Comentário a crónica da jornalista Luísa Castel-Branco

A jornalista Luísa Castel-Branco costuma escrever uma crónica semanal no jornal Destak. A sua crónica da semana passada intitulava-se "Morrer sem ter um colo".

O teor do texto deu-me uma vontade irresistével de lhe escrever. Eis o texto e o comentário:

Terça-feira, 6 de Novembro de 2007

Morrer sem ter um colo

Nunca ninguém me pegou ao colo, me embalou, tomou conta de mim e me levou até aos céus. É assim que vou morrer, sem saber o sabor da acalmia da mente, da alma, como uma praia infinita de areia branca e águas transparentes, uma floresta de múltiplos verdes em que o vento deposita uma dança maravilhosa, numa melodia impossível de descrever.

Vou morrer virgem de tantas coisas, de tantos sentimentos e sensações que nunca provei, que não sei como são. Se o destino existe, e se ele se prende com reencarnações sucessivas, a essa outra que virá um dia eu desejo a paz de espírito, sem assombros de fantasmas da infância, sem o peso de todos as responsabilidades e principalmente sem esta lucidez que, como um espelho gigante e multifacetado, mostra-me clara e nitidamente os meus erros, omissões e faltas. Tenho saudades do que não conheço, mas que revejo na vida dos outros.

Tenho pena desta minha existência, desta passagem pela vida, tão imperfeita, tão pouco tantas coisas e tantas outras. O irónico é que, desde que me lembro de ser gente, sonhei com esse colo, esse abraço protector, esse escudo contra o medo, as tempestades, os desgostos ridículos e as amarguras de lágrimas de raiva e sangue. Sonhei-o, a esse meu cavaleiro andante. Nada de especial, nada de fantástico. Apenas alguém suficientemente bom, inteligente e capaz de me amar como sou, de me conhecer para além do óbvio e de me cuidar, como se fosse um pedaço de jardim, um livro antigo ou uma peça sem outro valor senão o da saudade.

in Destak 6.11.07
publicado por Luísa Castel-Branco às 10:45


De Carlos Oliveira a 11 de Novembro de 2007 às 02:40

Olá Luísa,

Ao ler a sua crónica apeteceu-me apresentar-lhe Jesus - não religião.

Ele é o colo de que todos precisamos, quando todos os outros colos nos faltam.

Ele pode perfeitamente dar-lhe colo, tomar conta de si, embalá-la, levá-la ao céu. Sim, Ele é tão fantástico e único, que pode, na morte estar consigo e dar-lhe o sabor da acalmia da mente, da alma, na praia infinita deslumbrante que a eternidade lhe pode reservar e ofertar.

Se O conhecer deveras, não morrerá virgem dessas tantas coisas, desses tantos sentimentos e sensações que nunca provou, que não sabe como são, e que a querem deleitar.

Só Ele lhe pode dar a paz de espírito que persegue e perdoar-lhe e apagar os seus erros, omissões e faltas. Ele levá-la-á a conhecer o inimaginável e a desfrutar do abençoável que viu e que nunca viu na vida de ninguém. Só Ele lhe poderá dar sentido à existência e propósito à sua passagem por esta vida. Como entendo essa sua saudade desde criança! O ser humano tem um vazio na forma de Deus. Nada mais, a não ser Ele o pode preencher satisfatória, plenamente.

A voz de Jesus ainda se ouve hoje, dizendo: "Eis que estou à porta e bato, se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei ...". Permita-Lhe que Ele lhe dê esse colo único, desejado e apetecível, e lhe faculte a protecção e o escudo que a tornará imune a medos, tempestades, desgostos e amarguras. Ele é o Cavaleiro descrito como o que cavalga sobre os céus para a sua ajuda. Ele amá-la-á como é e valorizá-la-á como nunca foi nem sonhou. A saudade dará lugar à eterna felicidade.

Que Deus a abençoe.

Carlos Oliveira

Sermões e Estudos

Alberto Veríssimo
Terra de Gigantes

Reunião de Homens por Alberto Veríssimo em 10 de agosto de 2019

Alberto Veríssimo
Tempestade vivida

Sermão proferido por Alberto Veríssimo em 18 de agosto de 2019

Alberto Veríssimo
José, ou saber esperar em Deus

Reunião de Jovens por Alberto Veríssimo em 09 de agosto de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 31 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário