Investindo a 400% - Hudson Taylor

Hudson Taylor     Certa noite, após ter concluído o meu último culto, às dez horas, um homem pobre veio pedir-me que fosse orar pela sua esposa, dizendo que ela estava moribunda. Concordei de imediato, e a caminho da casa dele perguntei-lhe por que não chamara o padre, posto que o seu sotaque me indicava que ele era um irlandês (portanto, Católico). Segundo explicou, assim o fizera, mas o padre recusara-se a vir sem o pagamento adiantado de dezoito pence, que o homem não possuía, porquanto a família estava a passar fome.

     Imediatamente ocorreu-me que todo o dinheiro que eu tinha neste mundo era uma solitária moeda de meia coroa; além disso, ainda que me esperasse em casa a tigela em que eu usualmente ia buscar o meu jantar, e mesmo apesar de haver o suficiente para meu pequeno-almoço na manhã seguinte, nada me restava para almoçar no outro dia.

     O homem levou-me por um miserável lance de escada até um quarto arruinado; e que visão se apresentou  perante  os  nossos  olhos! “Ah!”, pensei eu, “se eu tivesse dois xelins e seis pence, em vez de meia coroa, quão alegremente eu lhes daria um xelim e seis pence!” Todavia, uma desgraçada incredulidade impediu-me de obedecer ao impulso de aliviar  a  aflição  deles  ao  custo  de tudo quanto eu possuía.

     “Você  pediu-me  que  viesse  e orasse pela sua esposa”, disse eu ao homem. “Ajoelhemo-nos e oremos”. E ajoelhámo-nos. Mas, nem eu abrira bem os meus lábios dizendo “Nosso Pai, que estás no céu”, a consciência acusou-me dentro de mim: “Ousas zombar de Deus? Tens a coragem de te ajoelhares e de chamares a Deus de Pai, tendo meia coroa no bolso?”  Tal  foi  o  conflito  que  me assaltou, que nunca antes nem depois experimentei igual. Como consegui terminar aquela forma de oração, não sei; nem sei dizer se as palavras tinham nexo ou não; contudo, levantei-me dali com profunda angústia mental. O pobre pai voltou-se para mim e disse: “O senhor está a ver a triste condição em que nos achamos; se pode ajudar-nos, ajude-nos pelo amor de Deus!” Foi nesse momento que brilharam em minha mente as palavras:  “Dá-lhe  o  que  te  pede”. Enfiei a mão no bolso e retirei lentamente dali a moeda de meia coroa. Entreguei-a ao homem, dizendo-lhe que aquilo que eu estava a procurar dizer-lhe era realmente verdade – que Deus é mesmo um Pai, e que se pode confiar n’Ele. A alegria voltou completamente ao meu coração. Dali por diante pude  declarar  toda  a  verdade  com autêntico sentimento, e o empecilho para a bênção desapareceu – desapareceu  para  sempre,  conforme confio.

     Lembro-me bem de como naquela  noite,  quando  me  dirigia  para casa, o meu coração sentia-se tão leve quanto o meu bolso. Quando tomei a minha tigela de papa, antes de retirar-me  para  meu  quarto, não a trocaria nem pelo banquete de um príncipe. Ao ajoelhar-me ao lado do meu leito, lembrei o Senhor, pela sua própria Palavra, que aquele que dá ao pobre empresta ao Senhor: roguei-Lhe que o meu empréstimo não fosse por muito tempo, pois doutro modo eu não teria o que almoçar no dia seguinte; então, sentindo paz interior e gozando de tranquilidade, passei uma noite de descanso feliz.

     Na manhã seguinte, a minha tigela de  papa  não  faltou.  Antes  de terminá-la, ouviu-se o carteiro que batia à porta, e pouco depois a proprietária da pensão veio entregar-me um envelope, com a mão molhada coberta pelo avental. Pus-me a olhar para o envelope, mas não pude decifrar de quem era a letra. Era a caligrafia de um estranho, ou uma caligrafia disfarçada, e o carimbo do correio estava borratado. De onde viera, eu não sabia dizer. Ao abrir o envelope,  nada  encontrei  escrito; porém, dentro da folha de papel em branco havia um par de luvas. E, ao abri-las,  para  minha  surpresa  caiu meio soberano. “Louvado seja o Senhor!” exclamei. “Quatrocentos por cento por um empréstimo de doze horas, é um lucro óptimo. Quão satisfeitos ficariam os negociantes de Hull, se pudessem emprestar o seu dinheiro a uma taxa tão elevada!” E naquele exacto instante tomei a resolução de que um banco que não pode falir é que receberia as minhas economias ou proventos, conforme  fosse  o  caso  –  uma  determinação da qual até hoje não me arrependi.
Hudson Taylor
______________
Este incidente ocorreu durante os estudos  de  medicina  de  Hudson Taylor (1832-1905), em Hull, na Inglaterra; e isso, juntamente com lições similares, serviu para fortalecer os princípios de fé que o nortearam na fundação da Missão para o Interior da China.

Sermões e Estudos

José Carvalho
Influenciados

Sermão proferido por José Carvalho em 14 de julho de 2019

David Gomes
Escapando de Emaús

Sermão proferido por David Gomes em 07 de julho de 2019

Carlos Oliveira
Maldição hereditária

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 30 de junho de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 10 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário