Atos Dispensacionalmente Considerados - CAPÍTULO XXXVIII – Atos 20:13-38 (3)

Acts dispensationally considered

 

OS ARGUMENTOS PARA PAULO IR A JERUSALÉM NESTA ALTURA

     Os principais são os seguintes:

  1. Os planos de Paulo não foram feitos “segundo a carne” (2 Cor.1:15-17).
  1. Posteriormente, diante do Sinédrio, e ainda mais tarde, numa carta a Timóteo, ele declarou que desde a sua juventude serviu a Deus com uma consciência pura (Atos 23:1; 2 Timóteo 1:3).
  1. Ele declarou a sua determinação de continuar a viagem a Jerusalém para que pudesse terminar a sua carreira e o seu ministério “com alegria” (Atos 20:24).
  1. Quando os seus amigos não conseguiram dissuadi-lo do seu propósito, eles disseram: “Faça-se a vontade do Senhor” (Atos 21:14).
  1. Depois que Paulo chegou a Jerusalém, o Senhor, em vez de repreendê-lo, encorajou-o dizendo: “Paulo, tem ânimo: porque como de Mim, testificaste em Jerusalém, assim importa que testifiques também em Roma” (Atos 23:11).
  1. Pouco antes da sua morte, Paulo escreveu: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2 Timóteo 4:7), que, segundo se afirma, ele não poderia ter dito se ele estivesse fora da vontade do Senhor em fazer esta viagem a Jerusalém.

     Porém, estes argumentos não são tão conclusivos quanto pareçam à primeira vista.

     Embora concordemos que não foi a carne que levou o apóstolo ir a Jerusalém neste momento, deve ser observado que em 2 Coríntios. 1:15-17 o apóstolo não se refere a todos os seus planos, ou propósitos, muito menos ao seu propósito de visitar Jerusalém pela última vez. Nesta passagem ele refere-se ao seu antigo plano de visitar os Coríntios (Ver. 15). É com respeito à mudança neste plano que ele protesta: “E, deliberando isso, usei, porventura, de leviandade? Ou o que delibero, o delibero segundo a carne ...?” (Ver. 17).

     Quanto às afirmações do apóstolo que desde a sua juventude ele tinha vivido diante de Deus “com toda a boa consciência”, está bem claro nos seus próprios escritos que ele estava longe de ser perfeito e que essas afirmações não se referem a todos os detalhes da sua vida, mas sim ao rumo que ele adotou, primeiro opondo-se a Cristo, depois voltando-se para Ele e servindo-O. Além disso, o facto de ele mesmo perseguir Cristo com uma consciência pura (Atos 26:9) prova que é possível errar com uma consciência limpa, embora distorcida.

     Os números 3 e 4 acima serão tratados mais adiante, mas faremos uma pausa aqui para tocar brevemente nos números 5 e 6.

     Ninguém negaria que os motivos de Paulo para ir a Jerusalém naquela altura eram os mais elevados; que ele foi com um coração cheio de amor a Cristo e aos seus parentes; arriscando a sua própria vida ao ir. Será estranho, então, que Deus o encoraje depois da sua nobre posição perante a multidão irada de Jerusalém e diante do Sinédrio? Não esperaríamos que Deus fizesse isso? Isto não é prova de que Paulo estava na diretriz da vontade de Deus em ir a Jerusalém neste momento.

     Nem sua declaração em 2 Tim. 4:7 prova isso. Tome a controvérsia acalorada do apóstolo com Barnabé, o seu insulto ao sumo sacerdote (do qual ele se desculpou) e acrescente quaisquer outras falhas que possa encontrar no registo; depois compare-os com o resto do registo e veja se ele não estava mais do que justificado ao declarar: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé". Quem de nós fez metade tão bem?

 

 Atos dispensacionalmente Considerados

Cornelius R. Stam

 

Sermões e Estudos

David Gomes
Faróis

Sermão proferido por David Gomes em 15 de setembro de 2019

José Carvalho
Dupla Verdade

Sermão proferido por José Carvalho em 08 de setembro de 2019

Carlos Oliveira
Dividir bem a Bíblia II

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 01 de setembro de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:19 em 11 de setembro de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário