O Castigo Eterno (VII)

2. A morte sela o destino do pecador.

     As Escrituras ensinam claramente que a oportunidade do homem para a salvação está limitada ao período da sua vida terrena. Se ele morrer perdido a sua sorte fica inexoravelmente selada. Há duas passagens no Novo Testamento em que os que afirmam que há esperança para os perdidos após a morte, se baseiam. Encontram-se ambas na 1ª Epístola de Pedro. Vejamo-las.

     «Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o Justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito, no Qual também foi e pregou aos espíritos em prisão, os quais em outro tempo foram rebeldes, quando a longanimidade de Deus esperava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca; na qual poucas (isto é, oito) almas se salvaram pela água» (3.18-20).

     Porém estes versículos não fazem nenhuma referência a qualquer pregação ouvida pelos que já tinham partido desta vida. Dizem-nos simplesmente que o Espírito de Deus pregou através de Noé, enquanto a arca estava a ser construída, aos que foram desobedientes, e porque se recusaram responder à pregação são agora «espíritos em prisão». Não foi o Senhor Jesus Cristo que lhes «pregou», mas o Espírito Santo, como é claro nos versículos 18,19 - «pelo Espírito, no Qual também foi e pregou». Que o Espírito se dirigiu aos anti-diluvianos nós sabemos de Génesis 6.3: «Então, disse o SENHOR: Não contenderá o Meu Espírito para sempre com o homem». O Espírito agiu através da pregação de Noé. Que Noé era o pregador sabemos por 2 Ped. 2.5: «e não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregoeiro da justiça».

     1 Pedro 1.10,11 confirma também que sempre que os profetas pregavam o Espírito falava neles - «Da qual salvação inquiriram e trataram diligentemente os profetas que profetizaram da graça que vos foi dada, indagando que tempo ou que ocasião de tempo o Espírito de Cristo, que estava neles, indicava, anteriormente testificando os sofrimentos que a Cristo haviam de vir e a glória que se lhes havia de seguir».

     A segunda passagem encontra-se em 1 Pedro 4.6: «porque, por isto, foi pregado o Evangelho também aos mortos». Mas isto não nos deve atrapalhar. O Evangelho foi  pregado; não lemos que está a ser pregado, ou que lhes será pregado!

     Que a morte sela a condenação dos perdidos, podemos provar pelo facto – conclusivo em si – de que não temos nenhum exemplo descrito, quer no Novo quer no Velho Testamento, de um único pecador ter sido salvo após a morte. Nem há nenhuma passagem que encerre qualquer promessa nesse sentido em relação ao futuro. Porém há passagens que ensinam exactamente o contrário. Eis algumas:

     Provérbios 29.1: «O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura». Isto é tão explícito que nem carece de comentários. Nada pode ser mais claro. Uma vez que o pecador rebelde é quebrantado (ou, destruído, ou cortado, ou morto, segundo outras versões) fica sem remédio. A sua condenação é selada na morte.

     Mais, em Mateus 9.6 lemos: «Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra autoridade para perdoar pecados--disse então ao paralítico: Levanta-te, toma a tua cama e vai para tua casa» .

     Porque é que o Senhor não disse simplesmente que tinha poder para perdoar pecados? Isso seria suficiente para responder aos Seus críticos. Porque é que Ele acrescentou, na terra? Creio que a razão é para que os pecadores saibam que mal o pecador deixe a terra o Filho do Homem já não pode perdoar pecados.

     Um exemplo semelhante a este encontra-se em João 12.25: «Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem, neste mundo, aborrece a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna».

     Notemos a expressão neste mundo. Só aqui podemos aborrecer a nossa vida para a guardarmos para a vida eterna.  

     Em 2 Coríntios 5.10, que fala de crentes, temos outro exemplo deste cuidadoso emprego de linguagem qualificativa: «Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal». O que eles têm feito depois de terem deixado o corpo não é tomado em conta.

     Em João 8.21 está registado o que o Senhor disse aos Seus inimigos: «Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Eu retiro-Me, e buscar-Me-eis e morrereis no vosso pecado. Para onde Eu vou não podeis vós ir». Observemos com cuidado a ordem das duas últimas cláusulas. Uma vez mortos nos seus pecados, era impossível eles irem para o céu. A força deste versículo ainda se faz sentir com mais intensidade se o contrastamos com João 13.36: «Disse-lhe Simão Pedro: Senhor, para onde vais? Jesus lhe respondeu: Para onde Eu vou não podes, agora, seguir-Me, mas, depois, Me seguirás».  A Pedro, como santo representativo, foi-lhe dito depois, Me seguirás, mas aos ímpios foi-lhes dito não podeis vós ir.
(Continua)

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 03DEZ21
O mais forte

Tema abordado por Carlos Oliveira em 03 de dezembro de 2021

Carlos Oliveira 28NOV21
O melhor está para vir (5) IQC

Tema abordado por Carlos Oliveira em 28 de novembro de 2021

Carlos Oliveira 26NOV21
Inseguramente seguro

Tema abordado por Carlos Oliveira em 26 de novembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:5 em 01 de dezembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário