A conversão de um cineasta, filósofo ateu: “Naquela noite, no deserto do Saara, eu conheci Deus”

vmlt eeschmittsolo sn635

     Para ele, o encontro com Deus foi imprevisto e imprevisível. Ele era ateu, filho de pais incrédulos, leitor de Diderot e dos iluministas do século XVIII.

     Eric-Emmanuel Schmitt, filósofo de formação, dramaturgo de nascimento, escritor prolífico e diretor de cinema é uma das figuras culturais francesas mais conhecidas internacionalmente.

     Em vinte anos, o belga Eric-Emmanuel Schmitt tornou-se um dos mais lidos e representados nos autores francófonos do mundo. Aplaudido pelo público e críticos, as suas obras têm sido premiadas por vários prémios Molière e o Grande Prémio da Academia de Teatro Francês. Os seus livros estão traduzidos em 45 línguas e o seu repertório está representado em mais de 50 países. De acordo com estatísticas recentes ele é hoje o autor mais estudado em escolas e institutos franceses.

    Schmitt contou ao jornal italiano Avvenire a história da sua conversão, numa noite de 1989, em pleno deserto de Hoggar, no Saara.

O extraordinário dom de Deus

     Schmitt se perdeu da sua comitiva e passou a noite sozinho. Foi assim que aconteceu o encontro com Deus. “Dizer que uma pessoa se converteu é dizer que ela fez uma escolha ativa e voluntária. Devo admitir que isto não representa exatamente o que eu vivi naquela noite no deserto. O que eu recebi foi uma graça e um dom extraordinário. E abri em mim todo o lugar e espaço possível para esse dom. Por isso, quando me chamam de ‘convertido’, eu prefiro ser definido como alguém que recebeu uma revelação”. Esta é “a expressão que me caracteriza melhor, porque ela fala da surpresa do presente que eu recebi. Eu não estava à procura de Deus, nem sabia que Deus estava à minha procura. Recebi como presente algo que eu não estava buscando. Esta revelação, para mim, foi apenas o começo”.

O estudo do Evangelho

     Quando voltou à França, o dramaturgo passou a ler vários poetas místicos de diversas religiões. “Após aquela revelação, eu percorri um caminho de descoberta do Evangelho. E houve um trabalho muito ativo da minha parte para entender esse texto cheio de contradições. Nisto eu posso dizer que experimentei uma conversão. Em síntese, portanto: no deserto, uma revelação; com o Evangelho, uma conversão”.

      “A minha força”, explica Schmitt, “está em não tentar cristianizar à forçar aquelas pessoas, mas em testemunhar o Evangelho com o exemplo da própria vida. Foi assim que Cristo mesmo fez em seu tempo”.

Sermões e Estudos

Alberto Veríssimo
Força na Fraqueza

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 27 de setembro de 2020

Carlos Oliveira
A certeza improvável

Tema abordado por Carlos Oliveira em 25 de setembro de 2020

Dário Botas
Não teimes, mas persevera

Tema abordado por Dário Botas em 20 de setembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:13 em 23 de setembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário