Irresponsabilidade de homens e mulheres - ou a senda para tragédias já vistas

Carlos M. Oliveira

      “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos” (1 Cor. 14:33). 


Enquadramento
 
     A ordem, ou ausência de confusão, é resultante de ação governativa, ou exercício de autoridade. Imaginemos a confusão que existiria na nossa sociedade se não houvesse ação governativa e, portanto, o exercício da autoridade.
 
     É assim na deidade – vemos em Deus o exercício perfeito da autoridade, da ação governativa. É admirável como o Filho foi em tudo sujeito ao Pai apesar de ambos serem igualmente Deus. Não poderíamos encontrar melhor exemplo de como sujeição não significa inferioridade e autoridade não significa superioridade. Portanto, quando as Escrituras falam de exercício de autoridade o que está em causa não é nada pessoal, mas posicional. A harmonia existente na deidade resulta da existência de autoridade com amor e de sujeição voluntária.
 
     Nenhuma Pessoa da deidade funciona independente das outras, nem por razões egoístas (João 5:19; 16:13). O Pai ama o Filho (Mat. 3:17) e o Filho submete-Se voluntariamente à vontade do Pai (Mat. 26.39; Fil. 2:5-8; Heb. 10:7). O Espírito Santo é voluntariamente submisso tanto ao Pai como ao Filho (Atos 2:33).
 
     Deus também estabeleceu uma ordem de autoridade no mundo angélico (Judas 9). E quando olhamos para o segundo céu vemos que Deus, também ali, estabeleceu uma ordem de autoridade ou governo. No quarto dia da criação Deus criou dois grandes luminares e também as estrelas (Gén. 1:16). Criou o luminar maior, o sol, para governar o dia, e o luminar menor, a lua, para governar a noite. Estes dois luminares dão-nos uma perfeita ilustração da perfeita ordem do governo de Deus. O poder está todo residente no sol. Na sua ausência a lua, não tendo nenhum poder em si, reflete simplesmente a luz do sol, e assim governa a noite (Mat. 24:29).
 

Aplicação
 
     É assim que a ação governativa de Deus é exercida nos vários domínios, incluindo a igreja. Como Todo-poderoso Ele delega a Sua autoridade a outros, que por sua vez governam por Ele na Sua ausência.
 
     Nas Escrituras vemos que Deus quer precisamente este princípio de exercício da autoridade com amor e de sujeição voluntária exercido entre marido e esposa (Efé. 5:25,22), entre pais e filhos (Efé. 6:4,1), entre homens e mulheres, na igreja (1 Cor. 14:34; 1 Tim. 2:10-14).
 
 
Uma história de aviso e alerta
 
     A história da Bíblia é a história da recusa do homem em sujeitar-se à autoridade com amor da parte de Deus, à sua subsequente escravização ao implacável governo desamorável do pecado e de Satanás, e à graciosa restauração do homem por Deus, ficando aquele uma vez de novo sob a Sua autoridade de amor.
 
     No jardim do Éden, Deus atribuiu a Adão o lugar de autoridade e a Eva o lugar de sujeição e apoio (1 Tim. 2:12,13; Gén. 2:18). Sabemos que o ataque de Satanás visou Eva, consistindo em colocar-lhe em dúvida a Palavra de Deus, concretamente a vontade de Deus expressa para ela (Gén. 2:17; 3:1,4,5). Satanás tentou-a, levando-a a liderar e ela violou a ordem do governo de Deus ao tomar a liderança. Ela usurpou a autoridade atribuída ao homem (1 Tim. 2:12,13). O resultado foi o descalabro, a confusão. 
 
     Eva respondeu à questão de Satanás citando mal a Palavra de Deus (1 Cor. 14:35; 1 Tim. 2:12). Ela acrescentou, “nem nele tocareis” (Gén. 3:3; comp. 2:17). Ela tornou o mandamento de Deus mais restritivo do que era. Esta é uma das razões porque Deus não quer que a mulher ensine. Foi uma mulher que introduziu o fermento nas "três medidas de farinha, até que tudo levedou" (Lc 13:21) - tipo da introdução de princípios corruptos, que permeiam a doutrina (Mt 13:33; 16:12). Já escrevemos noutros escritos que mulheres têm estado por detrás da origem de seitas e corrução da doutrina.
 
     Satanás usou este erro para pôr em causa a autoridade de amor da parte de Deus. Ele mente e diz, “Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal” (Gén. 3:4,5). 
 
     Na sua essência a mensagem que ele faz passar é esta: “A autoridade de Deus não é de amor, mas restritiva e egoísta! Ele não tem o teu interesse em vista. Está a prejudicar-te. Ele quer prejudicar-te.” 
 
     Satanás minou a confiança de Eva em Deus. Ele apelou ao orgulho e sentimentos dela na esperança de que ela se deixasse guiar por eles, e não pelo conhecimento da vontade de Deus. Ele ainda faz isso hoje; ele está a fazer isso hoje mais do que nunca.
 
     A mulher deixou-se conduzir pelo seu ego e emoções e não pela Palavra de Deus, e a seguir dá o fruto da árvore a Adão. Todavia ele não é enganado. Adão sabe o que Deus tinha dito e o que aconteceria se houvesse desobediência, porém a sua falha em liderar, a sua falha em assumir a sua responsabilidade de autoridade, levou-o a ter de fazer uma escolha. Ele teve de escolher entre a vontade de Deus e a sua própria vontade – ficar separado de Deus, ou ficar separado da sua mulher. 
 
     A vontade de Deus governaria a sua vontade, ou governariam os seus desejos pela sua mulher? Adão lideraria ou seria liderado? 
 
     O seu fracasso em assumir a liderança permitiu que Satanás manipulasse a situação até ao ponto de ele ter de escolher entre Deus e a mulher. Apesar de ter uma compreensão clara da vontade de Deus, Adão escolheu deliberadamente a sua mulher, e seguiu a liderança de Eva. 
 
     Adão também se deixou conduzir pela sua própria vontade, desejos e sentidos, em vez de se deixar guiar pelo conhecimento de Deus e da Sua vontade. A confusão e o caos atingiu também assim o cabeça da criação. Também ele se rebelou contra a ordem da autoridade de Deus! Também ele recusou sujeitar-se à autoridade de amor de Deus!
 
     Num primeiro relance pareceria que a mulher seria a culpada da queda do primeiro homem, e por conseguinte da humanidade. 
 
     Apesar de Eva ter falhado em submeter-se voluntariamente à ordem de governo de Deus para a humanidade, o que acabou por a conduzir à transgressão e ao pecado do primeiro homem, ela não é responsável pela queda de Adão. 
 
     O responsável é ele próprio. Deus deu-lhe autoridade para liderar e ele não liderou. Ele estava em posição de autoridade em relação à mulher, e ele permitiu que Eva usurpasse a sua autoridade e tomasse a liderança. Depois de falhar no que concernia à liderança, ele optou por seguir a liderança da mulher, em vez da vontade de Deus. 
 
     Adão tentou culpabilizar a mulher que Deus lhe dera, porém Deus declara claramente que Adão falhou quando deu ouvidos à voz da sua mulher (Gén. 3:12,17). O homem falhou em liderar a mulher, e depois escolheu seguir a sua liderança. Foi o fracasso de Adão que acabou por provocar a sua queda, e a queda da humanidade (Rom. 5:12). 
 
 
Uma história que se repete
 
     Mas o fracasso do homem em liderar com amor, e o fracasso da mulher em sujeitar-se voluntariamente não se limita ao Éden. Encontramos a repetição do mesmo ao longo da Bíblia, e em cada caso onde encontramos uma mulher a tomar a liderança vemos uma indicação da condição de fraqueza e fracasso do homem. 
 
     “… mulheres estão à testa do seu governo ah! povo meu! os que te guiam te enganam, e destroem o caminho das tuas veredas” (Isa. 3:12).
 
     Quando Sara tomou a liderança e Abraão cedeu, seguindo-a, o resultado foi o nascimento de Ismael – uma carga de problemas que duram até hoje (Gén. 16:1-16).
 
     Rebeca tomou a liderança no caso do seu filho Isaque e o resultado foi Jacó ser enganado e Esaú prejudicado (Gén. 27:6).
 
     Miriam pôs em causa a autoridade de Moisés (Núm. 12:2), querendo também ela liderar, e o resultado foi a ira do Senhor acender-se contra ela e contra quem se associou a ela – Aarão -, tendo ela ficado leprosa. (Núm. 12:3-13).
 
     Jezabel controlava claramente o fraco rei Acab (1 Reis 19:1-3), e todos sabemos a tragédia que isso implicou para Israel.
 
     Débora foi juiz em Israel num dos períodos mais fracos dos juízes. Isso é indicado pela frase “naquele tempo” (Juí. 4:4). “Naquele tempo” Israel estava sob o controlo do rei de Canaã e de Sísera, capitão do seu exército. Débora chamou Baraque para liderar na batalha, mas na sua fraqueza ele hesitou, e assim Deus deu soberanamente a vitória a uma mulher (4:9).
 
     Herodias levou Herodes a tirar a vida, contra a sua vontade, a João Batista (Mar. 6:17-24).
 
     Na carta do Senhor à Igreja em Tiatira, a primeira coisa que Ele tem contra ela é o facto de eles terem permitido que “Jezabel”, mulher que se dizia profetisa, ensinasse e enganasse os servos de Deus (Apo. 2:20).
 
     Não deveria ser surpresa para nós que Satanás tenha sempre introduzido na adoração uma mulher nas falsas religiões dos homens (1 Reis 11:33; Atos 19:27). Ele ainda continua a fazê-lo nos nossos dias. Fátima será o exemplo maior desse facto.
 
     O nosso Adversário está empenhado em provocar a confusão e o caos no Cristianismo. 
 
     Hoje há homens Cristãos que estão a ser confrontados com a mesma escolha. Obedecerão à Palavra de Deus, ou cederão aos desejos e caprichos das suas mulheres, ou de uma mulher? Tristemente, muitos deles, devido à sua afeição e estima pela mulher têm abdicado da sua autoridade, e têm optado por seguir a liderança feminina. Como resultado têm-se visto “obrigados” a ensinar e a promover coisas que não estão em harmonia com a Palavra de Deus! 
 
     Não costuma ser dito que “por detrás de um grande homem está uma grande mulher”? É verdade. Mas é igualmente verdade que por detrás de um homem fracassado está muitas vezes também uma mulher.
 
 
Opção de escolha urgente
 
     O nosso desejo de sermos aprovados por Deus deve ser maior do que o nosso desejo de sermos aprovados por qualquer outra individualidade, incluindo o nosso parceiro terreno mais chegado (Mat. 10:37-39; 25:21; 2 Tim. 2:15). O Senhor Jesus tinha grande afeição pelos seus familiares e amigos terrenos, mas Ele nunca permitiu que eles, ou algum deles, O levasse a desobedecer à vontade do Seu Pai (Mat. 16:23; Luc. 2:49; João 2:3,4; 19:25-27).
 
     O que vão fazer os homens quando se depararem com mulheres que queiram desorbitar da esfera que Deus lhes reservou? O que vão fazer com mulheres que queiarm abrir e dirigir cultos, dirigir a congregação em oração, dar pensamentos, pregar, ser ordenadas "pastoras", "bispas" e até "apóstolas", como temos estado a ver acontecer em muitos lados?
 
     A despeito de toda a instrução, inteligência, talento, conhecimento bíblico, e, sim, de amor e consagração ao Senhor, que algumas irmãs revelam, não podemos permitir que elas sejam insubmissas, desobedeçam, e tragam o desastre e ruína à igreja. 
 
     Todo o comportamento desviante o que está a acontecer à nossa volta é feito em nome do progresso, do aperfeiçoamento, da modernidade, etc., mas em última análise é, na realidade, um sinal de fraqueza. 
 
     Os irmãos devem assumir claramente a sua responsabilidade de liderança em amor, que Deus lhes concedeu. Os irmãos têm de deixar de estar comodamente assentados nas suas cadeiras, deixando essa responsabilidade para as mulheres. 
 
     A liderança da mulher na família e na família espiritual da igreja é uma clara indicação de fracasso do homem, como autoridade. Os homens têm de ser líderes em amor, nos seus lares e nas sua igrejas locais.
 
     Contudo tem havido também fracasso das mulheres na compreensão de que o papel que Deus lhes deu não é de liderança, mas de submissão voluntária e apoio. As mulheres devem encorajar os homens a assumirem a responsabilidade de liderança que Deus lhes deu, e não usurparem esse papel. Isso não é humilhante para as mulheres. É o plano de governo perfeito de Deus – a garantia da verdadeira harmonia e felicidade. 
 
     O que Deus valoriza grandemente nas mulheres não é a sua liderança, mas o seu “espírito manso e quieto” (1 Ped. 3:4; 1 Tim. 2:11).
 
     Damos graças a Deus pelas mulheres que têm agido de acordo com o plano de Deus, sendo um exemplo e motivo de encorajamento. São valiosíssimas no lar e na igreja (Prov. 31:10; 2 Tim. 1:5; Rom. 16:1,2).
 
     Que todos – homens e mulheres – vejam a excelência e perfeição do plano de Deus – o homem liderando em amor; a mulher sujeitando-se voluntariamente. Jaz aqui o segredo do verdadeiro progresso, da bênção, da paz e da verdadeira harmonia na igreja. É isto que a Bíblia ensina. Façamos-lhe jus.
 
- C.M.O.

 
Artigos relacionados:

O “pastorado" feminino
 
 

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 19MAI19
Cremação

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 19 de maio de 2019

Fernando Quental 12MAI19
Filhos no Casamento

Sermão proferido por Fernando Quental em 12 de maio de 2019

Fernando Quental 05MAI19
Mulheres no Casamento

Sermão proferido por Fernando Quental em 05 de maio de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:16 em 22 de maio de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário