A dramatização da Bíblia

Justin Johnson     A dramatização da Bíblia não é nada novo, e eu nunca a vi acabar em bem. As mais recentes incursões de dramatização da Bíblia em filmes e na televisão não são diferentes.

     A dramatização da Bíblia expõe milhões de pessoas à Bíblia que não teriam sido expostos de outra forma, não é?

     Existem muitos problemas identificados com a dramatização da Bíblia, mas estão todos perdidos no meio da propaganda Cristã e histeria criados com o ouvir o nome de Jesus falado por celebridades, publicações populares e media.

     Se a dramatização da Bíblia é boa ou má depende de como ela evita esses problemas. Caso contrário, aquilo a que as pessoas estão a ser expostas é uma mistura de verdade e ficção: o que a Bíblia define como mentira.

Demasiada informação

     Em primeiro lugar, as dramatizações bíblicas inevitavelmente adicionam ou removem conteúdo à Bíblia. Isso deve causar preocupação para qualquer pessoa familiarizada com as advertências para não se acrescentar ou tirar do livro de Deus (Deuteronómio 4:2; Pv 30:6; Ap 22:18-19).


Informação não é suficiente

     Já viu um filme ou drama, e se interrogou sobre razão da sua parábola favorita, ou evento, ou versículo, ou citação da Bíblia estar a faltar? A simples leitura da Bíblia não se alinha com a estrutura dramática. A dramatização requer que o conteúdo da Bíblia seja removido para se ajustar a determinada parcela, clímax e desenlace.

     Um bom exemplo é a recente série de televisão dramática A.D.. Sermões longos preenchem o livro de Atos com informações doutrinais importantes. Nenhum desses sermões aparece na dramatização. Porquê?

     Como seria um deleite assistir a 40 minutos dos longos sermões sobre a história judaica, o Messias prometido, argumentos teológicos, e apresentações do Evangelho? A exibição seria mais semelhante a uma aula do que a uma ação dramatizada exaltada.


Não está entretido?

     A razão das dramatizações usarem a estrutura dramática convencional é porque isso torna a história mais interessante e emocionante. É por isso que os filmes são sempre feitos sobre as partes mais emocionantes da Bíblia: o Êxodo, os milagres de Jesus, Apocalipse, etc.

     Esta é uma das motivações mais populares por detrás da produção das dramatizações. Os produtores pensam que isso torna a Bíblia mais excitante para apelar ao descrente e atraí-lo.

     Os produtores de A.D. disseram que o seu desejo é que a sua série seja a versão Cristã do jogo popular (e lascivo) Game of Thrones (Jogo dos Tronos). Porque é que Jogo dos Tronos há-de ser padrão de ministério Cristão? Resposta: entretém milhões. Algo está errado com o nosso método e padrão de ministério.

     O conteúdo da Bíblia não é entretenimento; é verdade inspirada. O entretenimento produz a satisfação dos homens; a verdade produz entendimento de Deus.


Drama como Ficção

     A dramatização da verdade transforma-a numa obra de ficção. O mundo fica feliz ao obrigar a mudar a verdade da Bíblia em algo meramente para o nosso prazer visual. Eles sabem que há uma diferença entre o que nos diverte, e o que é verdadeiro. Esta é uma das razões porque há tantos homens não salvos a dirigir, a atuar e a produzir dramatizações bíblicas nos dias de hoje.

     A ação que empacota histórias de heróis sobrenaturais (como os das histórias aos quadradinhos) desfrutam de grande sucesso financeiro.

     Quando os Cristãos vendem a Bíblia como um livro de banda desenhada, Jesus é recebido com agrado no panteão dos antigos heróis míticos. Todo mundo sabe que os dramas são obras de arte, interpretação, narração e ficção. A Bíblia não é isso, mas talvez muitos Cristãos confessos não saibam a diferença.

     A Bíblia não pertence a esses parceiros, nem deve ser retratada como tal.


Um meio ineficaz

     A motivação dos que produzem, comercializam, e vendem dramatizações da Bíblia é apresentar o Evangelho ao maior número de pessoas possível no meio mais eficaz possível. O fim não justifica os meios, especialmente quando o meio nos conduz a um fim diferente.

     A pregação do Evangelho é vista como um método tolo pelos fornecedores modernos de comunicação visual e psicologia cultural. Eles dizem que as pessoas não leem livros nem ouvem mais sermões. Dizem que elas veem televisão, vídeos online, e filmes.

     Embora isso possa ser verdade, sempre foi verdade e as pessoas sempre gostaram mais de dramatizações do que da pregação. É por isso que Paulo também diz que a pregação era vista como loucura no primeiro século, porém é o meio de ministério que agrada a Deus (1 Coríntios 1:21).


Licença artística e interpretação privada 

     Quando as dramatizações são sobre Jesus, há sempre um grande ruído sobre quem desempenha o papel de Jesus. Milhões reclamam colocar a sua fé em Jesus, e as pessoas poderão vê-Lo no drama, mas aquele não é o verdadeiro Jesus, é apenas um ator, ... certo?

     Não é raro procurarem atores que deem um "ar" espiritual, e as pessoas atribuírem aos atores força espiritual, pois Satanás decerto o combaterá (como combateu Jesus?).

     Embora possa parecer uma motivação honesta ajudar as pessoas a crer, no que é que os espectadores devem crer? Devem confiar nos diretores da representação da Bíblia? Devem confiar nos atores que interpretam Cristo? Devem colocar a sua fé na capacidade argumentista para capturar a essência da tradição Cristã?

     Sem a Bíblia para corrigir todos os erros, e as palavras para explicar no que devem acreditar, as dramatizações vendem interpretação privada e licença artística, sob o pretexto de tentar ver almas salvas.

     A triste verdade sobre as dramatizações é que elas produzem pessoas de fé cuja fé não está na Bíblia, e num ângulo de argumento cinéfilo e de câmara. Muitas pessoas não vão crer numa coisa a menos que a vejam. As dramatizações ignoram a necessidade de se crer sem ver. Ignoram a necessidade do Evangelho.

     É verdade que os Cristãos que creem na Bíblia podem comparar o filme com a Bíblia e aprender a verdade, mas eles não precisam do drama para isso, e o público-alvo não devem ser os descrentes?


A falta do Evangelho

     Talvez que um dos maiores problemas com as dramatizações seja a diminuição, o encobrimento, ou a remoção completa do Evangelho de Cristo para a salvação. Produtores (salvos ou não) têm pouca preocupação com a pregação do Evangelho, e assim evitam as epístolas de Paulo, como muitos pregadores.

     Muitas são as dramatizações sobre Jesus, o Seu ministério, os Seus milagres, e alguns incluem até mesmo a Sua ressurreição, mas onde está o Evangelho pregado? Não há dúvida que os produtores tentam explicar a origem da sua tradição, mas não têm a mínima noção de que a salvação é totalmente explicada nas epístolas escritas por Paulo.

     A observação dos eventos do ministério de Jesus a Israel não é a pregação do Evangelho. A paixão por um Jesus de cabelos compridos e de olhos azuis com um sotaque britânico não é ouvir a verdade que salva, nem é o Jesus da Bíblia. Contrariamente à crença popular, o Evangelho não pode ser visto, tem de ser ouvido com palavras (Ef 1:13; 2 Coríntios 5: 7; Rm 10:17).

     Se há uma coisa que as dramatizações evitam são os oito capítulos de pregação teológica (Rm 1-8). O que eles também evitam é ver almas genuinamente salvas.


A Bíblia é suficiente

     Mais pode ser dito sobre muitos mais problemas, e espero que possa ser percebido que isto não é uma polémica contra todas as dramatizações, mas sobre a dramatização da Bíblia.

     Quando obras de arte e ficção são dramatizadas, as melhorias são apreciadas e as alterações não fazem grande diferença. No entanto, a Bíblia é um livro que é completamente diferente. É um livro não sujeito a mudanças, e que não pode ser melhorado.

     A raiz subjacente a todos estes problemas com a dramatização da Bíblia é a falsa noção de que a Bíblia não é suficiente, ou não basta.

     Quando a igreja voltar a crer novamente na inspiração, preservação, inerrância e suficiência total das palavras de Deus, então qualquer tentativa de as alterar encontrará resistência, mesmo que isso signifique perda de bilheteira. 

Justin Johnson
 
 
 

Sermões e Estudos

Mark Swaim Peter Cerqueira 14ABR19
Santidade II

Sermão proferido por Mark Swaim em 14 de abril de 2019

Mark Swaim Peter Cerqueira
Santidade

Sermão proferido por Mark Swaim em 10 de abril de 2019

Bruno Santos 07ABR19
Importância da verdade & Achaste o Prego?

Sermões proferidos por Bruno Santos e Carlos Oliveira em 07 de abril de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:14 em 17 de abril de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    356 2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário