• 1
  • 2
  • 3

Servindo entusiasticamente,
com amor e temor,

para em tudo te enriquecer em Cristo, em toda a Palavra, em todo o conhecimento (1 Coríntios 1:5).

Testemunhos

Pedro Cândido

Breve testemunho acerca de como se converteu a Cristo e de como tem sido a sua vida ao Seu lado.

José Jacinto Carvalho

Conversão significa mudar de vida e a minha vida mudou mesmo.

Jorge da Silva

Como a graça de Deus o conduziu à salvação em Cristo. Ouve o seu testemunho até ao fim.

Sermões e Estudos

Alberto Verísimo 05AGO18
Falta-te uma coisa!

Sermão proferido por Alberto Veríssimo em 05 de agosto de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses (Súmula) em 08 de agosto de 2018

Fernando Quental
Percebendo a nudez

Sermão proferido por Fernando Quental em 29 de julho de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:1 realizado em 01 de agosto de 2018

ver mais
 

05-02-2018 - “Os ateus não têm o monopólio da ciência”, lembra o biofísico Alister McGrath

Alister McGrath 

 

     Alister McGrath, formado em biofísica, conhecido pelos seus livros de apologética, autor de "O DELÍRIO DE DAWKINS - uma resposta ao fundamento ateísta de Richard Dawkins" e "O DEUS DE DAWKINS", deu uma longa entrevista a um programa de rádio na Inglaterra esta semana. Ele indica que “não há dúvida que a nossa cultura voltou-se para uma maneira de pensar ateísta”. Em grande parte, isso ocorre por causa das universidades, onde questões de fé geralmente não são bem-vindas.

     McGrath disse que viveu uma “fase ateia” quando estudava na conceituada Universidade de Oxford. “Eu acreditava que a ciência e o ateísmo andavam de mãos dadas. No entanto, quando passei a investigar a história e a filosofia da ciência, descobri rapidamente o quanto essa visão era superficial”.

     Após meses dedicando-se à pesquisa das religiões, ele converteu-se a Cristo e ao cristianismo e prosseguiu nos estudos, até concluir o pós-doutoramento em biofísica molecular. “A ciência simplesmente tenta oferecer uma explicação do mundo natural. Isso não é ateísmo, simplesmente é algo não espiritual, no sentido em que deixa Deus fora das coisas, como uma questão de princípio”, conta.

      Para o erudito, que é também professor da cadeira de Teologia, Religião e Cultura, na King’s College de Londres, “Isso não é realmente um problema. Os ateus não têm o monopólio da ciência. Os cientistas cristãos podem facilmente colocar Deus de volta na sua perceção do universo, argumentando que isso faz muito mais sentido do que o não teísmo”. Para ele, “Se pudermos pensar apenas em termos de respostas naturais, as melhores respostas científicas às questões sobre o universo acabarão por se resumir e reduzir a ‘É assim que as coisas são’. Ora, não existe um ponto de referência além da natureza, como o que é fornecido por Deus”.

     O professor diz que abandonou o ateísmo por acreditar que “faz muito mais sentido do que as outras alternativas”. Ele cita o teólogo William Inge (1860-1954) que afirmava: “O racionalismo tenta encontrar um lugar para Deus na sua imagem de mundo. Porém Deus … não pode ser colocado num diagrama. Ele é mais como a tela do que a imagem pintada nela”.

     O biofísico diz que Deus é uma explicação válida para o universo, pois “a fé está ligada ao reconhecimento de um ‘quadro maior’, que nos permite dar sentido à nossa experiência, da mesma maneira que um mapa dá sentido a uma paisagem. [A fé] permite-nos ver as coisas com mais clareza e entender como elas estão relacionadas”.

     Embora esteja ciente que não pode oferecer uma argumentação que convença todos os cientistas, explica que “do ponto de vista da ciência, o universo surgiu por processos que realmente não entendemos e não temos como verificar. Não podemos ir atrás do big bang. Mas pode-se ver como a doutrina cristã da criação se encaixa, dando-nos uma explicação de porque o universo existe e não apenas um relato de como aconteceu”.

     Ele oferece uma analogia para explicar o seu raciocínio: “Uma das coisas que a ciência deixou bem claro é que os seres humanos procuram ativamente o significado para as suas vidas. É assim que somos. Para os cristãos significa que possuímos um ‘instinto de aproximação’ ao Deus que nos criou e quer que voltemos para Ele. É como a busca de alimentos. Precisamos de alimentos para sobreviver, e há comida lá fora esperando ser encontrada. É o mesmo com o significado. A nossa própria fome sugere que existe algo ‘lá fora’, pronto para ser descoberto. Precisamos de algo maior para nos dar sentido e ao nosso mundo”.

     Concluiu dizendo que, no seu novo livro Inventando o Universo, ele defende que “Os cristãos não inventaram um sentido para lidar com um mundo sem sentido. Nós discernimos o significado neste mundo que foi criado e é amado por Deus. E precisamos dessa visão para que possamos não apenas existir, mas sobretudo viver”.

- in Premier Christian Radio

Alister Mcgrath

     O ex-ateu Alister McGrath é professor de teologia histórica da Universidade de Oxford e pesquisador sênior do Harris Manchester College. Possui doutorados em biofísica molecular e em teologia pela Oxford. Seu interesse principal se concentra na história do pensamento cristão, com ênfase particular na relação entre as ciências naturais e a fé cristã.

 

Os livros referidos acima:
alister mcgrath o delrio de dawkins 1 638deus de dawkins

FRUINDO DA ADMIRÁVEL GRAÇA DE DEUS,
A NOSSA MISSÃO É AJUDAR TODOS 
A USUFRUIR DA MESMA GRAÇA.

"... vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão" (2 Coríntios 6:1).
Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus ... (Efésios 3:2)
"... que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar
a ação de graças para glória de Deus" (2 Coríntios 4:15).
"Porque pela graça sois salvos ..." (Efésios 2:8).

  • Avenida da Liberdade 356 
    356 2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário