A Diferença (texto), por Dário Botas

Dario Botas     O meu nome é Dário, tenho 22 anos e sou um jovem. A minha alma estava morta em grande parte da minha mocidade e a minha vida perecida entre os impuros. (“A alma deles morrerá em sua juventude, e sua vida entre os pervertidos.” - Jó 36:14)

     Sou inseguro no mais importante, mas que é compensado com o impulso orgulhoso e segurança nas coisas que não importam levando a decisões que mais tarde chegam ao arrependimento. A minha insegurança leva-me a não fazer o que é preciso ser feito, e mais tarde sou perseguido com o arrependimento e a amargura que parecem não cessar. Algumas das minhas decisões, trazem uma herança de culpa por tomá-las sobre a areia. (“Por que escreves contra mim amarguras, e me fazes herdar as transgressões de minha juventude?” - Jó 13:26) E estas, são tomadas precipitadas pela ilusão de que a juventude é a fusão da força e sabedoria eternas.

     Penso que sou forte, sábio e que o serei eternamente ou então estes morreram juntos comigo. Os meus ossos estão cheios do vigor da minha mocidade, mas este [vigor] se deitará comigo no pó. (“Seus ossos estão cheios de sua juventude, que juntamente com ele se deitará no pó.” - Jó 20:11) O meu jugo parece suave, mas é tudo vaidade. Quando falho, as desculpas são muitas para tentar recusar a minha herança de culpa. E a minha ira se acende contra a correção e a humilhação. (“Portanto afasta o desagrado de teu coração, e tira de tua carne o mal; pois a adolescência e a juventude são passageiras.” - Eclesiastes 11:10, “Ouve o conselho, e recebe a disciplina; para que sejas sábio nos teus últimos dias.” - Provérbios 19:20)

    Não dei ouvidos aos conselhos e não quis a repreensão. (“E rejeitastes todo o meu conselho, e não quisestes minha repreensão” - Provérbios 1:25; “O caminho do tolo é correto aos seus próprios olhos; mas aquele que ouve o bom conselho é sábio.” - 12:15) Em vez de fugir das paixões da mocidade, luto contra elas pensando que sairei vitorioso quando na verdade sou amarrado e sujeito à servidão. (“Mas foge dos desejos da juventude; e prossegue na justiça, fé, amor paz, com os que de coração puro chamam ao Senhor.” - 2 Timóteo 2:22)

     Sou um fraco pensando que é forte. Em nada do que faça tenho mérito, porque nada do que faça é bom. Sou uma desilusão e tristeza para os meus pais, irmão, avós e tios, primos, amigos, irmãos em Cristo, colegas e todo qualquer que me rodeia, menos para filhos e/ou esposa que não tenho e ainda bem, pois assim não seriam acrescentados à lista.

     Fujo e escondo-me das pessoas, por me lembrar das desilusões que ambos trouxemos, ou porque irritaram-me a tal ponto de não querer estar perto delas, ou por achá-las chatas ou teimosas, tornando-me o maior hipócrita que já existiu. Hipócrita, não só por isso, mas também por fazer promessas que não cumpro. Sou rancoroso e quando falo impulsivamente destruo qualquer coração dizendo coisas que não deveria dizer. O meu historial, é um historial de arrependimento.

     Arrependimento esse, de dizer coisas que não devia, ou de não dizer o que devia, quando podia. O mesmo aplica-se ao fazer. Se alguém tem ou tinha motivos para gostar de mim, digo-lhes que perderão todos esses motivos tão ou mais depressa do que ganharam. A desilusão será inevitável e arrepender-se-ão de conhecerem-me ou ter conhecido.

     Quando discuto ou debato, procuro minuciosamente mostrar as falhas dos outros escondendo as minhas e levando a que a soberba cresça exponencialmente parecendo sair vitorioso quando são um fracasso total, pois nunca ganhei nada com isso. O egoísmo e orgulho são imensos, sendo ainda mais, quando há elogios ou um bater nas costas. Para não bastar, apesar da minha caminhada com Cristo ter começado à pouco tempo (5 anos), ela tem sido e parece mais lenta que o passo de uma lesma, com muitas paragens e tentativas de atalhos para chegar cedo ao destino, quando O Caminho não tem qualquer atalhos mas desvios.

     Devia estar a crescer mais e mais, mas parece que estagnei. A minha infidelidade e vida não têm dado bom testemunho ou glorificado o Senhor, pois uma confortável cadeira se dispôs ao lado do Caminho no qual sentei-me para descansar, quando esta viagem não tem descanso se não quando chegar ao destino.

     Desde o começo da minha caminhada, que tenho estado familiarizado com a fé e a sua defesa. Mas a sua prática em vez de ser crescente e constante (ainda que lenta) tem sido de altos e baixos devido às emoções que a têm enfraquecido (por andar pela vista em vez da fé) e tentações que têm sido cedidas.

     Não se deve ao facto de o Senhor ser infiel mas sim o contrário, pois Ele não pode negar-Se a Si mesmo nem obrigar-me a tomar as decisões corretas.

     Por vezes a minha fé está tão forte que nem um exército seria suficiente para derrubá-la, quando outras vezes, parece que um simples sopro servia para se desvanecer.

     Ao examinar-me, parece que o Senhor está tão presente quanto está a minha vista sobre Ele. Mas quando o meu olhar se desvia d'Ele, assim como Pedro, eu afundo-me. (“Mas vendo o vento forte, temeu; e começando a afundar, clamou, dizendo: Senhor, salva-me. E Jesus, estendendo logo a mão, pegou-lhe, e disse-lhe: [Homem] de pouca fé, porque duvidaste?” - Mateus 14:30-31)

     Falho, tropeço, caio, desobedeço, sou incrivelmente instável, faço asneira atrás de asneira, medroso. Irritantemente silencioso quando não o deveria ser nas coisas mais importantes e quando devia falar, não o faço. Tudo isto que leva a uma vida e testemunho fracassados, antes e depois de ter aceitado o Senhor Jesus como meu Salvador e Senhor. Quando devia permanecer quieto não o faço e que não devia faço-o.

     Para agravar ainda mais, tenho um acusador lembrando e apontando/acusando-me sempre que pode. Ele não falha nas suas acusações nem perde uma oportunidade para me tentar e pôr em dúvidas. "Porque eu não entendo o que faço. Pois o que quero, isso não faço; mas o que eu odeio, isso faço. E se faço o que não quero, eu consinto com a Lei, que é boa. De maneira que agora não sou mais eu que faço aquilo, mas sim o pecado que habita em mim. Porque eu sei que em mim, isto é, em minha carne, não habita bem algum; porque o querer está em mim; porém fazer o bem eu não consigo. Porque o bem que quero, não faço; mas o mal que não quero, isso faço. Ora, seu eu faço o que não quero, não sou eu que faço, mas sim o pecado que habita em mim. Então eu acho esta Lei em mim, ainda que quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque tenho prazer na Lei de Deus, segundo o homem interior. Mas vejo outra Lei em meus membros do corpo, que batalha contra a Lei do meu entendimento, e me prende debaixo da Lei do pecado, que está em meus membros do corpo. Que miserável homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. Assim, pois, eu mesmo com o entendimento sirvo à Lei de Deus, mas com a carne sirvo à Lei do pecado." - Romanos 7:15-25

     Ainda menos do que Paulo, sou o menor de todos os santos e o maior de todos os pecadores. Mas algo fez e faz toda a diferença. E a diferença feita, é o que me mantém firme, é o que torna a minha fé sólida ainda que pequena, a diferença que me vivifica, transforma, cresce, que muda o interior e renova a cada dia. (2 Coríntios 4:16)

     A diferença feita que "Não [é] pelas obras de justiça que nós tivéssemos feito, mas sim segundo Sua misericórdia, Ele nos salvou pelo banho do novo nascimento, e da renovação do Espírito Santo;" - Tito 3:5

     A diferença é que "Olhando para Jesus, Autor e aperfeiçoador da fé; o Qual, pela alegria que Lhe estava proposta, suportou a cruz, desprezando a afronta, e Se sentou à direita do trono de Deus." - Hebreus 12:2

     A diferença é que "o sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, nos limpa de todo pecado." - 1 João 1:7 "Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão com Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito." - Romanos 8:1

     A diferença é que ainda sendo "infiéis, Ele permanece fiel; porque não pode negar-Se a Si mesmo." - 2 Timóteo 2:13

     A diferença é que "onde abundou o pecado, superabundou a graça;" apesar de "(...) o bem que quero, não faço; mas o mal que não quero, isso faço. Ora, seu eu faço o que não quero, não sou eu que faço, mas sim o pecado que habita em mim." - Romanos 7:16-17

     A diferença é que “Deus, sendo rico em misericórdia, pelo Seu muito amor com que NOS AMOU, estando nós ainda mortos em nossos delitos, NOS VIVIFICOU juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e NOS RESSUSCITOU juntamente com Ele, e com Ele NOS FEZ sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da Sua graça, PELA SUA BONDADE PARA CONNOSCOS EM Cristo Jesus.

     Ainda que seja o menor de todos os santos e o maior de todos os pecadores, ou que fosse mesmo o único pecador neste mundo, seria alguém por quem o Senhor morreria para salvar da condenação dos meus pecados. A Sua graça ainda seria suficiente para toda esta multidão de pecados. A Sua graça é tão grande que eclipsa totalmente os meus pecados, por maiores e muitos que eles sejam. A Sua graça satisfaz porque independentemente de qualquer que seja a minha situação, traz esperança pela promessa da vida eterna e da transformação para o que é incorruptível, assim como estar na presença do meu Deus. A Sua graça é tal, que se alguém diz que sou um bom rapaz ou que faço alguma coisa bem ou digo alguma coisa boa que tem de ser ouvido, não é por mérito por próprio mas para a glória d'Ele.

     “Estou crucificado com Cristo; no entanto, eu vivo, mas não eu, e sim, Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do filho de Deus, que me amou, e a Si mesmo se entregou por mim.” - Gálatas 2:20

     Se achais que tenho algum mérito próprio, digo-te que o mérito e a virtude são de Jesus. Por isso, dito tudo aquilo, sei que tenho de descer. Descer no orgulho, descer no egoísmo, descer em tudo o que tenha, faça ou seja. E só descendo é que serei o verdadeiro eu, pois na humilhação do eu é que fui salvo.

     Até mesmo para subir mais e mais na escadaria da fé, tenho de descer mais e mais até ao vale da Bênção. (“Ao quarto dia eles se ajuntaram no vale de Beraca; pois ali louvaram ao Senhor. Por isso aquele lugar é chamado o vale de Beraca, até o dia de hoje.” - 2 Crónicas 20:26)

     Não posso chegar ao vale da Bênção (Beraca) se não descer, pois para lá ir não é subindo, mas sim descendo. A minha força, o verdadeiro eu, não poderia vir de mim, mas sim d’Aquele que morreu por mim. Estou na presença do Senhor se estiver em baixo e fui salvo estando muito em baixo. E porque desci, fui levantado. Não fui eu que me levantei, nem serei eu ou outro que me firmarei, mas tudo isto é Jesus que o faz.

     Porque é que disse tudo isto?

     Porque o exemplo que possa dar, não é do que o Dário faz, mas sim o que Jesus tem feito no Dário e que tenho deixado fazer. Sim, deixado fazer, porque muitas vezes não quero que o Senhor faça aquilo que não consigo. Só que logo a seguir, vejo que é Ele que faz e não eu.

     Talvez tenhas-te identificado com tudo o que disse. E se achas que és tão ou mais pecador do que eu, deixa-me dizer-te que a graça do Senhor Jesus cobre todos os nossos pecados e não há nenhum que tenha escapado à cruz.

     O Senhor não nos toma por diferentes ou uns melhores do que outros, porque todos somos pecadores e todos precisámos ser salvos da condenação do pecado e também da sua presença e poder. Mas se achas que és melhor do que eu, que de alguma forma podes compensar o pecado ou tentar enganar Deus para que possas livrar-te do inferno e estar na Sua presença por mérito próprio, desengana-te.
“Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele a ninguém tenta.” - Tiago 1:13 “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem de obras, para que ninguém se glorie.” - Efésios 2:8-9

     Sou um jovem e nada de bom me reservam para este mundo, “Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da Sua glória, segundo o Seu eficaz poder de até sujeitar a Si todas as coisas.” - Filipenses 3:20-21

     Sou um jovem e nada de bom tenho para dar ou falar, a não ser de Jesus, “o Autor e Consumador da nossa fé, o Qual, pela alegria que Lhe estava proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e está assentado à direita do trono de Deus.” - Hebreus 12:2

     O meu nome é Dário Botas, sou um jovem e esta é a diferença: Não eu, mas Jesus Cristo.


     Ouça o texto em áudio, proferido pelo autor.

Sermões e Estudos

Alberto Verissimo 19SET21
Crer ou Crer, eis a questão

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 19 de setembro de 2021

Carlos Oliveira
O peso do pecado

Tema abordado por Carlos Oliveira em 17 de setembro de 2021

Dário Botas
Qual a tua motivação (Parte II)

Tema abordado por Dário Botas em 10 de setembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3 em 15 de setembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário