Sete Vezes Um Fracasso (III)

C. R. Stam
 

A DISPENSAÇÃO DO GOVERNO HUMANO

     Devido à violência e ao derramamento de sangue que prevalecera então, Deus instituiu agora, com Noé, a Dispensação do Governo Humano. O cerne desta nova dispensação encontra-se na injunção divina:
 

     “Quem derramar o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado; porque Deus fez o homem conforme à sua imagem” (Gén. 9.6).

     É esta a base de todo o código de justiça penal, pois se Deus colocou nas mãos dos homens a responsabilidade de punirem com a pena capital, certamente que Ele incluiu todas as penas menores.

     E uma vez mais, mal se acaba de ler o registo do Concerto Mosaico, tem-se logo a narrativa da bebedeira e vergonha de Noé.

     “E … Noé … plantou uma vinha. E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda” (Gén. 9.20,21).

     Ali na sua tenda ele jaz bêbado e nu, de tal forma que Sem e Jafé tiveram de tomar uma capa para o cobrir.

     “O vinho é escarnecedor”, e a embriaguês é sempre propensa a fazer da sua vítima um louco, no entanto este caso reveste-se de mais significância que os demais, pois Noé foi o primeiro governador civil do mundo, e em Prov. 31.4 lemos:

     “Não é próprio dos reis, ó Lemuel, não é próprio dos reis beber vinho, nem dos príncipes beber bebida forte”.

     O significado desta admoestação é claro. Os governadores não devem entregar-se a bebidas intoxicantes pois devem estar sempre sóbrios. Que os outros bebam se quiserem, não porém o rei, pois as suas responsabilidades são enormíssimas.

     É verdade que, nos dias de Noé, a comunidade era reduzida e pequena, mas se ele fosse incompetente para governar aqueles poucos, como poderia ele ser qualificado para governar um número maior de pessoas?

     O homem demonstrou assim a sua condição depravada e fracassou sob esta nova dispensação. O primeiro governador humano fez uma triste cena de si próprio por meio da embriaguês, exibindo assim a todos a sua incapacidade de governar responsavelmente sobre os seus semelhantes.

     Estranhamente, a humanidade como um todo foi afectada por outra espécie de intoxicação quando a dispensação do Governo Humano se movia para o seu fim. Tornou-se intoxicada com a sua própria importância e, não satisfeita com a protecção e o amor de Deus, seguiu Caim que, tendo sido afastado da presença do Senhor, foi o primeiro a edificar uma cidade.

     “E disseram: Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos uma nome, para que não sejamos espalhados pela face de toda a terra” (Gén.11.4).

     O resultado do seu orgulho foi que o Senhor confundiu a sua língua e “espalhou-os dali sobre a face de toda a terra” (Ver. 8).

     É referindo-se a este período da história que o apóstolo declara: “Pelo que também Deus os entregou … Deus os abandonou … Deus os entregou …” (Rom. 1.24,26,28)

(Continua)

Sete Vezes Um Fracasso (I) 
Sete Vezes Um Fracasso (II)
Sete Vezes Um Fracasso (III)



 

Sermões e Estudos

Dário Botas
Divide bem a Palavra da verdade

Tema abordado por Dário Botas em 12 de julho de 2020

Carlos Oliveira
Solidão

Tema abordado por Carlos Oliveira em 10 de julho de 2020

José Carvalho
Salmo 1

Tema abordado por José Carvalho em 05 de julho de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:10 em 08 de julho de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário