A Ceia do Senhor (Parte 4)

Ceia do Senhor     Depois de examinar o que a Ceia do Senhor não é, apresentamos agora uma afirmação positiva do que é, assim como o seu significado espiritual. I Coríntios 11: 23-29 é a passagem chave que examinaremos.

1) É uma revelação dada a Paulo pelo Cristo glorificado.

     Paulo diz: “Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei” (v. 23). Esta é a mesma linguagem que ele usa para descrever o Evangelho distinto (o Evangelho da graça de Deus), que Cristo, depois de ter ascendido e sido glorificado, lhe revelou diretamente sem qualquer instrumentalidade humana (I Coríntios 15:3,4; Gálatas 1:11,12). Além disso, quando Paulo subiu a Jerusalém por revelação, a fim de expor o novo Evangelho que Deus lhe havia revelado, eles (os 12 apóstolos e a igreja de Jerusalém) nada acrescentaram ao seu conhecimento, que incluiria a Ceia do Senhor. Em vez disso, ele foi capaz de contar-lhes sobre as novas revelações que lhe haviam sido confiadas (Gálatas 2:1-9). Em suma, Paulo recebeu o ensino da Ceia do Senhor diretamente do Cristo glorificado e tornou-se uma parte do seu apostolado e mensagem independentes.

Ler mais: A Ceia do Senhor (Parte 4)

A Ceia do Senhor (Parte 5)

Ceia do Senhor5) É uma ordem. 

     Quando o Senhor disse: “fazei isto” em I Coríntios 11:24,25, o verbo fazer em ambos os casos está no modo imperativo no texto grego, o modo usado para dar uma ordem. Observar a Ceia do Senhor é uma ordem.

6) É uma proclamação (Testemunho). 

     “Anunciais a morte do Senhor até que venha!" (v.26). Quando participamos da Ceia do Senhor, é uma demonstração para os crentes e para os descrentes do que o Senhor realizou na cruz para nossa redenção.

Ler mais: A Ceia do Senhor (Parte 5)

A Ceia do Senhor (Parte 7)

Ceia do Senhor     A última questão a ser tratada é o facto de que, por causa da desordem à mesa do Senhor, “há entre vós muitos fracos e doentes e muitos que dormem [ou seja, têm morrido]” (v.30). A mão disciplinadora de Deus estava sobre o seu povo ao ponto de haver doença e morte. Se este ainda fosse o modo como Deus lida com as pessoas relativamente à Ceia do Senhor, poderíamos pensar que estas ainda caiem como tordos.

     No entanto, não conheço qualquer igreja de hoje que esteja repetindo o pecado específico dos coríntios. Além disso, de um modo geral, Deus mostrou o Seu desfavor em relação ao pecado de uma maneira especial no início de uma dispensação. Depois que a dispensação da graça foi totalmente revelada, a Palavra de Deus completa tornou-se no nosso disciplinador (II Timóteo 3:16,17; 4:2). Temos agora um registo escrito do desagrado de Deus para com os que causam discórdia dentro do Corpo de Cristo, bem como instruções para a sua resolução.

Ler mais: A Ceia do Senhor (Parte 7)

A Ceia do Senhor (Parte 6)

Ceia do Senhor     Creio que muitos serão ajudados pelas informações apresentadas anteriormente e incentivados a participar com uma mente informada e um coração grato em relação ao conteúdo espiritual desta abençoada celebração. No entanto, há duas outras questões que exigem a nossa atenção. Alguns cristãos têm ficado assustados com a severa advertência associada a esta passagem.

     “Portanto, qualquer que comer este pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor… Porque o que come e bebe indignamente come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor” (I Coríntios 11:27,29).

Ler mais: A Ceia do Senhor (Parte 6)

O trabalho é da vontade de Deus

Ricky Kurth     “Vós, servos, obedecei a vossos senhores … fazendo de coração a vontade de Deus” (Efésios 6:5,6).

     Certamente que o que era verdade acerca dos servos e seus senhores aplica-se igualmente aos trabalhadores e seus empregadores. Assim, o nosso texto sugere que os Cristãos envolvidos no trabalho secular estão "fazendo … a vontade de Deus." É claro que Paulo diz que devemos a trabalhar “fazendo com as mãos o que é bom" (Ef. 4:28). Portanto, a menos que seja um médico que faz abortos ou qualquer coisa do género, quando vai trabalhar, está a fazer a vontade de Deus, e o seu vestuário de trabalho é tão santo aos olhos de Deus, como as vestes usadas por Aarão quando ele entrava na presença do Senhor, quer use colarinho branco, quer use colarinho azul.

Ler mais: O trabalho é da vontade de Deus

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 15OUT21
O maior filantropo

Tema abordado por Carlos Oliveira em 15 de outubro de 2021

Dario Botas 10OUT21
Qual a tua motivação? (Parte III)

Tema abordado por Dário Botas em 10 de outubro de 2021

Carlos Oliveira 08OUT21
A violência

Tema abordado por Carlos Oliveira em 08 de outubro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3,4 em 13 de outubro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário