Um Diamante Perdido

     Dan Baker, um pregador fantástico dos velhos tempos, ilustra o perigo do adiamento da decisão mais importante que o ser humano tem que tomar, com a seguinte história.

     Ele contou de um homem que cruzava o oceano. Estava inclinado sobre a amura do navio; o dia era radioso, uma onda despontava das águas tranquilas e o ondear aqui e ali beijava os raios de sol. E o homem, debruçando-se sobre a balaustrada, lançava algo ao ar, algo que brilhava com particular radiância e brilho; e ele observava com avidez aquele processo de atirar aquilo ao ar e de o apanhar na queda. Repetiu a façanha uma série de vezes, e aquilo brilhava imenso à luz do sol enquanto ia acima e vinha abaixo. A dada altura um observador aproximou-se e disse-lhe, “Posso perguntar-lhe o que é isso que atira ao ar tão irreflectidamente?” “Claro”, respondeu, “repare, é um diamante”. “É de muito valor?”, perguntou o observador. “Sim, é de enorme valor. Repare na cor e veja o tamanho. De facto, tudo o que tenho no mundo está neste diamante. Vou para outro país em busca de fortuna, vendi tudo o que tinha, e transformei o produto neste diamante, de forma a poder transportá-la facilmente”. “Então, se é assim tão valioso, não será arriscado estar a lançá-lo ao ar, assim tão irreflectidamente?” “Não, não há nenhum risco! Há meia hora que estou a fazer isto”, disse o homem. “Mas pode surgir a última vez”, disse o observador; porém o homem ria-se, e continuava a lançá-lo, e a apanhá-lo na queda, e fê-lo vezes sem conta, observando com avidez a subida e queda resplendorosa do diamante à luz do sol. Ah, mas, de repente, o lançamento foi para além do alcance dele. Bem se debruçou sobre a balaustrada o máximo que pôde, mas não conseguiu alcançá-lo. Há um pequeno salpico no oceano. Ele inclina-se sobre a amura e procura acompanhar com olhar ávido o trajecto do diamante para o fundo do mar azul. E grita, “Perdido! Perdido! Perdido! Tudo o que tenho no mundo se perdeu!”

      Dirás, “Não pode haver um louco assim. Essa história não é verídica”. Esta história é verdadeira, e aquele homem está aqui neste momento. Esse homem és tu! O oceano é a eternidade; o navio, a vida; o diamante, a tua alma, a alma de valor incontável por quem Cristo morreu para salvar. E tu tens estado a brincar levianamente com ela! Eu chego-me a ti e digo-te, “Meu amigo, o que é isso que tens na tua mão, com que brincas tão irreflectidamente?” Tu dizes, “É a minha alma”. “É muito valiosa?” “Se tem muito valor? Vale mais que todo o mundo, pois, «que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?» “E não achas que estás a arriscar muito?” “Oh, não”, dizes, “Há 5, 10, 15, 20 anos que faço isto”. “Sim, mas pode surgir a última vez”. “Oh, não”, e continuas a brincar. Mas a brincadeira pode sair-te cara. De repente a vida pode ficar fora do teu alcance. Haverá, então, um salpico, e tentarás acompanhá-la, quando ela se afundar; não através da impenetrável profundidade do oceano azul, mas na insondável profundeza do abismo. Gritarás então: “Perdida! Perdida! Perdida! A minha alma está perdida!” Este pode ser o teu pranto um dia. Decide-te já, antes que seja demasiado tarde, e coloca a tua alma onde pode estar eternamente segura, sob o cuidado do Filho de Deus.
- Autor desconhecido

 

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira
A certeza improvável

Tema abordado por Carlos Oliveira em 25 de setembro de 2020

Dário Botas
Não teimes, mas persevera

Tema abordado por Dário Botas em 20 de setembro de 2020

Carlos Oliveira
Os 10 Mandamentos salvam?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 18 de setembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:13 em 23 de setembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário