A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (5)

C. R. Stam

 

LUCAS 12:31,32

“Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

“Não temas, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino”.

Eis aqui uma outra passagem que é mal interpretada quase universalmente, apesar de essa má interpretação ser, no seu carácter, mais geral do que especifica, e os resultados serem vagos e ambíguos.

Em princípio os termos “o reino” e “o reino de Deus", em si, não dizem respeito ao estabelecimento do reino do Messias sobre a terra, porém negamos que seja assim nesta passagem; e isto dizemo-lo com toda a certeza.

Em primeiro lugar, os que espiritualizam esta passagem e a aplicam aos crentes hoje, ensinando que a Igreja é o reino espiritual de Cristo na terra, têm que necessariamente encontrar dificuldades em ser consistentes com a sua interpretação aqui.

Será que nós deveremos buscar o reino, estando já nele?

E que significaria Ele com o dar-nos o reino?

Estas palavras são, assim, interpretadas duma forma geral.

Geralmente o versículo 31 é ensinado como significando que nós devemos buscar as coisas de Deus, precisamente como Paulo nos instrui a “buscar as coisas que são de cima”.

Contudo, com o versículo 32 a ideia é totalmente alterada para um pensamento de vitória espiritual, nomeadamente, que apesar dos crentes estarem em minoria, Deus auxiliá-los-á.

Porém isso não é consistente, pois estes dois versículos andam de mãos dadas. No versículo 31 o Senhor exorta os Seus discípulos a buscarem o reino de Deus, não as coisas de Deus, e no versículo 32 Ele promete que o Pai dar-lhes-á o reino, não uma vitória espiritual.

Pelas razões que a seguir discriminaremos, cremos que em ambos os casos o reino aludido é o prometido no Velho Testamento - o reino de Deus sobre a Terra, com Cristo como Rei.

Primeiro, isto concorda com o contexto.

Anjos, homens inspirados pelo Espírito e o próprio Senhor, tinham proclamado o estabelecimento do reino sobre a Terra há muito prometido. (Ver Lucas 1:32,33,67-75; 2:13,14,30-32; 11:2).

O próprio Senhor fez uma promessa especifica aos Seus doze apóstolos a respeito deste reino, impossível de se aplicar à Igreja deste século.

Mat. 19:28: “E Jesus disse-lhes: Em verdade vos digo que vós, que Me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem Se assentar no trono da Sua gloria, TAMBÉM VOS ASSENTAREIS SOBRE DOZE TRONOS, PARA JULGAR AS DOZE TRIBOS DE ISRAEL”.

Depois de João Baptista e do Senhor terem, em vão, procurado fruto na nação favorecida, o Senhor disse aos líderes de Israel,

“Portanto Eu vos digo que O REINO DE DEUS VOS SERÁ TIRADO, E SERÁ DADO A UMA NAÇÃO QUE DÊ OS SEUS FRUTOS” (Mat. 21:43).

Notemos cuidadosamente que este reino seria dado a “uma nação”, não às nações. Além disso seria dado a uma nação que desse os frutos do reino.

A que nação se referiria Ele? Decerto que a nenhuma das nações Gentílicas. Ele referia-se ao remanescente crente, o pequeno rebanho de Seus seguidores, sobre o qual Ele já colocara doze príncipes líderes. É por isso que em Lucas 12:32 Ele diz,

“NÃO TEMAS Ó PEQUENO REBANHO, PORQUE A VOSSO PAI AGRADOU DAR-VOS O REINO”.

E Ele cumprirá a Sua promessa. O reino TIRADO aos líderes de Israel incrédulos ainda será DADO aos doze apóstolos e ao pequeno rebanho “na regeneração, quando o Filho do Homem se assentar no trono da Sua glória”.

E esta interpretação também concorda com o contexto imediato, pois em Lucas 12 o Senhor exorta os Seus - que tinham deixado tudo para O seguirem - a nunca se preocuparem com as necessidades do amanhã. Ele chama a atenção deles para os corvos, que não têm dispensa nem celeiro e apesar disso são amplamente alimentados por Deus. Ele recorda-lhes que os lírios, sem trabalhar nem fiar, estão mais gloriosamente vestidos do que Salomão em todo o seu esplendor, e promete-lhes que de forma semelhante Deus cuidará deles.

Ora, apesar destas exortações nos certificarem a todos do cuidado terno e fiel de Deus pelos Seus, sob outras circunstâncias tais exortações encontrar-se-iam deslocadas.

Tudo isto foi dito tendo em vista o estabelecimento do reino que Ele agora os exortava a “buscar” com a promessa de que se eles O buscassem em primeiro lugar, todas as outras coisas lhes seriam acrescentadas. (Ver. 31, cf. Mat. 6:33).

Quando o Senhor enviou pela primeira vez os doze a pregar o Evangelho do reino, ordenou-lhes rigorosamente:

“NÃO POSSUAIS OURO, NEM PRATA, NEM COBRE EM VOSSOS CINTOS”  (Mat.10:9).

Além disso foi quando Pedro recordou ao Senhor "Eis que nós deixámos tudo e Te seguimos", que Ele retorquiu prometendo aos apóstolos doze tronos no reino.

E os discípulos são agora incluídos com os apóstolos quando os exorta a “buscar” o reino, certificando-lhes que é beneplácito do Pai a "dádiva" do reino a eles.

Não é significativo que os que aplicam prontamente Lucas 12:31,32 a si mesmos, raras vezes continuam, citando o que o Senhor continuou a dizer, a saber,

“VENDEI O QUE TENDES, E DAI ESMOLAS ...” (Ver. 33).

Aos seguidores do Senhor não somente lhes foi dito para proclamar o reino e para orar por este, como para igualmente o praticar. O versículo 33 harmoniza perfeitamente com os dois versículos anteriores, mas não parece harmonizar com as práticas dos que clamam estar agora a “buscar o reino”!

Em vez de explicarmos vagamente em aspectos gerais esta passagem, devemos reconhecer que esta tem especificamente a ver com o reino prometido. Nós, agora, sabemos que este reino foi rejeitado e que o seu estabelecimento aguarda um dia futuro. A paz e a prosperidade do milénio ainda não foram estabelecidas, nem, neste “presente século mau” nos é dado qualquer mandamento semelhante ao que os discípulos receberam.

Na realidade, negligenciar providenciar para o futuro, nos nossos dias, significa negar a fé:

“MAS SE ALGUÉM NÃO TEM CUIDADO DOS SEUS, E PRINCIPALMENTE DOS DA SUA FAMÍLIA, NEGOU A FÉ, E É PIOR DO QUE O INFIEL (DESCRENTE)”.

Num outro artigo esperamos mostrar como é que o “pequeno rebanho” começou a ter tudo em comum, depois da ressurreição, e como é que não lhes faltava nada - até se ter tornado evidente que Israel tinha uma vez mais voltado as costas ao Messias e que o reino não seria ainda estabelecido. Daí em diante encontramos a igreja em Antioquia, as igrejas na Macedónia e Acaia, as igrejas na Galácia e a igreja em Corinto, a enviar, todas as suas ofertas para ajudar “os santos pobres em Jerusalém”.

Apesar da Terra não ser ainda um cenário de paz e prosperidade universais, sabemos, graças a Deus, que o nosso bendito Senhor Se tornou pobre por amor de nós, para que através da Sua pobreza nós pudéssemos ser enriquecidos, e com as maiores bênçãos que existem. É por isso que clamamos com Paulo:

“BENDITO O DEUS E PAI DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, O QUAL NOS ABENÇOOU COM TODAS AS BÊNÇÃOS ESPIRITUAIS NOS LUGARES CELESTIAIS EM CRISTO” (Efé.1:3).

- Cornelius R. Stam
(Continua)

A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (1)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (2)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (3)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (4)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (5)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (6)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (7)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (8)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (9)
A tua fé na Palavra de Deus é supersticiosa ou inteligente? (10)

Sermões e Estudos

Dário Botas
Divide bem a Palavra da verdade

Tema abordado por Dário Botas em 12 de julho de 2020

Carlos Oliveira
Solidão

Tema abordado por Carlos Oliveira em 10 de julho de 2020

José Carvalho
Salmo 1

Tema abordado por José Carvalho em 05 de julho de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:10 em 08 de julho de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário