Extremos

stop extremismo

 

     A apresentação de uma verdade de forma diferente, muitas vezes prende a atenção de alguém. Caso contrário poderá passar como lugar-comum e ser facilmente esquecida. Uma apresentação da verdade assim, é vista em Ezequiel 44:20: "E a sua cabeça [os sacerdotes] não raparão, nem deixarão crescer o seu cabelo; antes, como convém, tosquiarão as suas cabeças".

     Uma passagem como esta atrai uma pessoa. Expressa-se o mais claramente possível; combate os  extremos. Eis dois sacerdotes. Um está completamente rapado; o outro com cabelo comprido. Eis-nos perante extremos; eles são ambos extremistas e ambos estão errados.

      Eis aqui dois irmãos. Uma é todo alma, coração, fogo, zelo, seriedade. Ele fica impaciente com as restrições que a associação com seus irmãos impõe. Os princípios divinos quanto à comunhão e serviço não são nada para ele. Ele é tudo pela salvação do pecador e não se importa com nada mais além disso. Podemos admirar o seu zelo, mas deploramos o facto de ele ser extremista; nisso ele está errado.

     O outro está bem instruído na Palavra, ele é tudo pela Igreja e sabe como tudo deve ser feito. Ele não entende o zelo do seu irmão; o amor pelas almas não parece mover o seu coração; ele é um balde de água gelada para aqueles que procuram espalhar o Evangelho. Podemos ser gratos pela sua inteligência, mas desejamos que ele tivesse mais calor no coração; ele é extremista e isso está errado.

     O primeiro está em perigo de superficialidade, de indiferença aos princípios e de mundanismo. Este último será dogmático, frio, seco, formal e possivelmente legalista ou mundano, pois é extraordinário como o afastamento do equilíbrio divino das coisas tende ao mesmo resultado prático. Eles podem estar tão distantes quanto os polos quanto à sua atitude em relação às coisas e, ainda assim, estranhamente unidos na prática. Eles podem invejar, desprezar e anatematizar um ao outro durante o dia e serem companheiros de quarto à noite.

     Nós não queremos menos zelo no Evangelho, ou menos inteligência ou amor à verdade, ou consideração pelos princípios divinos. Queremos mais de tudo isso. Mas como um equilibrará corretamente o outro, para que sejamos salvos de extremismos?

     Nós respondemos em uma palavra única: Cristo. Conseguimos, mantendo-nos em comunhão com Ele. Em comunhão com Cristo, cada um valorizará o serviço do outro, estimará o outro melhor do que ele, buscará lucrar com o que o outro aprendeu de Cristo, e assim o zelo será temperado pela inteligência, e a inteligência será de valor prático, porque aquecida pelo zelo.

     Em comunhão com Cristo, o evangelista aprenderá de maneira prática que ele é um dom do Senhor ascendido para a Sua Igreja; ele aprenderá que os seus convertidos são salvos para a Igreja, a Igreja que é o Corpo de Cristo.

- A. J. Pollock

Sermões e Estudos

José Carvalho
Influenciados

Sermão proferido por José Carvalho em 14 de julho de 2019

David Gomes
Escapando de Emaús

Sermão proferido por David Gomes em 07 de julho de 2019

Carlos Oliveira
Maldição hereditária

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 30 de junho de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 10 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário