O que espreita por detrás da tua raiva?

Punho Humano

  

     Quando vocês ficarem irados, não pequem; ao deitar-se, reflitam nisso e aquietem-se. Pausa. Salmos 4:4 - NVI

     Recentemente, almocei com um amigo que admitiu que a sua raiva está a afetar o seu casamento. Ele estava à procura de um paliativo que lhe arrefecesse os ânimos e o ajudasse na sua raiva (algo como a boa e velha técnica de “contar até 10”).

     O meu amigo não está só. De vez em quando, todos nós ficamos com raiva. Alguns de nós são realmente bons em esconder expressões de raiva. Outros não são tão bons nisso. Quer nós próprios o admitamos, quer não, a raiva espreita.

     Não há respostas fáceis para a raiva, mas há uma pergunta fácil de fazer:

     A pergunta padrão que a maioria das pessoas faz é: "O quê?" O que desencadeou a minha raiva? Mas, essa não é uma boa pergunta. É muito fácil! É muito geral! Não é tão útil.

     O que desencadeou minha raiva? O ruído, a sujidade de um espaço, o tráfego, a indelicadeza, o não descarregar o autoclismo, a eliminação de um programa de TV gravado, etc. Quem se importa?

     Em vez de perguntares "O quê?" Gostaria de encorajar-te a perguntar "Porquê?"

     A pergunta “Porquê” força-te a retirares a camada da superfície e a olhares para dentro do teu coração. Em vez de perguntares o que desencadeou a tua raiva (isso é muito fácil) ... pergunta antes, porque é que aquilo desencadeou a tua raiva?

     Quando perguntas “o quê?”, continuarás a culpar a ação e isso não te ajudará a estancar a dor.

     Quando perguntas “porquê?”, é provável que descubras uma das duas emoções principais que se escondem sob a superfície: podes imaginar essas duas emoções escondidas no canto da tua alma ... uma na posição fetal e a outra na posição de ataque.

     Se todo encolhido, na posição fetal, estás perante o medo. Cada vez que tentas aprender a formar a tua raiva, encontras o medo. Eu encontro o temeroso Doug. O Doug temeroso que expressou a sua raiva porque teve medo de não ser um bom pai ou marido, teve medo do fracasso ou da rejeição, teve medo de não poder controlar os outros para conformidade e aí por diante.

     A segunda emoção é a mágoa. A mágoa esconde-se ao lado do medo, mas, como um animal ferido, a mágoa é muito perigosa porque tudo o que sabe fazer é atacar os outros. Se eu magoo alguém com a minha raiva, não tenho que me concentrar na mágoa que sinto ou de tratar as feridas dolorosas que nunca tratei.

     Se não aprendermos de onde vem a raiva, ela continuará a voltar, continuamente. Talvez seja por isso que nas Escrituras de hoje, lemos para refletir nisso.

     Se queres matar o dragão da raiva, reflete nisso. Faz a pergunta certa. Aprende com as tuas emoções. Muda o teu comportamento. Melhora os teus relacionamentos. Fácil? Não. Possível? sim.

 

APROFUNDANDO:

1. Quando sentes raiva, é mais provável que perguntes "Porquê?" ou “o quê?"

2. Quando estás com raiva, qual a pergunta que deves fazer”

 

LEITURA ADICIONAL:

Efésios 4:31; Tiago 1:20

Por Doug Fields

Sermões e Estudos

José Carvalho
Herança

Tema abordado por José Carvalho em 25 de julho de 2021

Carlos Oliveira
Religiões de substituição

Tema abordado por Carlos Oliveira em 23 de julho de 2021

Fernando Quental
Paciência

Tema abordado por Fernando Quental em 18 de julho de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:1 em 21 de julho de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário