As Nuvens nas Escrituras

Carlos M. Oliveira     Um dos temas mais fascinantes que encontramos nas Escrituras é o das nuvens.

     Como deve acontecer com qualquer assunto Bíblico que pretendamos compreender, empenhemo-nos por descobrir o seu significado Escriturístico e não popular.

     Muitas noções e conceitos erróneos sobre determinadas matérias das Escrituras tem-se instalado na mente de alguns crentes, trazendo-lhes um elevado prejuízo espiritual, devido ao facto de desrespeitarem este princípio básico de interpretação da Bíblia.

     O caso verídico que narraremos a seguir ilustra esta verdade:

     "Determinado pregador contou que quando era garoto ouviu dizer, quer em casa, quer na igreja, que quando o Senhor Jesus vier, "virá nas nuvens". Em face disso, ele ficava descansado sempre que o céu se apresentava limpo, pois decerto que o Senhor não viria então; e era mais cuidadoso quando o céu se apresentava nublado, pois haveria sérias possibilidades do Senhor vir nessa altura."

     Infelizmente este comportamento não é isolado, pois não são poucos os que assim têm pensado.

     Ora, é óbvio que as Escrituras não se referem a nuvens atmosféricas quando dizem que, quando o Senhor vier aos ares para tirar do mundo a Sua Igreja, "nós seremos arrebatados juntamente com eles (ressuscitados) nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares" (I Tes. 4.17), ou que quando o Senhor vier à terra para reinar "então verão vir o Filho do Homem nas nuvens, com grande poder e glória" (Mar. 13.26), ou quando o Senhor "foi elevado ás alturas uma nuvem O recebeu, ocultando-O aos seus olhos" (Act. 1.9).

     As Escrituras mostram claramente que há nuvens que não são atmosféricas. Por exemplo, em Heb. 12.1 lemos; "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço ...". Por este caso nós vemos que as Escrituras também falam de "nuvens" no sentido metafórico.

     Como dissemos, este assunto é fascinante, e é-o igualmente pelo seu alcance. Senão notemos:

     "A coluna de nuvem" usada usada pelo Senhor para guiar o Seu povo (Êxo. 13.21) também não se tratava duma nuvem atmosférica. No original, a palavra traduzida por nuvem é o termo SHEKINAH ("habitação de Deus") - presença visível de Jeová. Este termo foi traduzido em Isa. 60.2 pela expressão, "Sua glória". Moisés chama-lhe nuvem em Êxo. 13.21; 14.19,20 e Êxo. 24.15,16.

     Segundo a teologia Judaica a SHEKINAH era a manifestação Divina através da qual a presença de Deus era sentida pelo homem: "O Senhor desceu numa nuvem" (ÊXO. 34.5 e Num.11.25).

     Esta "coluna de nuvem" deu luz aos Israelitas durante a noite. Semelhantemente, lemos em Mat. 17.5 que "uma nuvem luminosa os cobriu. E da nuvem saiu uma voz que dizia: Este é o Meu Amado Filho, em Quem Me comprazo; escutai-O".

     Comentários? Para quê? Não há dúvida alguma.

     Deus também prometeu a Israel que o propiciatório seria coberto com uma nuvem, pois deveria ser o ponto de encontro entre Ele e o homem. "Ali Me reunirei contigo" (Êxo. 25.22). O Senhor disse: "Eu aparecerei na nuvem sobre o propiciatório" (Lev. 16.2). Vemos uma vez mais o Senhor na nuvem. Tratava-se da Sua glória SHEKINAH. - o sinal exterior da presença de Jeová para com o Seu povo. A glória do Senhor apareceu naquela nuvem (Êxo.16.10; 40.34; Núm. 9.15). Essa glória encheu o templo de Salomão e foi vista retirar-se para o céu (Eze. 11.22-25). Será vista de novo quando o Rei voltar e a Sua glória for estabelecida em Jerusalém (Isaías 4). Nos Actos temos o magnífico registo:

     "Uma nuvem O recebeu, ocultando-O a seus olhos". Os anjos disseram aos discípulos que o Senhor Jesus viria "assim como para o céu o vistes ir" (Act. 1.11). Ora, precisamente como essa nuvem, a SHEKINAH, envolveu o Senhor no monte, e O recebeu, ocultando-O aos olhos dos discípulos, na Sua ascensão, assim também a SHEKINAH descerá Consigo quando Ele se manifestar.

     Tudo indica que esta nuvem, também aludida em Apo. 10.1 e 11.2, seja o exército dos Seus anjos servidores que O acompanham sempre em escolta, e a quem Ele entender. Isso concorda com o facto d'Ele ser chamado "o Senhor dos exércitos". É obvio que, ao manifestar-se, o Senhor cruzará os domínios diabólicos - "os ares" -, e fá-lo-á escoltado pelos Seus exércitos.

     Notemos, nesta relação, como na Sua incarnação, "a glória do Senhor" - a SHEKINAH - é denominada "uma multidão dos exércitos celestiais" (Luc. 2.9,13).

- C.M.O.

 

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 03DEZ21
O mais forte

Tema abordado por Carlos Oliveira em 03 de dezembro de 2021

Carlos Oliveira 28NOV21
O melhor está para vir (5) IQC

Tema abordado por Carlos Oliveira em 28 de novembro de 2021

Carlos Oliveira 26NOV21
Inseguramente seguro

Tema abordado por Carlos Oliveira em 26 de novembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:5 em 01 de dezembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário