Sete Vezes Um Fracasso (V)

C. R. Stam
 

A DISPENSAÇÃO A LEI

     Foi na altura em que Israel se encontrava a vaguear pelo deserto que Deus introduziu a Dispensação da Lei, primeiro dirigindo-se a Israel no Monte Sinai, e depois dando-lhes a Lei escrita, “posta pelos anjos na mão dum medianeiro”, nomeadamente, Moisés (Gál. 3.19; Cf. João 1.17).
 

     Em Êxo. 19.18 lemos que “todo o Monte Sinai fumegava, porque o Senhor descera sobre ele em fogo” e no Capítulo 20 somos informados que “Deus falou todas estas palavras (isto é, os Dez Mandamentos” (Ver.1), “estando o povo em pé de longe” (Ver.21).

     Em todos os Dez Mandamentos nada foi tão forte e solenemente enfatizado como a proibição de se ter ou de se adorar “outros deuses”, e quando Moisés se aproximou de Deus foi lembrado pela voz do próprio Deus:

     “Assim dirás aos filhos de Israel: vós tendes visto que Eu falei convosco desde os céus.

     "Não fareis outros deuses comigo; deuses de prata ou deuses de ouro não fareis para vós” (Vers. 22,23).

     Anos mais tarde Moisés desafiou a nação favorecida:

     “Porque, pergunta agora aos tempos passados, que te precederam desde o dia em que Deus criou o homem sobre a terra, desde uma extremidade do céu até à outra, se sucedeu jamais coisa tão grande como esta, ou se se ouviu coisa como esta?

     "Ou se algum povo ouviu a voz de Deus falando do meio do fogo, como tu a ouviste, ficando vivo?” (Deut. 32,33)

     Nunca coisa como esta tinha acontecido antes. O povo de Israel tinha sido notória e tremendamente honrado. Eles viram o Sinai a arder e sentiram a terra tremer quando Deus, o próprio Deus, lhes falara. Decerto que eles não necessitariam de ser lembrados de que não deviam adorar outros deuses ou ídolos de prata e de ouro. Como é que eles se poderiam esquecer?

     Ah, mas esqueceram-se – quase de seguida. Logo no início a nova dispensação, antes de Moisés ter mesmo descido do monte, uma coisa vergonhosa aconteceu. Encontramos a narrativa chocante em Êxo. 32.1:

     “Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, ajuntou-se o povo a Aarão, e disseram-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós: porque enquanto a este Moisés, a este homem que nos tirou da terra do Egipto, não sabemos o que lhe sucedeu”.

     Não há qualquer registo de que Aarão tivesse dito uma única palavra em protesto: na verdade, encontramo-lo a ordenar logo a recolha dos brincos do povo, a fim de poder fazer-lhes um bezerro de outro. E quando o bezerro de ouro fica consumado ouviu-lhe dizer o povo: “Este é o teu Deus, ó Israel” (Êxo. 32.2-4 Cf. Neem.9.18). Assim, quando Moisés desceu do Monte Sinai encontrou o povo a dançar, como os pagãos, à volta dum bezerro de ouro.

     Isto foi como a Dispensação da Lei começou. Será estranho, então, que termine não só com Israel a crucificar o filho de Deus, mas orgulhando-se do terrível feito depois de Ele ter ressuscitado de entre os mortos e se ter apresentado vivo “com muitas e infalíveis provas”? Não é de admirar que Estêvão, cheio do Espírito, tenha pronunciado sobre a sua nação a terrível acusação:

     “Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido: vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais.

     "A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que anteriormente anunciaram a vinda do Justo, do Qual vós agora fostes traidores e homicidas;

     "Vós que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes” (Act. 7.51-53).

     Nós salvaguardamos aqui que isto de forma alguma indica que Israel tivesse sido pior que os Gentios, mas somente prova que mesmo quando Deus escolheu parte da humanidade e os abençoou acima de todos os outros, instruindo-os claramente quanto à Sua vontade, eles não conseguiriam melhores resultados que os restantes, o que só veio provar que os filhos de Israel também eram filhos de Adão. Assim lemos em Rom. 3.19:

     “Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus”.

(Continua)

Sete Vezes Um Fracasso (I) 
Sete Vezes Um Fracasso (II)
Sete Vezes Um Fracasso (III)



Sermões e Estudos

Dário Botas
Divide bem a Palavra da verdade

Tema abordado por Dário Botas em 12 de julho de 2020

Carlos Oliveira
Solidão

Tema abordado por Carlos Oliveira em 10 de julho de 2020

José Carvalho
Salmo 1

Tema abordado por José Carvalho em 05 de julho de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:10 em 08 de julho de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário