O prejuízo e vingança do espírito crítico

william_macdonald.jpg     “E Mical, a filha de Saul, não teve filhos, até ao dia da sua morte” (2 Sam. 6:23).

     David estava em êxtase quando ele trouxe a arca para Jerusalém e quando ela foi colocada na tenda que ele tinha preparado especialmente para ela. Percebendo que esta era uma das suas maiores conquistas e um dos momentos mais gloriosos da sua carreira, o rei dançou perante o Senhor com toda a sua energia. A sua esposa, Mical, ridicularizou-o por aquilo que ela pensava ser um comportamento vergonhoso. Como resultado directo da sua atitude crítica, ela não teve filhos, até ao dia da sua morte.

     Aprendemos com isto que um espírito crítico produz esterilidade. É claro que, quando dizemos isto não estamos a falar da crítica construtiva. Se a crítica é verdadeira, devemos acolhê-la e tirar proveito dela. Há poucos amigos na vida que nos amam o suficiente para nos criticarem construtivamente.

     Porém, a crítica destrutiva pode ser devastadora. Pode destruir a obra de Deus na vida de alguém, e pode desfazer progressos de anos em poucos minutos.

     No incidente envolvendo David, a arca representa Cristo e a arca colocada no seu lugar em Jerusalém, fala de Cristo entronizado no coração humano. Quando isso acontece, o crente cheio do Espírito não pode deixar de manifestar a sua exuberância e entusiasmo. Isso muitas vezes desperta a hostilidade dos incrédulos e, por vezes, o desprezo de outros Cristãos. Mas esse espírito crítico leva inevitavelmente à esterilidade.

     A crítica pode levar à esterilidade não só de uma vida individual, como também de uma assembleia local. Tomemos, por exemplo, uma comunhão onde os jovens são submetidos a uma torrente constante de críticas. Eles são censurados pelo modo de vestir, pelo seu estilo de cabelo, pelas suas orações públicas, pela sua música. Em vez de ensiná-los com paciência, a liderança espera que eles sejam imediatamente adultos. Os jovens afastam-se logo para comunhões mais agradáveis, e a assembleia fica a morrer na videira.

     Ponhamo-nos de sobreaviso com o exemplo de Mical, a saber, que a censura não só prejudica as suas vítimas, como se vinga de quem a pratica. Essa vingança é a aridez espiritual. 

William MacDonald
One Day at a Time

Sermões e Estudos

Fernando Quental 16JAN22
Tribulação e tentação

Tema abordado por Fernando Quental em 16 de janeiro de 2022

Carlos Oliveira 14JAN21
Porque Deus permite a tragédia?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 14 de janeiro de 2022

David Gomes 09JAN21
A oração de Jesus

Tema abordado por David Gomes em 09 de janeiro de 2022

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:7 em 12 de janeiro de 2022

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário