Encorajamento para dias difíceis (XV)

Warren W. Wiersbe

 

Plano director

     Deus ainda guia o Seu povo hoje? Certamente que Ele guiou Abraão e Moisés e o apóstolo Paulo. Mas guiar-nos-á Ele a nós? Podemos vir ao Senhor e pedir-Lhe que nos dê a direcção de que precisamos para as decisões que temos de tomar na vida? A Palavra de Deus diz que podemos: “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-O em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas” (Pro. 3:5,6).

     Quanto mais vivermos, mais consciência teremos da nossa grande necessidade da direcção de Deus. O profeta Jeremias apresentou isto muito claramente quando escreve, “Eu sei, ó Senhor, que não é do homem o seu caminho nem do homem que caminha o dirigir os seus passos.” Se nós formos deixados entregues a nós mesmos, cometeremos erros e perder-nos-emos; mas se deixarmos que o Senhor nos dirija, então o caminho se abrirá. O primeiro passo para se obter a direcção de Deus para as nossas vidas é admitir que necessitamos dela. Se nos acharmos auto-suficientes, então Deus não nos poderá guiar. Mas se reconhecermos as nossas próprias limitações e as admitirmos diante de Deus, então Ele poderá guiar-nos. Para se obter direcção é necessária fé. Isto é verdade mesmo nas actividades quotidianas da vida. A maior parte de nós tem tido a experiência de estar num lugar estranho, tentando encontrar uma morada. Normalmente interpelamos alguém na rua, ou tentamos encontrar um polícia, e pedimos informação. Temos fé que o estranho a quem nos dirigimos nos dirija ao lugar certo. Se estamos em vias de tomar decisões sobre algum problema específico da vida, normalmente dirigimo-nos a um perito – um médico, advogado, ou banqueiro – e confiamos que o perito nos dê o conselho certo.

     É por isso que Provérbios 3:5,6 começa com fé – “Confia no Senhor de todo o teu coração ...” Deus quer que Lhe confiemos as nossas vidas, e Ele promete nunca induzir-nos em erro. “[Ele] guia-me pelas veredas da justiça, por amor do Seu nome” é a forma de David explicar isso no Salmo 23. Certamente que nós podemos confiar no Senhor, porque Ele é omnisciente, e Ele ama-nos e nunca nos indicará a direcção errada. Ele tem um plano perfeito para as nossas vidas, e Ele quer que sigamos o Seu plano.

     É claro que não pode confiar em alguém que seja estranho a si. Tem de conhecer Jesus Cristo como seu próprio Salvador e Senhor se quer que Ele o dirija. Quando se rende a Cristo, então Deus torna-Se seu Pai, e Cristo torna-Se seu Pastor, e o Espírito Santo torna-se seu Ensinador; e juntos Eles dirigem-no na vontade de Deus. O descrente anda nas trevas, mas o filho de Deus anda na luz. “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.”

     Contudo Provérbios 3:5 indica que a nossa fé no Senhor não deve ser com meio coração, mas de todo o coração: “Confia no Senhor de todo o teu coração ...” Tiago lembra-nos que “O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.” E Jesus avisa-nos que ninguém pode servir a dois senhores. Se no nosso coração houver alguma área de desobediência ou rebelião, Deus não nos guiará. Mas se nos rendermos completamente a Ele, então Ele tem prometido dirigir os nossos passos. Mas há um aviso associado: “não te estribes no teu próprio entendimento.”

     Quando Deus nos avisa para não nos “estribarmos” ou “apoiarmos” no nosso próprio entendimento, Ele não está a sugerir que deixemos de usar o nosso cérebro. Muitas pessoas têm a estranha ideia de que a direcção de Deus é-nos dada por meio de sentimentos ou vozes ou circunstâncias mágicas; mas tal não é o caso. Deus comunica-nos a Sua verdade a nós nas nossas mentes, através da Sua Palavra. Muitas vezes a Bíblia fala sobre amar a Deus com a mente ou ter a mente renovada pelo Espírito Santo. Quando Deus nos guia, Ele não dispensa a mente; Ele usa-a.

     O aviso aqui é que nós não devemos depender dos nossos raciocínios naturais. O profeta Isaías lembra-nos que os pensamentos de Deus não são os nossos pensamentos, nem os Seus caminhos os nossos caminhos. É uma loucura pensar que a mente natural pode competir com a mente de Deus! Estribar no seu próprio entendimento significa depender da sua própria experiência, do seu próprio pensamento, e não submetê-lo à vontade de Deus. Certamente que Deus quer que eu pense e pese as coisas quando considero as decisões da vida, mas Ele não quer que eu dependa completamente do meu próprio arrazoar.

     Tomemos alguns exemplos bíblicos deste princípio. Quando o jovem David chegou ao campo de batalha e descobriu Golias a atemorizar os soldados, ele ofereceu-se logo para desafiar o gigante. David tinha visto Deus a ajudá-lo a matar o leão e o urso e ele sabia que Deus podia conquistar o gigante. Porém os irmãos de David riram-se dele, e o Rei Saul tentou equipá-lo com uma armadura que não lhe servia. Estes homens estavam a estribar-se no seu próprio entendimento; David estava a seguir a direcção de Deus.

     Quando os soldados prenderam Jesus no Jardim do Getsêmane, Pedro tentou defendê-lo com a sua espada. Aquilo foi um acto racional, mas estava errado aos olhos de Deus. Jesus repreendeu Pedro e depois curou o mal que ele tinha provocado. Há ocasiões em que o racional não é necessariamente espiritual. Parecia irracional que Noé construísse um barco em terra seca e que Josué marchasse em torno de Jericó durante uma semana, mas estas coisas eram da vontade de Deus.

     Quando lemos as nossas Bíblias e oramos, descobrimos o Espírito de Deus a renovar as nossas mentes, e a capacitar-nos a pensar os pensamentos de Deus. Deus comunica connosco nas nossas mentes através da Sua Palavra. Nós devemo-nos estribar ou apoiar na Sua revelação divina, não na nossa inteligência natural. Deus não atribui nenhum prémio à ignorância, mas também não depende do nosso Coeficiente de inteligência (QI). Há duas condições que devemos reunir para Deus nos guiar: confiar e obedecer. “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento.” Isto é confiança. E Prov. 3:6 diz, “Reconhece-O em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas.” Isto é obediência. A verdadeira fé conduz sempre à obediência da vontade de Deus. Noé creu em Deus e provou isso obedecendo a Deus ao construir uma arca. Abraão creu em Deus e provou isso deixando o seu país nativo, indo para uma terra desconhecida.

     Notemos a repetição da pequena palavra todo(s) em Provérbios 3:5,6 – “todo o teu coração ... todos os teus caminhos ...” Se obedecermos a Deus em todas as coisas que Ele nos tem revelado, então podemos estar certos da Sua direcção nas coisas que Ele ainda não nos revelou. Se fizermos a próxima coisa que Ele nos disser para fazer, então Ele revelar-nos-á mais da Sua vontade nos dias vindouros. Deus não revela a Sua vontade de uma assentada; Ele revela-a um passo de cada vez, um dia de cada vez. Jesus disse em João 7:17, “Se alguém quiser fazer a vontade d’Ele, pela mesma doutrina conhecerá ...” Philllips Brooks costumava dizer que a obediência é o órgão do conhecimento espiritual. Nós não compreendemos a vontade de Deus e depois obedecemos-lhe; nós obedecemos à vontade de Deus e depois Ele dá-nos entendimento.

     O que anula a direcção de Deus nas nossas vidas é a desobediência, o pecado. “Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá.” Quando procura a direcção de Deus para a sua vida, certamente que quererá ler a Bíblia e orar, porque Deus usa a Palavra e a oração para nos falar. Mas é igualmente tão importante obedecermos a Deus e reconhecermo-Lo em tudo o que fazemos. Se fizermos alguma coisa que não possa ser usada para reconhecer e honrar Deus, então estamos fora da Sua vontade.

     Deus tem um plano para as nossas vidas. E no Seu amor Ele quer realizar este plano, mas necessita da nossa cooperação. Em Provérbios 3:5,6 a fórmula é realmente bastante simples – confiar e obedecer. “Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-O em todos os teus caminhos, e Ele endireitará as tuas veredas.”      
São os montículos que te fazem escalar
 Encorajamento para dias difíceis

Warren W. Wiersbe
Encorajamento para dias difíceis (I)
Encorajamento para dias difíceis (II)
Encorajamento para dias difíceis (IIII)
Encorajamento para dias difíceis (IV)
Encorajamento para dias difíceis (V)
Encorajamento para dias difíceis (VI)
Encorajamento para dias difíceis (VII)
Encorajamento para dias difíceis (VIII)
Encorajamento para dias difíceis (IX)
Encorajamento para dias difíceis (X)
Encorajamento para dias difíceis (XI)
Encorajamento para dias difíceis (XII)
Encorajamento para dias difíceis (XIII)
Encorajamento para dias difíceis (XIV)
Encorajamento para dias difíceis (XV)
Encorajamento para dias difíceis (XVI)
Encorajamento para dias difíceis (XVII)
Encorajamento para dias difíceis (XVIII)
Encorajamento para dias difíceis (XIX)
Encorajamento para dias difíceis (XX)
Encorajamento para dias difíceis (XXI)
Encorajamento para dias difíceis (XXII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIV)
Encorajamento para dias difíceis (XXV)
Encorajamento para dias difíceis (XXVI)
Encorajamento para dias difíceis (XXVII)
Encorajamento para dias difíceis (XXVIII)
Encorajamento para dias difíceis (XXIX)
Encorajamento para dias difíceis (XXX)

Sermões e Estudos

José Carvalho
Firmados na Verdade

Tema abordado por José Carvalho em 05 de abril de 2020

Carlos Oliveira
A desorientação dos incrédulos

Tema abordado por Carlos Oliveira em 03 de abril de 2020

Fernando Quental
O que fazer em tempos difíceis

Tema abordado por Fernando Quental em 29 de março de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:4 em 01 de abril de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário