados por um veículo. É claro que esse medo infantil acabará por ser substituído por senso comum maduro; mas até que isso aconteça, nós não ousamos correr riscos. De facto, o medo do castigo é básico para a disciplina. Pode não ser o motivo mais elevado para se fazer o bem, mas pelo menos ajuda-nos a começar.

     A Bíblia fala muitas vezes do temor do Senhor. Diz-nos que “o temor do Senhor é o princípio da ciência [conhecimento]” e que “o temor do Senhor é uma fonte de vida.” É claro que este temor é respeito e reverência para com Deus. Não é o medo subserviente do escravo perante um senhor tirano, mas o respeito de um filho perante um Pai de amor. É a espécie de temor que abre o caminho à vida abundante em Cristo.

     A espécie de temor que Isaías 12:2 está a falar é o temor que paralisa as pessoas – o temor que se apodera do coração e mente e cria tensão e ansiedade, e que impede uma pessoa de desfrutar da vida e de dar o seu melhor. Semanalmente encontro pessoas que têm receio da vida, receio da morte, receio do passado, receio do futuro – de facto, pessoas cujas vidas estão a ser escravizadas pelo medo.

     Jesus Cristo nunca pretendeu que nós fossemos escravos do medo. É entusiasmante ler a Bíblia e descobrir o número de vezes que Deus diz às pessoas, “Não temas.” Quando os anjos apareceram aos pastores para anunciarem o nascimento de Cristo em Belém, as suas primeiras palavras foram, “Não temais.” Quando Pedro caiu aos pés de Jesus e pediu-Lhe que se afastasse dele porque sentia que era um homem pecador, Jesus disse, “Não temas.” Quando Jairo recebeu as más notícias de que a sua filha tinha acabado de morrer, Jesus disse a Jairo, “Não temas; crê somente …” Jesus Cristo quer que vençamos o medo; e Ele pode ajudar-nos a vencer a batalha.

     O que é que causa medo nas nossas vidas? Por vezes o medo é causado por uma consciência culpada. Quando Adão e Eva pecaram, eles sentiram-se culpados e temeram; e tentaram esconder-se de Deus. Shakespeare estava certo quando disse, “A consciência torna-nos a todos cobardes [medrosos].” Sempre que desobedecemos a Deus, perdemos a nossa comunhão íntima com Ele, e a solidão espiritual cria medo. Nós interrogamo-nos sobre se alguém saberá o que fizemos.  Preocupamo-nos em ser descobertos, e esperamos que não surjam consequências trágicas dos nossos pecados. Certamente que a solução para esse problema é buscar o perdão de Deus. Deus promete purificar-nos dos nossos pecados se os confessarmos e abandonarmos.

    Muitas vezes o medo é causado pela ignorância. As crianças têm medo da noite porque as sombras parecem gigantes e ursos e fantasmas. Mas até os adultos podem assustar-se quando realmente não sabem o que se está a passar.  Medo do futuro, quer por nós, quer pelos nossos entes queridos, pode por vezes criar medo. Uma outra causa é o nosso próprio sentimento de fraqueza. Estamos tão acostumados a administrar as nossas próprias coisas, que quando surge uma crise ingovernável, sentimo-nos impotentes e temerosos.

     Por vezes o temor vem, não antes da batalha, ou mesmo no meio da batalha, mas depois de termos obtido a vitória. Muitas vezes há uma instabilidade emocional, e o temor irrompe. Abraão teve esta experiência em Génesis 14 depois de ter travado uma guerra contra quatro poderosos reis e de ter vencido. Nessa noite, quando se deitou para dormir Abraão interrogou-se sobre se aqueles reis voltariam e o desafiariam de novo, vindo talvez com maior número de forças. Foi então que Deus apareceu a Abraão e disse, “Não temas, Abrão, Eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão.”

     Mas quando estudamos todos os casos e tentamos compreender a raiz causadora do medo, há uma verdade que se destaca claramente: a verdadeira causa do medo é a incredulidade. Depois de ter acalmado um temporal, que amedrontou os Seus discípulos, Jesus disse-lhes, “Por que sois tão tímidos [ou, temerosos]? Ainda não tendes fé?” O medo e a fé nunca podem ser amigos; se tivermos medo, isso é sinal de que não temos fé. É por isso que Isaías 12:2 diz, “Eis que Deus é a minha salvação: eu confiarei e não temerei.”

     O segredo da vitória sobre o medo é fé em Deus. Não existe nenhum problema demasiado grande para Deus não resolver, nem fardo demasiado pesado para Deus não transportar; nem batalha demasiado devastadora para Deus não combater e vencer. Deus é suficientemente grande para conquistar os inimigos que nos roubam a nossa paz e deixam um rasto de medos paralisantes. Isaías 12:2 não diz, “Quando estou com medo, confiarei;” mas diz, “eu confiarei e não temerei.” A fé não é simplesmente remédio para matar a doença; a fé é, em primeiro lugar, poder espiritual para nos impedir de ser infectados.

     Notemos o que o profeta coloca primeiro: “Eis que Deus é a minha salvação.” Se quer vencer o medo retire os seus olhos de si e dos seus sentimentos, e dos seus problemas, que o têm perturbado, e coloque os seus olhos em Deus. Os espias Judeus no Velho Testamento tiveram medo quando sondaram a Terra Prometida, porque viram gigantes e muralhas elevadas e sentiram-se, comparativamente, como gafanhotos. Os soldados inimigos eram enormes, e as muralhas eram elevadas, mas Deus estava, de longe, muito acima disso tudo. Tivessem os espias erguido os seus olhos apenas um pouco mais e teriam visto Deus, e não teriam tido receio. Portanto, o primeiro passo para se vencer o medo é olhar pela fé para Deus. A adoração a Deus proporciona um doce vislumbre da Sua grandeza e glória, e revela que Ele ainda está no trono. O segundo passo é tomar a Palavra de Deus. A fé vem pelo ouvir e o ouvir pela Palavra de Deus. Quando lê a Bíblia, descobre que a sua fé cresce. Descobre que Deus tem sido sempre ajustado às necessidades do Seu povo.

     O terceiro passo é orar e render-se ao Espírito Santo. Fale a Deus sobre os seus temores – diga-Lhe que os seus temores são realmente evidências de incredulidade – e como o homem preocupado da história do Evangelho, peça a Deus que ajude a sua incredulidade. Renda-se ao Espírito Santo de Deus, porque o Espírito pode operar em si no sentido de remover o temor e dar-lhe paz. 2 Tim. 1:7 diz, “Porque Deus não nos deu o Espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação.” O Espírito Santo dentro de si pode dar-lhe poder para a sua fraqueza; pode gerar amor; pode ordenar e disciplinar a sua mente. O Espírito Santo é o psicólogo de Deus, portanto volte-se para Ele.

     Um dos ministérios do Espírito Santo é tornar Jesus Cristo real para nós. Quando ora e lê a Palavra, o Espírito dá-lhe um entendimento espiritual de Jesus Cristo, e Ele tornar-se-á muito real para si. Mesmo no meio dos temporais e dificuldades, Jesus Cristo vem até si com paz e encorajamento.

     Não há razão para ter medo. O medo somente o roubará, e golpeará, e paralisá-lo-á. Jesus Cristo pode remover o seu medo e dar-lhe paz. “Eis que Deus é a minha salvação: eu confiarei e não temerei.”      
São os montículos que te fazem escalar
 Encorajamento para dias difíceis

Warren W. Wiersbe
Encorajamento para dias difíceis (I)
Encorajamento para dias difíceis (II)
Encorajamento para dias difíceis (IIII)
Encorajamento para dias difíceis (IV)
Encorajamento para dias difíceis (V)
Encorajamento para dias difíceis (VI)
Encorajamento para dias difíceis (VII)
Encorajamento para dias difíceis (VIII)
Encorajamento para dias difíceis (IX)
Encorajamento para dias difíceis (X)
Encorajamento para dias difíceis (XI)
Encorajamento para dias difíceis (XII)
Encorajamento para dias difíceis (XIII)
Encorajamento para dias difíceis (XIV)
Encorajamento para dias difíceis (XV)
Encorajamento para dias difíceis (XVI)
Encorajamento para dias difíceis (XVII)
Encorajamento para dias difíceis (XVIII)
Encorajamento para dias difíceis (XIX)
Encorajamento para dias difíceis (XX)
Encorajamento para dias difíceis (XXI)
Encorajamento para dias difíceis (XXII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIV)
Encorajamento para dias difíceis (XXV)
Encorajamento para dias difíceis (XXVI)
Encorajamento para dias difíceis (XXVII)
Encorajamento para dias difíceis (XXVIII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIX)
Encorajamento para dias difíceis (XXX)

Sermões e Estudos

Dário Botas
Divide bem a Palavra da verdade

Tema abordado por Dário Botas em 12 de julho de 2020

Carlos Oliveira
Solidão

Tema abordado por Carlos Oliveira em 10 de julho de 2020

José Carvalho
Salmo 1

Tema abordado por José Carvalho em 05 de julho de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:10 em 08 de julho de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário