A verdade sobre a culpa e a comparação

Não faça comparações - YouTube 

 

     Cada um examine os próprios atos, e então poderá orgulhar-se de si mesmo, sem se comparar com ninguém - Gálatas 6:4, NVI

      A maioria dos Cristãos afirma querer relacionar-se com Deus regularmente - ou pelo menos deseja os benefícios de uma vida mais rica que resulte de um relacionamento consistente. Mas quando se trata de transformar o desejo em disciplina, a maioria não o faz. O fracasso dá origem à culpa.

     A culpa pode ser esmagadora. Pessoas maravilhosas mancam pela vida cristã prejudicadas por causa desta culpa. É culpa, culpa, culpa, 24 horas por dia, 7 dias por semana.  Eu não oro o suficiente. Não estou a ler a Bíblia como deveria. Eu não tenho testemunhado ao meu vizinho. Eu não passo tempo suficiente com Deus ... Culpado.

     Se a culpa te define, sinto muito. Oro para que vejas que não és um “mau Cristão” se não tiveres um momento tradicional de quietude. A vida cristã não consiste em cadeados e correntes. O Senhor Jesus Cristo veio para nos libertar. Sim, um pouco de culpa pode servir como motivação de Deus, mas muitos Cristãos acobardam-se por causa da falsa culpa - também conhecida como condenação - que colocaram sobre os seus próprios ombros porque se compararam a um modelo irrealista e ficaram aquém. Esse tipo de culpa é errado e injusto e irá pesar e desgastar-te.

     A comparação é mortal, apesar de muito natural. É fácil colocarmo-nos ao lado de alguém que pensamos que está bem espiritualmente, constantemente fazendo anotações mentais sobre como não estamos à altura. No entanto, a comparação apenas pressupõe que os outros estão a fazer o que nós não fazemos e então acabamos por constrastar o que sabemos sobre nós (tudo) com o que realmente não sabemos sobre os outros (que é quase tudo). Novamente, não é justo.

     Depois, para piorar as coisas, ouvimos histórias sobre pessoas como Martinho Lutero, que acordava todos os dias às 4 da manhã e passava horas com Deus. “Tenho tanto que fazer hoje, que devo passar as primeiras três horas em oração”, disse ele. Agora, isso realmente aumenta a culpa. Estou muito feliz por Martinho Lutero, por ele ter conseguido isso. Mas, quanto a mim, não sou uma pessoa madrugadora. Eu nem sabia que havia 4h até ler esta sua citação.

     Para mim, prefiro ouvir algo sobre como as suas sessões de oração matinais o deixaram extremamente mal-humorado à tarde, por causa da sua falta de sono. Isso seria algo com o que eu realmente me poderia identificar!

     Eis o meu incentivo: por favor, deixa de comparações. Tu não és Martinho Lutero. Nem eu. Tu és tu! Deus projetou-te para seres tu também na tua fé. Não estou a sugerir que não podes ter uma intimidade com Deus semelhante à de outros heróis da nossa fé; claro que podes. Mas estou a pedir que te deixes de comparar e, em vez disso, sejas desafiado a aprender como relacionares-te com Deus de formas realistas que se encaixem na tua forma de ser. Tu consegues fazer isso! Eu sei que podes.

APROFUNDANDO:

1. Como te sentiste um perdedor espiritual ao te comparares com os outros?

2. Considera as formas como te comparas com os outros. Quando te surpreenderes a fazer isso, concentra-te na verdade de que Deus te criou para seres único e que ele não te compara a ninguém.

 

LEITURA ADICIONAL:

2 Coríntios 10:12; Efésios 2:10

Por Doug Fields

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 03DEZ21
O mais forte

Tema abordado por Carlos Oliveira em 03 de dezembro de 2021

Carlos Oliveira 28NOV21
O melhor está para vir (5) IQC

Tema abordado por Carlos Oliveira em 28 de novembro de 2021

Carlos Oliveira 26NOV21
Inseguramente seguro

Tema abordado por Carlos Oliveira em 26 de novembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:5 em 01 de dezembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário