O Arrebatamento da Igreja

Há muita ignorância sobre a verdade do Arrebatamento da Igreja. Há que estudar as Escrituras

 

     1Ts 4.16,17 “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.”

     O termo “arrebatamento” deriva da palavra raptus em latim, que significa “arrebatado rapidamente e com força”. O termo latino raptus equivale a harpazo no grego, traduzido por “arrebatado” em 4.17. Esse evento, descrito aqui e em 1Co 15, refere-se à ocasião em que a igreja do Senhor será arrebatada da terra para encontrar-se com Ele nos ares. O arrebatamento abrange apenas os salvos em Cristo.

     Instantes antes do arrebatamento, quando Cristo descer do céu para buscar a Sua igreja, ocorrerá a ressurreição dos “que morreram em Cristo” (4.16). Não se trata da mesma ressurreição referida em Ap 20.4, a qual somente ocorrerá depois de Cristo voltar à terra, julgar os ímpios e prender Satanás (Ap 19.11 - 20.3). A ressurreição de Ap 20.4 tem a ver com os mártires da tribulação e os santos do AT (Ap 20.6).

     Ao mesmo tempo em que ocorre a ressurreição dos mortos em Cristo, os crentes vivos serão transformados; os seus corpos revestir-se-ão de imortalidade (1Co 15.51,53). Isso acontecerá num instante, “num abrir e fechar de olhos” (1Co 15.52).

     Tanto os crentes ressurrectos como os que acabaram de ser transformados serão “arrebatados juntamente” (4.17) para se encontrar com Cristo nos ares, ou seja: na atmosfera entre a terra e o céu.
Serão literalmente unidos com Cristo (4.16,17) e reunidos aos queridos crentes que tinham morrido (4.13-18).

     Estarão livres de todas as aflições (2Co 5.2,4; Fp 3.21), de todo o domínio do pecado e da morte (1Co 15.51-56); o arrebatamento livra-os da “ira futura” (1.10; 5.9), ou seja: da grande tribulação.

     A esperança de que o nosso Salvador vai voltar em breve para nos tirar do mundo, a fim de estarmos “sempre com o Senhor” (4.17), é a bem-aventurada esperança de todos os redimidos (Tt 2.13). É a fonte principal de consolo para os crentes que sofrem (4.17,18; 5.10).

     Paulo emprega o pronome “nós” em 4.17 por saber que a vinda do Senhor poderia acontecer naquele período, e comunica aos Tessalonicenses essa mesma esperança. Não tem de acontecer o cumprimento de nenhum sinal para que o Senhor venha arrebatar a Sua igreja. A Bíblia insiste que devemos anelar e esperar contínua e confiadamente pela vinda do nosso Senhor (cf. Rm 13.11; 1Co 15.51,52).

     Quem não se converter, aceitando a salvação que está a ser oferecida por e em Cristo, mesmo que frequente uma igreja, não será arrebatado.  Os tais ficarão neste mundo e farão parte da igreja apóstata (Ap 17.1), sujeitos à ira de Deus.

     Depois do arrebatamento, virá o Dia do Senhor, um tempo de sofrimento e ira sobre os ímpios (5.2-10; ver 5.2). Seguir-se-á a segunda fase da vinda de Cristo, quando, então, Ele virá para julgar os ímpios e reinar sobre a terra (Mt 24.42,44).

Sermões e Estudos

José Carvalho
Hoje

Sermão proferido por José Carvalho em 13 de outubro de 2019

Jonas Pinho
A solidão do desespero

Sermão proferido por Jonas Pinho em 06 de outubro de 2019

Dário Botas
Seminário, ou Igreja?

Sermão proferido por Dário Botas em 29 de setembro de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:20 em 09 de outubro de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário