O equilibrista

Famosas quedas de água de Niagara  (Niagara Falls)

 
     Hoje é o dia 30 de Junho de 1958. A manhã está gloriosa. A poderosa catarata do Niágara troveja sobre as rochas, ao pé da queda d'água. Uma corda foi estendida de margem a margem, numa extensão de quase 400 metros, sobre a qual Charles Blondin, o maior equilibrista do mundo, tem de atravessar. Há comboios especiais das cidades de Toronto e de Búfalo para trazerem as multidões.
 
     Ele subiu sobre a corda, e começou a travessia, enquanto a multidão ficou em silêncio, até que ele colocou o pé triunfantemente na outra margem, e grandes vivas venceram o barulho da própria catarata.

     Virando-se para o mar de rostos, ele faz uma proposta emocionante. Ele oferece-se para atravessar novamente a catarata com um homem nas costas.

     Mas qual será o homem? As pessoas conversam animadamente.

     "Crê o senhor que sou capaz de o levar?" pergunta afinal o equilibrista, virando-se para um indivíduo provável candidato.

     "Certamente", responde o outro em seguida.

     "Permite-me o senhor fazê-lo?" inquire o herói esperando.

     "Permiti-lo eu? Bem, dificilmente. O senhor não pensa que vou arriscar a minha vida assim, pensa?" E ele se vai.

     "E o senhor?" perguntou o equilibrista a Henry Colcord, o seu empresário. "Crê o senhor que eu possa levá-lo?"

     "Eu creio. De facto, não tenho dúvidas a esse respeito," respondeu Colcord.

     "O senhor confia em mim?"

     "Sim!"

     O povo observa com a respiração suspensa. A vara de cerca de onze metros e meio de comprimento balança-se; eles começam; e a grande corda estica-se sob os seus pés. Passo a passo, devagar mas com segurança, sem hesitação, eles vão. Que confiança! Alcançam o centro. Eles estão acima das águas velozes, ferventes e cobertas de neblina. Em baixo, as rochas feias como se estivessem suspensas no ar.

     Aproximam-se do lado Canadiano. Um grande silêncio cai sobre a multidão excitada. O povo prende a respiração. A tensão era terrível. De repente houve uma pausa. Algum gaiato cortou uma das amarras e a corda balança perigosamente. Blondin diz a Colcord que desça e ele o faz, ficando com um pé na corda e as mãos nos ombros de Blondin.

     "Henry", diz Blondin, o senhor não é mais o Colcord; agora é o Blondin. Seja parte de mim. Se eu balançar, balance comigo. Não procure equilibrar-se, pois de contrário nós dois morreremos".

     Colcord subiu de novo aos ombros do outro. A corda balança muito e Blondin começa a correr. Como ele consegue equilibrar-se, ninguém o sabe, mas ele o faz, e chegam finalmente ao fim. O último passo é dado, e estão novamente em terra firme, enquanto que os espectadores ultrapassam os limites do entusiasmo. A tensão desfaz-se; a experiência enervante termina.

     Servindo de ponte sobre o abismo entre o tempo e a eternidade está a grande corda da salvação. Ela jamais se partiu. E somente Jesus Cristo é capaz de atravessá-la. Podes ter ouvido a respeito da mesma, e, como o primeiro homem, podes até mesmo crer que Jesus pode levar-te. Mas enquanto não deres o último passo e entregares-te a Ele, não chegarás ao outro lado. Podes crer, mas tens também de confiar.

     Ó meu amigo, diz-me: confias? Ou simplesmente crês, com a tua mente, e deixas de dar o último passo importante? Se é assim, por que não praticas um ato definido de vontade e "confias no Senhor Jesus Cristo?" Se o fizeres, "serás salvo". Queres fazê-lo? Fá-lo, e fá-lo — JÁ
.
 
Oswald J. Smith



 

Sermões e Estudos

José Carvalho
Amor

Tema abordado por José Carvalho em 29 de novembro de 2020

Carlos Oliveira
A busca permanente

Tema abordado por Carlos Oliveira em 27 de novembro de 2020

David Gomes
Entre a espada e a parede

Tema abordado por David Gomes em 22 de novembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:16 em 25 de novembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário