Pais Intimidados

Não     Os pais de Sansão não lha disseram (Juízes 14). David provavelmente não a disse muitas vezes a Absalão. Samuel não a disse suficientemente aos seus filhos (1 Samuel 2).

     O que é que estes pais falharam em dizer aos seus filhos? A palavra, “Não!”.

     Com toda a ênfase colocada sobre os filhos nas décadas passadas, e muita dela foi necessária, caiu-se no exagero. A verdade é que em muitas famílias os filhos passaram a ser o foco central, a parte mais importante, sendo eles que dirigem as coisas. Como resultado a disciplina está completamente arredia ou é muitas vezes ameaçada, nunca sendo administrada.

     Em alguns casos os filhos prevalecem, de facto, sobre o casamento dos pais. São muitos os pais que receiam ofender os filhos dizendo-lhes, “Não! ”.

     Os psicólogos têm enfatizado muito que os filhos necessitam de ser amados, e os pais devem dedicar-lhes “tempo de qualidade”. Muitos pais cedem com receio de que os filhos possam ser privados dos seus desejos. O resultado é a família girar em torno dos filhos e serem os filhos a determinarem a direcção da família.

     O tempo tem provado por diversas vezes que isto é um erro. Os filhos decidem numa base regular a ementa das refeições, o local das férias, ou se adquirem um determinado jogo de computador, ou não. Eles ditam coisas como, a marca da roupa que vestem, o corte de cabelo, e a agenda e programação da família. Ginástica, futebol, piscina, e outras actividades similares assumem o palco central, e a agenda de todos os demais tem que se ajustar à sua.

     Muitas vezes este espírito perpassa para a igreja local onde se dá aos jovens tudo aquilo que querem, acabando esta por ser igualmente dirigida por eles. O dizer tudo isto não significa, de forma alguma, que nós simplesmente ignoramos os nossos filhos e os jovens na assembleia! Mas, significa que precisamos de manter as coisas na perspectiva correcta, e que os filhos e os jovens necessitam de aprender que o mundo não roda em torno deles. (O homem natural já é o centro deste mundo, não precisando de mais promoção nesse sentido).

     Uma das grandes lições a aprender no crescimento espiritual é : “Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros” (Filipenses 2:4) – ter preocupação pelos interesses dos outros, desviando o olhar do “ego”. É exactamente esta a atitude que é enfatizada por aqueles que seguem “o sentimento de Cristo”. Pensam nos outros.

     Colocar os filhos acima de tudo o mais e dar-lhes tudo o que eles exigem, e permitir que eles andem sem serem acompanhados, é uma expressão de falta de amor e fonte de vergonha (Provérbios 29:15).
Steve Hulshizer
NOTA:
Steve Hulshizer partiu para o Senhor nos primeiros dias de julho deste ano.

Ele esteve entre nós, em Espinho, no fim dos anos 70, com a sua esposa Nancy, tendo vindo por meio do irmão Charles Stang (Charlie) e esposa Grace. Esteve cerca de 15 dias em casa dos irmãos Viriato e Ruth Sobral.

Um dia, caminhando eu com ele pelas ruas de Espinho, em pleno verão, quando a dado momento seguíamos por um passeio à sombra, ele disse-me: "Vamos passar para o passeio do outro lado da rua (ao sol), porque o Senhor disse-nos para andarmos na luz, como Ele na luz está". Memórias inesquecíveis de um excelente ensinador das Escrituras.
Steve Hulshizer
- C.M.O.

Sermões e Estudos

Alberto Veríssimo
Perto da verdade, porém longe

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 24 de maio de 2020

Carlos Oliveira
Morte - significado

Tema abordado por Carlos Oliveira em 22 de maio de 2020

David Gomes
A casa de Jesus

Tema abordado por David Gomes em 17 de maio de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:6 em 20 de maio de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário