Como Não Perder a Sua Alma (II)

J. C. Ryle

     A SEGUNDA observação que eu tenho a fazer é esta: QUALQUER UM PODE PERDER A SUA PRÓPRIA ALMA.

     Esta é uma parte pesarosa do meu discurso. Porém é algo que eu não ouso e não posso ignorar. Não tenho compaixão alguma daqueles que professam nada além de paz e afastam dos homens o terrível facto de que eles podem perder as suas almas. Eu sou um daqueles ministros à moda antiga que creem na Bíblia inteira, e tudo o que ela contém. Não consigo encontrar nenhum fundamento bíblico para tal teologia de fala suave, que agrada a tantos atualmente e segundo a qual todos irão para o paraíso no fim de tudo.

Ler mais: Como Não Perder a Sua Alma (II)

Como Não Perder a Sua Alma (I)

J. C. Ryle

     “POIS, QUE ADIANTA AO HOMEM GANHAR O MUNDO INTEIRO E PERDER A SUA ALMA?” (Mc 8.36).

     O dito do nosso Senhor Jesus Cristo, que está no início desta página, deve soar em nossos ouvidos como o soar de uma trombeta. Ele trata dos nossos mais elevados e melhores interesses. ELE TRATA DAS NOSSAS ALMAS.

     Mas que pergunta solene contêm essas palavras da Escritura! Que soma poderosa de lucro e prejuízo elas nos apresentam para cálculo! Onde está o contador que poderia calculá-la? Onde está o aritmético inteligente que não poderia ficar perplexo com essa soma? — “POIS, QUE ADIANTA AO HOMEM GANHAR O MUNDO INTEIRO E PERDER A SUA ALMA?”.

Ler mais: Como Não Perder a Sua Alma (I)

Testemunho de John Bunyan

Testemunho escrito de Bunyan



     John Bunyan escreveu:

     “Caminhando pelo deserto deste mundo, parei num sítio onde havia uma caverna (a prisão de Bedford): ali deitei-me para descansar. Em breve adormeci e tive um sonho. Vi um homem coberto de andrajos, de pé, e com as costas voltadas para a sua habitação, tendo sobre os ombros uma pesada carga e nas mãos um livro”.

     Faz três séculos que John Bunyan assim iniciou o seu livro, O Peregrino. Os que conhecem as suas obras literárias podem testificar de que ele é, de facto, “o Sonhador Imortal”“Estando ele morto, ainda fala”. Contudo, enquanto miríades de crentes conhecem O Peregrino, poucos conhecem a história da vida de oração desse valente pregador.

     Bunyan, na sua obra, Graça Abundante ao Principal dos Pecadores, informa-nos que seus pais, apesar de viverem em extrema pobreza, conseguiram ensiná-lo a ler e escrever. Ele mesmo se intitulou a si próprio de “o principal dos pecadores”; outros atestam que ele era “bem-sucedido” até na impiedade. Contudo, casou-se com uma moça de família cujos membros eram crentes fervorosos. Bunyan era funileiro e, como acontecia com todos os funileiros, era paupérrimo; ele não possuía um prato nem uma colher – apenas dois livros: O Caminho do Homem Simples Para os Céus e A Prática da Piedade, obras que seu pai, ao falecer, lhe deixara. Apesar de Bunyan achar algumas coisas que lhe interessavam nesses dois livros, somente nos cultos é que se sentiu convicto de estar no caminho para o Inferno.

     Descobre-se nos seguintes trechos, copiados de Graça Abundante ao Principal dos Pecadores, como ele lutava em oração no tempo da sua conversão:

Ler mais: Testemunho de John Bunyan

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira
Perdas

Tema abordado por Carlos Oliveira em 04 de dezembro de 2020

José Carvalho
Amor

Tema abordado por José Carvalho em 29 de novembro de 2020

Carlos Oliveira
A busca permanente

Tema abordado por Carlos Oliveira em 27 de novembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:16 em 02 de dezembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário