O Arrebatamento da Igreja – uma verdade Paulina (III)

Carlos M. Oliveira

 

      “Filho do Homem” é um dos títulos atribuídos ao Senhor Jesus Cristo na linha profética. É um título de Juiz.

     Em João 5:27 lemos:

     “E deu-Lhe o poder de exercer o juízo, porque é o Filho do Homem”.

     “E olhei, e eis uma nuvem branca, e assentado sobre a nuvem um semelhante ao Filho do Homem, que tinha sobre a sua cabeça uma coroa de ouro, e na Sua mão uma foice aguda” (Apocalipse 14:14).
 
     Nos quatro Evangelhos, o Senhor Jesus Cristo refere-se a Si próprio cerca de 80 vezes como "O Filho do Homem". Este título baseia-se numa passagem na profecia de Daniel que se refere a Jesus como o Filho do Homem a Quem o "domínio, a honra, e o reino" são dados. Este reino, diz a passagem, "não passará, e ... [é] o único que não será destruído." 
 
     “Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha nas nuvens do céu um como o Filho do Homem: e dirigiu-se ao ancião de dias, e o fizeram chegar até ele.
 
     “E foi-lhe dado o domínio e a honra, e o reino, para que todos os povos, nações e línguas O servissem: o Seu domínio é um domínio eterno, que não passará, e o Seu reino o único que não será destruído” (Daniel 7:13,14). 
 
     Filho do Homem refere-se claramente ao Senhor Jesus Cristo na Sua ação como Juiz universal.
 
     O termo "Filho do Homem" é, pois, um título Messiânico. Jesus é o único a quem foi dado o domínio, a honra e o reino. Quando Jesus usou esse termo em referência a Si mesmo, Ele estava a atribuir a profecia do “Filho do Homem” a Si mesmo. Os judeus daquela época com certeza estariam bem familiarizados com o termo e a Quem se referia. Ele estava a proclamar ser o Messias.
 
     O Senhor Jesus fez uso deste título inúmeras vezes, identificando-se nitidamente com a profecia de Daniel (7.13,14,26,27).
 
     Em relação ao Corpo de Cristo, em relação ao “mistério”, este título é absolutamente estranho. O nosso Senhor Jesus Cristo NUNCA se apresenta em relação à Igreja, o Corpo de Cristo, como Juiz, mas como “Salvador do Corpo” (Efésios 5:23). Em vão procuraremos este título do Senhor nas epístolas de Paulo – e faz todo o sentido, pois Jesus não é o Messias da Igreja, mas de Israel.
 
     Já referimos que a verdade do Arrebatamento da Igreja era um mistério (1 Coríntios 15:51) que foi revelado a Paulo e que, portanto não poderia ser contemplada nos chamados Evangelhos – registos que dizem respeito a um período que antecede a conversão do Apóstolo. 
 
     Aqueles que têm dúvidas, apesar de todas as explicações já dadas, sobre se algumas passagens nos chamados Evangelhos não poderão referir-se ao Arrebatamento, têm como complemento precioso de ajuda à dissipação das mesmas, a ocorrência nelas do título “Filho do homem”, um título claramente associado à Sua vinda à Terra, como Juiz, para estabelecer o Seu reino há muito profetizado, e por conseguinte estranho à Igreja, o Corpo de Cristo, ao seu arrebatamento e à sua vocação celestial.
 
     “Porque o Filho do Homem virá na glória de Seu Pai, com os Seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras. 
 
     “Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do Homem no Seu reino” (Mateus 16:27,28).
 
     “E Jesus disse-lhes: Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos d’Israel” (Mateus 19:28).
 
     “Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:47).
 
     “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do Homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória” (Mateus 24:30).
 
     “E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem” (Mateus 24:37).
 
     “E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:39).
 
     “Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do Homem há-de vir à hora em que não penseis” (Mateus 24:44).
 
     “Vigiai pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do Homem há-de vir” (Mateus 25:13).
 
     “E quando o Filho do Homem vier em Sua glória, e todos os santos anjos com Ele, então Se assentará no trono da Sua glória” (Mateus 25:31).
 
     “Disse-lhes Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do Homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu” (Mateus 26:64).
      
A seguinte passagem é repleta de significado.
 
     “E disse: Eis que vejo os CÉUS ABERTOS, e o FILHO DO HOMEM, que está EM PÉ à mão direita de Deus” (Atos 7:56).  
 
     Sabemos que o Senhor Jesus Cristo não se assentou à mão direita de Deus para sempre.
 
     “Disse o Senhor ao Meu Senhor: Assenta-Te à Minha mão direita, ATÉ que ponha os Teus inimigos por escabelo dos teus pés” (Salmo 110:1).
 
     Com a nação de Israel a rejeitar a oferta do reino pelo Espírito Santo (Atos 7:51), depois do Senhor Jesus Cristo, também rejeitado, ter dito,
 
     “… Todo pecado e blasfémia se perdoará aos homens; mas a blasfémia contra o Espírito não será perdoada aos homens
 
     “E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado, mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado …” (Mateus 12:31),
 
     tudo se conjugava para que o juízo caísse sobre a nação implacavelmente. Por isso vemos Jesus EM PÉ COMO FILHO DO HOMEM, pronto para vir ao mundo julgar.
 
     Tal, porém não aconteceu, pois Deus resolveu revelar a verdade do Mistério, o segredo nunca contemplado na profecia, suspendendo por assim dizer o relógio profético.
 
     O mistério consistia, entre outras coisas, em enviar graça a um mundo que merecia juízo, e Deus deu prova da sua intenção salvando logo a seguir Saulo de Tarso (Atos 8 e 9), o líder da rebelião, constituindo-o exemplo dos que a partir dali se salvariam (1 Tim. 1:16). O grupo de salvos resultante desta mensagem de graça constituiria a Igreja que é o Seu Corpo.
 
     Logo que o último membro complete o Corpo, este será arrebatado para se juntar à sua Cabeça, o Senhor Jesus Cristo, nos ares (1 Tes. 4:13-18). Assim se fechará o parêntesis da graça; assim será retomado o funcionamento do relógio profético, que será reiniciado exatamente no ponto onde foi interrompido – Céu aberto e Jesus em pé pronto para vir julgar. É assim que lemos:
 
     “E vi o CÉU ABERTO, e eis um cavalo branco: e O que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e JULGA e peleja com justiça” (Apocalipse 19:11).
 
     Concluindo, quando a Bíblia se refere à vinda do Senhor Jesus Cristo como Filho do Homem, refere-se à Sua vinda gloriosa à Terra para estabelecer o Seu reino milenar; não se refere à Sua vinda aos ares para arrebatar a Sua igreja.
 
- C.M.O.
 

Sermões e Estudos

Alberto Veríssimo
Terra de Gigantes

Reunião de Homens por Alberto Veríssimo em 10 de agosto de 2019

Alberto Veríssimo
Tempestade vivida

Sermão proferido por Alberto Veríssimo em 18 de agosto de 2019

Alberto Veríssimo
José, ou saber esperar em Deus

Reunião de Jovens por Alberto Veríssimo em 09 de agosto de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 31 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário