Cristo, tudo em todos

Diana deusa

 

     Quando o grande escultor Fídias foi empregado pelos Atenienses para fazer a estátua de Diana, ele apaixonou-se tanto pelo seu trabalho que ansiou projetar para a posteridade o seu próprio nome associado à estátua. Assim, gravou secretamente o nome dele entre as pregas das vestes da deusa. Porém, os Atenienses descobriram-no e com indignação baniram o homem que tinha profanado a santidade da sua deusa.

     Se o que era devido a uma divindade pagã era assim pensado, qual será a sorte do homem que procura colocar-se, ou às suas obras, por mais pequena que seja a forma, juntamente com os méritos d’Aquele que Ele chama de Salvador e Deus?

A invulnerável túnica

a túnica 

 

     Um homem tinha sido condenado a fuzilamento por um tribunal Espanhol, mas sendo cidadão Americano e de naturalidade Inglesa, os diplomatas destes dois países intervieram e disseram que as autoridades Espanholas não tinham autoridade para o condenar à morte. O protesto deles não foi escutado e, por isso, para levarem a cabo o seu propósito eles envolveram o prisioneiro com as suas bandeiras nacionais. O homem ergueu-se envolto nas bandeiras dos Estados Unidos e da Inglaterra, e os diplomatas desafiaram os algozes. “Disparem um só tiro, se tiverdes coragem”, disseram eles, “pois se o fizerdes, desafiareis as nações representadas por estas bandeiras, e fareis cair sobre vós os poderes destes dois grandes impérios”.

Ler mais: A invulnerável túnica

O pecado é um facto insofismável

John Stott photo by John Yates e1461950665219

 

     A extensão universal do pecado humano não é uma verdade que pode ser conhecida apenas por revelação. É um facto da nossa própria experiência quotidiana. Vemo-lo quando lemos uma história ou o jornal. Vemo-lo enquanto viajamos pelo exterior ou nos misturamos com outros homens, nossos semelhantes. Vemo-lo no nosso próprio lar. Vemo-lo nas nossas próprias vidas.

Ler mais: O pecado é um facto insofismável

A verdade está morta?

 RELATIVISMO

 

     Quando os jovens radicais da década de 1960 se tornaram na nova geração de professores, políticos e líderes culturais, eles trouxeram consigo um sistema de valores desprovido de verdade absoluta, diz o apologista cristão e escritor Ravi Zacharias.

     "Os radicais tornaram-se na nova norma, e a nova norma era basicamente que os absolutos morreram", disse Zacharias à Decision Magazine. “Uma pessoa tem que conceber a sua própria vida num sistema de crenças assim. E agora, passou cerca de meio século desde esse tempo e cantam de galo. A América perdeu o seu rumo”.

     Na era digital, a morte dos absolutos é especialmente perigosa, diz Zacharias, porque “a capacidade de armar a rebelião através dos media e da tecnologia é muito mais fácil”.

Ler mais: A verdade está morta?

A glória da Cruz, por Billy Graham

Cruz Bíblia

 

     Que glória existe na cruz? Era um instrumento de tortura e vergonha. Porque Paulo se gloriou nela? Ele gloriou-se nela porque o ato mais altruísta jamais realizado por homens ou anjos ocorreu sobre ela. Ele viu - emanando daquele feixe áspero e inestético sobre o qual o Filho de Deus havia sido crucificado - a radiante esperança do mundo, o fim da escravidão do crente ao pecado e o amor de Deus derramado no coração dos homens. Um homem solitário morrendo numa cruz fez mais para restaurar a harmonia perdida do homem com Deus, com o próximo e com ele mesmo, do que o génio combinado e o poder dos poderosos da Terra. Com as minhas limitações finitas, não consigo compreender plenamente o mistério da expiação de Cristo. Só sei que todos os que vêm à cruz com uma fé simples e confiante perdem todas as suas manchas de culpa e encontram paz com Deus.

- Billy Graham

 

Sermões e Estudos

José Carvalho
Influenciados

Sermão proferido por José Carvalho em 14 de julho de 2019

David Gomes
Escapando de Emaús

Sermão proferido por David Gomes em 07 de julho de 2019

Carlos Oliveira
Maldição hereditária

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 30 de junho de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 10 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário