Quando a tolerância é pecado

tolerancia

 

     A tolerância pode ser uma virtude, mas também pode indicar uma fraqueza indesculpável de caráter. Nós admiramos a pessoa que tolera diferenças onde nenhum grande problema está em causa. Ela permite uma variedade de preferências, métodos e pontos de vista sem importância. Ela preferiria dar a vida por algo essencial do que por coisa fútil.

     Mas há outra tolerância que é desprezível - a vontade de permanecer em silêncio quando o nome de Deus é blasfemado ou quando Cristo é desonrado. É a infidelidade e a traição do silêncio quando a verdade está no cadafalso. É a falta de vontade de falar contra o mal. A tolerância que tolera o engano, o erro e a injustiça é pecado.

     Aqueles que pensam que Jesus foi sempre tolerante deveriam ler Mateus 23, uma denúncia da hipocrisia. Essa passagem prova agora e sempre que o nosso Senhor foi capaz de Se indignar com o fingimento de líderes religiosos. Ou eles deveriam ler Apocalipse 2:20 onde Ele condenou a igreja em Tiatira por tolerar uma mulher que ensinava, chamada Jezabel.

      Paulo também foi intolerante com o mal. Ele até mencionou nomes, algo que é considerado inaceitável nos círculos evangélicos de hoje. Ele entregou Himeneu e Alexandre a Satanás, para que eles aprendessem a não blasfemar (1 Timóteo 1:20). Ele não hesitou em identificar Himeneu e Fileto como falsos mestres (2 Timóteo 2:17) e denunciou Alexandre, o latoeiro, pelo seu mau comportamento (2 Timóteo 4:14).

     João também teve a coragem de nomear Diótrefes como alguém que gostava muito ter a preeminência (3 João 9).

     Parece que a igreja hoje perdeu a sua capacidade de intolerância divina. Como Robert G. Lee disse: "Vivemos num mundo de teologia de invertebrados, moralidade mole, religião de embalar, convicções frouxas, filosofia virada que nos diz o que já sabemos em palavras que não entendemos".

     Os escritos de William Barclay são outro exemplo. Barclay negou a divindade de Cristo, a inspiração das Escrituras, os milagres de Jesus e a Sua expiação substitutiva. Ele acreditava na eventual salvação de toda a humanidade. No entanto, os seus livros são vendidos na maioria das livrarias cristãs. Ele é amplamente citado por proeminentes líderes evangélicos. E multidões de cristãos estudam os seus livros com a desculpa ilusória de que "estes contêm informações valiosas". O facto de ser um herege, um blasfemo e um enganador não é importante. Nem, aparentemente, é importante a honra de nosso Senhor Jesus Cristo.

     Um missionário na Índia estava certo quando escreveu: "A tolerância tornou-se tão tolerante que o mal está incluído nessa tolerância. Corremos o risco de nos tornarmos ‘prostitutos morais para nosso conforto conveniente".

     É uma tolerância ímpia que tem permitido que tantos púlpitos na América tenham sido ocupados por "falsos apóstolos e obreiros fraudulentos, transformando-se em apóstolos de Cristo". Detetando uma semelhança com as condições dos dias de Elias, J. Sidlow Baxter escreveu: "Essas são as pessoas que hoje, com bondade doentia, toleram ensinadores de erros nos nossos púlpitos, porque são cavalheiros muito afáveis e amáveis. Eles preferem permitir que o erro seja pregado e que as almas sejam enganadas do que ferir os sentimentos do pregador. Que Baal seja adorado, e não venha a seca! Que o cancro mate a sua vítima, e não use o cruel cirurgião o bisturi!… A melhor coisa que pode acontecer a alguns dos chamados ministros cristãos de hoje é que eles sejam denunciados em nome de Deus pelos ouvintes”.

     Trata-se de uma tolerância pecaminosa que

     [1] recusa a castigar um tipo de igreja falsa que conduz milhões à destruição eterna com o seu evangelho pervertido.

     [2] honra esta sumidade como grande evangelista ao mesmo tempo que condena como lobos os crentes que realmente evangelizam.

     [3] rotula os profetas de Deus como divisores quando denunciam a sua idolatria, a sua mariolatria e as suas outras heresias.

     [4] envia os convertidos de volta às suas garras entorpecentes.

     O que aconteceu com a igreja dos mártires?

     Temos um enorme desejo de popularidade. É este o material de que são feitos os falsos profetas. Temos o desejo de evitar a contrariedade a todo custo. Um desejo assim impede que confrontemos, que intervenhamos quando devemos.

     Não gostamos de ser diferentes. Achamos mais fácil movermo-nos com a multidão, para andar ao sabor da maré. É muito fácil permanecer em silêncio quando estamos num clima teológico adverso. Somos escravos da opinião pública, consciências agrilhoadas que nos escravizam.

     Perdemos a capacidade de nos indignar. Nós não somos facilmente perturbados. Estamos num estado lastimável de não ter capacidade de indignação. Somos especialistas em adiar a determinação simplesmente porque não queremos agir.

     Por vezes deixamo-nos cegar pela amizade e isso impede que nos posicionemos contra o mal. Quando um cristão falou contra o livro de E. J. Carnell, "Em Defesa da Ortodoxia", porque este argumentava contra a inspiração das Escrituras, um amigo do autor disse: "Bem, vocês não o conhecem pessoalmente como eu. Ele é um cavalheiro gracioso, um homem piedoso”.

     Jay Adams estava certo quando disse: "Em alguns círculos, o medo da controvérsia é tão grande que pregadores e congregações contentam-se com a paz a qualquer custo - até mesmo a custo da verdade - a verdade de Deus. A ideia é que a paz é muito importante. A paz é um ideal bíblico ... porém, a pureza também. A paz da igreja nunca pode ser comprada pelo preço da pureza da igreja. O preço é elevadíssimo”.

     Ecumenismo e Catolicismo são hoje dois grandes clichês. Vamos todos juntos. Não faças nem digas nada que agite o barco. A doutrina divide, dizem eles. O que precisamos é de unidade.

     O que realmente precisamos é de lutar fervorosamente pela fé num tempo em que ela está a ser atacada, diluída e negada. Seremos tolerantes em questões sem importância, mas intolerantes com o afastamento da verdade de Deus. Como Lutero, "Esta é a minha posição. Não posso agir de outra maneira. Que Deus me ajude. Amém”.

- William MacDonald

Sermões e Estudos

José Carvalho
Influenciados

Sermão proferido por José Carvalho em 14 de julho de 2019

David Gomes
Escapando de Emaús

Sermão proferido por David Gomes em 07 de julho de 2019

Carlos Oliveira
Maldição hereditária

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 30 de junho de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 10 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário