Um Deus Justo e Salvador

darbyjn.jpg     Todas as pessoas têm um certo conhecimento do bem e do mal; tal coisa, dizem elas que é boa e tal coisa, má. Mas talvez não existam duas pessoas que possuam exactamente o mesmo padrão do que seja bem e do que seja mal. O que as pessoas fazem é estabelecer um padrão do bem que as possa incluir a elas próprias, e um padrão de mal que as exclua, e inclua outras. Por exemplo, o alcoólatra acha que não há muito mal em beber, mas poderia considerar um grande pecado roubar. O ambicioso, que talvez pratique todos os dias alguma fraude ou algum desfalque "no mundo dos negócios", procura justificar-se com o pensamento de que é necessário e normal agir assim nos negócios, "e, para todos os efeitos, não fico bêbado ou praguejo e blasfemo como os outros fazem", diz ele.

"Anunciai, e chegai-vos, e tomai conselho todos juntos: quem fez ouvir isto desde a antiguidade? Quem desde então o anunciou? Porventura não sou Eu, o Senhor? E não há outro Deus senão Eu; Deus JUSTO E SALVADOR não há fora de Mim" (Is 45:21).

     Aquele que é imoral orgulha-se de ser generoso e de ter um bom coração para com os outros, ou, como se costuma dizer, "não faz nenhum mal aos outros, excepto a si mesmo." O homem honesto, moral, amável e cuidadoso para com a sua família, satisfaz-se a si próprio fazendo o que ele chama de seu dever, e olha ao seu redor e compadece-se dos pecadores declarados que vê; mas nunca considera quantos pensamentos maus, quantos desejos pecaminosos já produziu o seu coração, mesmo que desconhecidos dos outros. Porém Deus julga o coração, apesar do homem enxergar apenas a conduta exterior. Assim, cada um se compraz por não estar a fazer algum tipo de mal, e se compara sempre a alguém que tenha cometido algum pecado que ele acha haver conseguido evitar.

     Isso tudo prova que os homens não se julgam a si próprios segundo um padrão único do que seja "bem" e do que seja "mal", mas tão-somente tomam como sendo "bem" aquilo que mais lhes agrada e condenam os outros. Mas há um padrão, com o qual tudo será comparado, e de acordo com o qual tudo será julgado - um padrão de justiça; e tudo o que não corresponder a ele será condenado eternamente. Este padrão não é nada menos do que a justiça de Deus.

     Quando alguém começa a descobrir que não é comparando-se a si próprio com os outros que será julgado, mas pela comparação com o próprio Deus, então a sua consciência começa a ser despertada para pensar a respeito do pecado como quem está diante de Deus. Aí sim ele reconhecer-se-á culpado e arruinado; e não tentará justificar-se a si mesmo apontando para alguém que seja pior, mas ficará ansioso por saber se é possível que Deus, diante de quem ele sabe estar condenado, poderá desculpá-lo ou perdoá-lo.

     Os escribas e fariseus, mencionados no capítulo oito do Evangelho de João, eram pessoas muito moralistas e religiosas, e ficaram imensamente chocados quando encontraram uma mulher abertamente em pecado, indignando-se muito contra ela. A Justiça e a Lei de Moisés, pensaram eles, mandava que dela fosse feito um exemplo - não seria conveniente que uma tal pecadora continuasse a viver. É um conforto e um alívio para o depravado coração do homem, quando pode encontrar alguém que julgue ser pior do que si próprio. Ele pensa que o pecado maior de outro desculpa o seu próprio pecado, e enquanto acusa e veementemente censura o outro, ele esquece-se do seu próprio mal. Ele regozija-se assim na iniquidade.

     Mas isso não é tudo. Os homens não apenas procuram gloriar-se e exultar na queda e ruína de outro, como não podem aguentar ouvir ou pensar a respeito de Deus exibindo graça. GRAÇA, que significa total e gratuito perdão de todo o pecado, de todo o mal, sem que Deus exija ou espere algo daquele que é assim perdoado - é um princípio tão oposto a todos os pensamentos e caminhos humanos, tão acima do homem, que ele tem aversão a isso. O seu coração chama com frequência a isto de injustiça. Ele próprio não age desta maneira, e não gosta de pensar que Deus o faça. É muito humilhante sermos obrigados a aceitar que somos dependentes inteiramente da graça para a salvação; e que nada que tenhamos feito, ou que possamos fazer no futuro, nos fará indivíduos justos e aptos para a graça, mas que a nossa miséria, pecado e ruína são as únicas reivindicações que temos para a graça.

     Os escribas e fariseus não podiam entender isso e, não querendo reconhecer que eles próprios eram pecadores, desejaram embaraçar Jesus. Assim, se Ele absolvesse a mulher, diriam que Ele era injusto; se a condenasse, iriam dizer que não era misericordioso. "Tais mulheres devem ser apedrejadas", diziam eles, "tu, pois, que dizes? "Na verdade, a sentença era justa, a prova da culpa da mulher era inquestionável, e a Lei estava clara; mas quem iria executar a sentença? O homem pode facilmente condenar, mas quem tem o direito de executar? "Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela." Quem poderia dizer de si mesmo "sem pecado"? E se nenhum deles podia dizer, "Eu estou sem pecado", não havia um deles que não estivesse sob a mesma sentença da mulher, que é a morte, pois "o salário do pecado é a morte" (Rm 6:23).

     Que estranha situação! A acusada e os seus acusadores da mesma forma envolvidos na mesma ruína - todos culpados! Não mais "a tal seja apedrejada", mas todos deveriam ser apedrejados. Do mais velho ao mais jovem, todos pecadores convictos!

     Já pensou nisso - que o leitor e todo o mundo são culpados perante Deus? Não interessa a quantidade de pecado que possui no padrão de medida dos homens; pode dizer que está sem pecado diante de Deus? Se não pode, então a MORTE é a sua sentença! "A alma que pecar, essa morrerá" (Ez 18:20). E nessa triste condição, o que tem feito? Talvez o mesmo que os escribas e fariseus fizeram, quando foram convencidos por suas próprias consciências - saíram da presença do Único que pode pronunciar o perdão. Adão, no jardim do Éden, havia feito o mesmo antes; ele escondeu-se de Deus quando reconheceu que era culpado e afastou-se do seu único Amigo justamente quando mais precisava da Sua ajuda (Gn 3:8). E ainda é assim. O homem tem medo do Único que está pronto para perdoar.

     O leitor pode ser capaz de se persuadir a si próprio de que não é tão mau assim; pode encontrar outros abertamente piores; mas é, apesar de tudo, um pecador? Qual é a opinião de Deus a seu respeito? A sua própria consciência não lhe diz que não pode considerar-se completamente sem pecado? Bem, então a MORTE é a sentença. Deus não pode mentir. É a sentença que Ele lhe dá. E se tivéssemos ouvido apenas que Deus é JUSTO, não haveria esperança. Mas Ele é "um Deus Justo e SALVADOR." Ele condenou, e Ele tem também o poder para executar. A única questão que permanece é: Pode Ele perdoar?

     "...ficou só Jesus e a mulher que estava no meio." Ela estava em pé diante d’Aquele que podia dizer de Si próprio, "sem pecado" e que poderia, portanto, atirar a pedra. Ela estava só com Aquele que ela reconhecia como Senhor; e qual seria a sentença que Ele lhe daria? Que momento de intensa ansiedade deve ter sido para ela! Como as coisas que a cercavam devem ter-se tornado em nada à sua vista! Ela estava a sós com Aquele que tinha o poder da vida e da morte. Tudo se apoiava na Sua palavra. O que iria Ele dizer? Os homens não ousaram atirar a pedra; agora o que iria Deus fazer? "Nem Eu também te condeno: vai-te, e não peques mais".

     Esta continua a ser a mensagem graciosa para o pecador arruinado, pronunciada pelo próprio Juiz. Mas é apenas para o pecador arruinado, que permanece conscientemente convicto perante o Juiz, que ela é pronunciada. Os "justos" fariseus não a ouviram. Eles estavam convencidos, mas não quiseram confessar o seu pecado, e procuraram livrar-se da sua condenação, ocultando a sua culpa com algumas boas obras da sua autoria. Além do mais, não iriam querer colocar-se na mesma posição de condenação com a miserável mulher, que acabou por receber esta bendita palavra de paz.

     E ainda é assim. Se o leitor deseja ter o completo e gratuito perdão de Deus, deve ocupar primeiramente o seu lugar como pecador culpado. Estar a sós com Jesus, conscientemente auto-condenado. Não ter mais ninguém em quem confiar, ninguém para se comparar consigo mesmo. Não tomar resoluções de correcção, não tentar, primeiro, ficar melhor, antes de vir a Ele; mas ser trazido a Ele pelos seus próprios pecados, permanecendo exactamente no lugar de condenação, diante da Pessoa que tem o poder para condenar. Fazer da sua culpa a razão de estar a sós com Ele.

     O Senhor não deu a ela um perdão condicional. Ele não disse, "Nem tão-pouco te condenarei, SE não pecares mais." Não, Ele deu a ela primeiramente o Seu completo e total perdão, pois Ele sabia este que iria torná-la capaz de evitar o pecado no futuro. Se o leitor deseja ter poder sobre os seus pecados, deve antes saber que estão todos perdoados por Deus, por meio de Cristo. Mas se tentar dominar o seu mal antes de conhecer o perdão de Deus, não obterá nem uma coisa nem outra. Por meio da fé no Senhor Jesus é-se justificado gratuitamente de tudo antes de se ser absolvido diante da presença de Deus.

     Porém, alguns dos que realmente crêem no Senhor Jesus não vêem isto claramente, e procuram ter paz por meio de santidade de vida ou dos frutos do Espírito, em vez de se reconhecerem a si próprios como pecadores arruinados, completa e gratuitamente perdoados, para então deixar que as suas vidas e conduta sejam guiadas pelo conhecimento deste perdão e pelo amor de Deus que o conhecimento da Sua misericórdia deve necessariamente criar. Tudo começa com o "Nem Eu também te condeno".

     Deixe que a paz venha da fé no sangue da Sua cruz, pelo qual Ele fez a paz. O conhecimento e estimativa de Deus quanto ao seu pecado são muito mais profundos do que os seus, mas Ele providenciou o sangue do Seu Filho. Ele afirma que aquele sangue limpa todo o pecado. Quanto mais vejo e conheço o meu próprio pecado, mais darei valor àquele sangue precioso que o limpou. E mais ansioso estarei por não afligir o coração d’Aquele, que no Seu próprio amor, providenciou tão maravilhoso sacrifício por causa dos meus pecados. Portanto, quanto mais profundamente eu conheço a minha própria culpa, mais segura irá ser a minha paz; pois maior será o valor que darei ao sangue, por meio do qual foi feita a paz.

     Que o leitor possa conhecer a paz e o gozo de ter todos os seus pecados perdoados por meio da fé no sangue do Senhor Jesus, e a consequente vitória sobre o poder de todos aqueles pecados que o têm prendido.
- John Nelson Darby

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira
A certeza improvável

Tema abordado por Carlos Oliveira em 25 de setembro de 2020

Dário Botas
Não teimes, mas persevera

Tema abordado por Dário Botas em 20 de setembro de 2020

Carlos Oliveira
Os 10 Mandamentos salvam?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 18 de setembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:13 em 23 de setembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário