Atos Dispensacionalmente Considerados - CAPÍTULO XL – Atos 21:15-26 (6)

Acts dispensationally considered

 

A PROPOSTA DE TIAGO

     A proposta de Tiago, evidentemente acordada de antemão, deve ser cuidadosamente considerada à luz do seu contexto.

     A igreja Judaica tinha-se tornado numericamente poderosa em Jerusalém e na Judeia. Desde a dispersão de Atos 8:1 os principais de Israel tinham perdido Saulo de Tarso, o flamejante líder de sua rebelião contra Cristo, e tornaram-se menos agressivos. O resultado foi que grande número havia voltado a Jerusalém até que, dez anos depois, não só havia uma “multidão” de crentes na cidade, como eles tinham alcançado uma posição tão favorável que a Igreja pôde realizar o grande concílio de Atos 15 sem que alguém molestasse. E agora, outros treze ou catorze anos depois, há evidentemente números maiores do que nunca[1] (Atos 21:20).

     Mas o concílio em Jerusalém, embora tivesse fechado as bocas dos judaizantes no que concerne à oposição pública à mensagem da graça de Paulo, não os havia conquistado de modo algum para a atitude que Pedro demonstrara na sua nobre declaração de Atos 15:8-11. Pelo contrário, eles seguiram o rasto de Paulo para onde quer que ele fosse, procurando minar o seu ministério entre os Gálatas, Coríntios e os crentes Gentios em geral. De facto, o próprio Pedro, juntamente com outros crentes Judeus, incluindo até mesmo Barnabé, quase causou séria divisão na igreja em Antioquia, sob a influência de “alguns [que tinham chegado] da parte de Tiago” (Gálatas 2:12,13).

     E agora Tiago e os anciãos fazem a sua proposta a Paulo para o ajudar, ou porque eles estão envergonhados pela sua presença em Jerusalém nesta altura? Se o desejo deles é realmente ajudar, eles estão em condições de o fazer agora, mas não parece ser este o caso, pois, sem se oferecer para endossar o seu ministério ou apoiá-lo de qualquer maneira, eles encorajam-no a passar por um ritual Judaico a fim de apaziguar os que tinham sido informados (em parte verdade) de que ele estava a deixar o Judaísmo.

     A multidão, dizem eles, certamente “se ajunt[ará]” quando ouvirem que Paulo chegou. Algo, então, deve ser feito rapidamente, por Paulo, de uma maneira pública, para os convencer de que foram mal informados; que o apóstolo é um bom judeu, observando fielmente as ordenanças da lei.[2]

     A sua proposta, portanto, era a seguinte: Paulo, evidentemente, não estava sob voto neste momento, mas eles tinham quatro homens que estavam, e Paulo podia se juntar publicamente a eles no seu voto purificando-se e pagando pelos sacrifícios que assinalavam a consumação dos seus votos - uma considerável quantia, uma vez que duas pombas ou pombos, um cordeiro, uma ovelha e um carneiro tinham que ser oferecidos por cada um dos quatro (Núm. 6).

     Este procedimento evidentemente não era incomum na época. De facto, Josefo conta como Agripa I cortejou o favor judaico ao financiar assim os votos Nazireus (Ant. XIX, 6,1).

     Tiago e os anciãos, evidentemente, desejavam que Paulo deixasse com eles quaisquer questões que ele pudesse ter sobre o assunto, insistindo com ele: “Faz, portanto, o que te vamos dizer” (Ver. 23). E para induzi-lo ainda mais a ceder-lhes, eles lembraram-lhe que “quanto aos que creem dos Gentios, já nós havemos escrito, e achado por bem, que nada disto observem” 10 (Ver. 25).

 __________________________________

[1] Sendo verdade que muitos dos crentes em Jerusalém nesta altura tinham vindo de longe, a grande maioria ainda era de Jerusalém e da Judeia.

[2] As palavras “andas também, tu mesmo, guardando a lei”, não podem significar outra coisa que não a observância fiel da lei.

 

 Atos dispensacionalmente Considerados

Cornelius R. Stam

 

Sermões e Estudos

David Gomes
Faróis

Sermão proferido por David Gomes em 15 de setembro de 2019

José Carvalho
Dupla Verdade

Sermão proferido por José Carvalho em 08 de setembro de 2019

Carlos Oliveira
Dividir bem a Bíblia II

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 01 de setembro de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:19 em 11 de setembro de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário