A fuga de cérebros (3)

Oremos pelos nossos jovens sendo para eles verdadeira referência

 

Por James T. Naismith

James T. Naismith, de Scarborough, Ontário, Canadá, é um médico aposentado que dedica o seu tempo integral no ensino da Bíblia e no ministério de conferências no Canadá e nos EUA.

 

Falta de atenção

     Em algumas assembleias, embora não em todas, há, lamentavelmente, uma falta de interesse por aqueles que não participam ativamente nas reuniões da igreja. Os jovens e os mais velhos podem entrar e sair despercebidos. Como as suas vozes não são normalmente ouvidas, quase não se sente a sua falta quando estão ausentes. A visitação é um serviço negligenciado, e os problemas dos jovens Cristãos estão encapsulados nos seus próprios corações e mentes porque poucos parecem suficientemente interessados em prestar-lhes atenção. Talvez os mais velhos sejam indiferentes e inacessíveis, críticos e antipáticos. Esta pode não ser uma situação comum, mas ocorre, e não poucos deixaram a nossa comunhão simplesmente porque descobriram, em outros círculos, mais atenção dada às suas necessidades e problemas. Como podemos culpar os nossos jovens pela falta de interesse, se também nós nos caracterizamos pela falta de interesse por eles?

 

Falta de afeição

     Uma das palavras-chave do Novo Testamento é amor, o amor de Deus, o amor de Cristo, o amor dos santos produzido pelo Espírito como fruto nas nossas vidas. Entre as Suas palavras de despedida aos Seus, o nosso Senhor deu-lhes um novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros." As Suas palavras são reiteradas por todos os escritores do Novo Testamento. As qualidades e consequências desse amor são frequentemente descritas. Ainda assim, em muitas assembleias, infelizmente, um espírito de amargura, contenda, ciúme e orgulho substitui e impede aquele “amor a todos os santos” que era tão característico dos primeiros crentes. Muitos interrogam-se, não sem razão, se eles estão certos em permanecer numa igreja local onde o rigor do Novo Testamento é professado, mas o grande mandamento do Senhor é ignorado. Certamente que 1 Coríntios 13 é pelo menos tão importante quanto 1 Coríntios 12 ou 14 no padrão de prática do Novo Testamento da igreja local! As reuniões dos santos devem ser evidências, não apenas da nossa adesão às Escrituras, mas também do nosso amor uns pelos outros, que essas Escrituras enfatizam. Em particular, os jovens Cristãos que fazem da assembleia o seu lar espiritual devem certamente encontrar nela um amor caloroso e sincero para consigo mesmos, em vez de uma crítica severa das suas ações e das dificuldades e dúvidas que possam expressar. Eles precisam de ser instruídos, guiados, corrigidos, às vezes disciplinados - mas tudo isso deve ser feito com ternura e amor.

     Nem todos os que emigram o fazem por causa do seu descontentamento com as condições locais ou pela suposta maior atratividade de outro país. Muitos têm motivos puramente pessoais para deixar a sua terra natal; por exemplo, família e amigos em outra parte, um espírito missionário (seja pela causa de Cristo ou mesmo por causa política), ou simplesmente uma paixão errante. Sem dúvida, motivos correspondentes impelem não poucos a deixarem as assembleias, e o que foi dito aqui pode não se aplicar aos seus casos. Pela atractividade do nosso ensino e comunhão, entretanto, mesmo estes podem ser constrangidos a permanecer connosco. Vamos nos esforçar por manifestar a graça e verdade de Cristo para que outros possam encontrar o seu lar espiritual onde acreditamos, de acordo com a Palavra de Deus, ser da Sua vontade que eles devem pertencer.

(Continua)

A fuga de cérebros (1)
A fuga de cérebros (2)
A fuga de cérebros (3)

 

Sermões e Estudos

José Carvalho
Herança

Tema abordado por José Carvalho em 25 de julho de 2021

Carlos Oliveira
Religiões de substituição

Tema abordado por Carlos Oliveira em 23 de julho de 2021

Fernando Quental
Paciência

Tema abordado por Fernando Quental em 18 de julho de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:1 em 21 de julho de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário