Atos Dispensacionalmente Considerados - CAPÍTULO XXXVIII – Atos 20:13-38 (5)

Acts dispensationally considered

 

O ESPÍRITO DE PAULO E O ESPÍRITO SANTO

 

     Uma questão importante a ser levada em consideração aqui é quanto o Espírito Santo e quanto o próprio espírito de Paulo estiveram envolvidos neste episódio.

      A palavra espírito (Gr. Pneuma) é usada cinco vezes no registo, e acreditamos que em cada caso está claro se o espírito de Paulo ou o Espírito Santo é referido.

     Em Atos 19:21 lemos que “Paulo propôs, [no] espírito, ir a Jerusalém”. Ora, esta frase “[no] espírito” é familiarmente usada para o próprio espírito do homem[1] e se não houvesse uma indicação para o provar, ninguém provavelmente, alguma vez teria questionado a interpretação natural de que Paulo resolveu no seu espírito ir a Jerusalém.

     Neste contexto, não se deve esquecer que a passagem afirma distintamente que foi Paulo quem propôs ir a Jerusalém. Se Deus tivesse proposto a sua ida, teria sido dito que o Espírito Santo o guiou ou instruiu a ir.

     Isto, é claro, não nega que o termo "[no] espírito" seja usado para mostrar que foi a parte mais elevada do ser de Paulo, a parte que mantinha comunhão com Deus, que o motivou a partir.[2]

     Em Atos 20:22, o apóstolo diz de si mesmo: “E agora, eis que, ligado eu pelo espírito, vou para Jerusalém”, isto é, ele sentiu-se obrigado a ir. Que o seu próprio espírito é referido aqui, é evidente a partir do facto de que ele prossegue dizendo que “o Espírito Santo [Gr.: o Espírito, o Santo] revela em cada cidade que prisões e tribulações o esperam (Ver. 23).

     Uma considerável maioria das traduções traduz a palavra espírito com um “e” minúsculo em Atos 19:21 e 20:22 conforme o significado natural do original. Que isso é correto é ainda confirmado pelo facto de, inquestionavelmente, o Espírito Santo ser mencionado em todas as três advertências e exortações para ele não ir a Jerusalém. Se as duas passagens acima, então, também se referissem ao Espírito Santo, seríamos confrontados com a situação contraditória do Espírito Santo estar simultaneamente a influenciá-lo para ir e não ir.

     Acabámos de ver que o próprio Paulo declarou que “o Espírito Santo” o advertira das consequências de ele ir a Jerusalém neste momento. As outras duas passagens são Atos 21:4, onde os discípulos de Tiro “pelo Espírito diziam a Paulo, que não subisse a Jerusalém” e Atos 21:10,11, onde "Ágabo ... tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim ligarão os Judeus em Jerusalém o varão de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos Gentios”.

     Não pode haver dúvida de que os outros companheiros de Lucas e Paulo, assim como “os que eram daquele lugar”, viam a profecia de Ágabo como uma advertência de Deus sobre o que aconteceria a Paulo se ele persistisse no seu propósito de ir a Jerusalém, pois todos imploraram-lhe - com lágrimas – “que não subisse a Jerusalém”, e foi só quando não puderam “convencê-lo” que eles disseram: “Faça-se vontade do Senhor [isto é, a Sua vontade permissiva] (Vers 12-14).

 ____________________________

[1] Veja Atos 18:5,25; I Cor. 5:3; 2 Cor. 2:13. Todas estas passagens, como 19:21, contêm o artigo definido no original.

[2] Mas até mesmo o espírito do crente pode errar, como está implícito em 1 Tes. 5:23.

 

 Atos dispensacionalmente Considerados

Cornelius R. Stam

 

Sermões e Estudos

David Gomes
Faróis

Sermão proferido por David Gomes em 15 de setembro de 2019

José Carvalho
Dupla Verdade

Sermão proferido por José Carvalho em 08 de setembro de 2019

Carlos Oliveira
Dividir bem a Bíblia II

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 01 de setembro de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:19 em 11 de setembro de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário