A Necessidade do Novo Nascimento

Arthur W. PinkArthur W. Pink (1886–1952)

     Há dois grandes obstáculos no caminho da salvação de qualquer dos descendentes decaídos de Adão: a escravidão da culpa e a penalidade do pecado; a escravidão do poder e a presença do pecado. Por outras palavras, eles estão a caminho do inferno e estão desqualificados para entrar no céu. Esses obstáculos são, no que diz respeito aos homens, totalmente impossíveis de ser superados. Isso foi estabelecido por Cristo de forma inequívoca, quando os seus discípulos perguntaram: “Quem pode ser salvo?” Ele respondeu: “Isto é impossível aos homens”. Criar um mundo é mais fácil para um pecador perdido do que salvar sua própria alma. Entretanto — louvado para sempre seja o nome do Senhor Jesus — Ele continuou, dizendo: “Para Deus tudo é possível” (Mt 19.25-26). Sim, problemas que frustram completamente a sabedoria humana podem ser resolvidos pela Omnisciência. Tarefas que desafiam os maiores esforços dos homens são facilmente concluídas pela Omnipotência. Em nenhuma outra situação esse facto é exemplificado de forma mais impressionante do que na salvação outorgada por Deus aos pecadores.
 
     Conforme afirmámos no parágrafo anterior, duas coisas são absolutamente essenciais à salvação: libertação da culpa e da penalidade do pecado; libertação do poder e da presença do pecado. Uma é garantida pela obra medianeira1 de Cristo; a outra, pelas realizações eficazes do Espírito Santo. Uma é o resultado bendito do que o Senhor Jesus fez pelo povo de Deus; a outra, a gloriosa consequências do que o Espírito santo faz no povo de Deus...

     Ora, um conhecimento vital e salvífico destas verdades divinas não pode ser adquirido por meio de estudo a respeito delas. Nenhum esforço na observação das Escrituras, nenhum esmero na análise dos tratados doutrinários mais correctos, nenhum exercício intelectual pode garantir o menor discernimento espiritual dessas verdades divinas. Na verdade, o pesquisador diligente pode obter um conhecimento natural, uma compreensão intelectual da mesma maneira como alguém que nasceu cego obtém uma noção das cores das flores ou da beleza de um pôr-do-sol. Pois, o homem natural não entende mais das coisas espirituais do que um cego entende das coisas naturais. Sim, a sua compreensão espiritual não é maior do que o entendimento de uma pessoa já falecida a respeito do que acontece no mundo que ela deixou. Por semelhante modo, nada menos que o poder divino pode trazer o coração orgulhoso a uma profunda compreensão deste facto humilhante. Somente quando Deus ilumina sobrenaturalmente a alma, esta se consciencializa da horrível escuridão espiritual em que, por natureza, vive.

     A verdade do que acabou de ser dito é estabelecida pela afirmação clara e solene de 1 Coríntios 2.14: “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”.Um conhecimento externo da verdade divina, conforme revelada nas Escrituras, pode fascinar a mente e fornecer ideias para especulação e conversas. Contudo, a menos que Deus aplique a verdade à consciência e ao coração, na hora da morte esse conhecimento não será mais proveitoso do que as agradáveis imagens que recordamos de nossos sonhos, no momento em que acordamos. Quão terrível é pensar que multidões de cristãos professos acordarão no inferno, onde descobrirão que o seu conhecimento da verdade divina não era mais substancial do que um sonho!

     Embora seja verdade que o homem não alcança os caminhos do Senhor por meio de uma busca pessoal (Jó 11.7) e que os mistérios do reino de Deus são segredos selados, até que Ele se digne em desvendá-los à alma (Mt 13.11), também é verdade que Deus se agrada em transmitir luz celeste ao nosso entendimento obscurecido pelo pecado. É por essa razão que Ele encarrega os seus servos de pregarem a Palavra e explicarem as Escrituras, de forma oral e escrita. Todavia, o trabalho deles não produzirá frutos eternos, se Deus não abençoar a semente plantada pelos servos e não lhe der o crescimento. Assim, não importa quão fiel, simples ou útil seja o sermão pregado ou o artigo escrito, a menos que o Espírito o aplique ao coração, o ouvinte ou o leitor não obtém benefício espiritual. Então, você não rogará humildemente que Deus abra o seu coração para receber tudo o que está de acordo com a Sua santa Palavra?

     A regeneração não é uma mera mudança exterior, não é uma simples mudança de vida, nem o esforço para se ter uma vida melhor. O novo nascimento é muito mais do que caminhar até ao pastor e apertar-lhe a mão. É uma obra sobrenatural de Deus no espírito do homem, é uma maravilha transcendente. Todas as obras de Deus são maravilhosas. O mundo em que vivemos está cheio de coisas que nos surpreendem. O nascimento físico é uma maravilha; mas, de vários pontos de vista, o novo nascimento é mais extraordinário. É uma maravilha da graça, da sabedoria, do poder e da beleza divina. É um milagre realizado em nós, sobre o qual podemos estar pessoalmente conscientes. É uma maravilha eterna.

     Visto que a regeneração é uma obra de Deus, ela envolve mistério. Todas as obras de Deus são envoltas em mistério insondável. A vida natural, em sua origem, essência e processos, confunde o mais cuidadoso pesquisador. Isto é muito mais verdadeiro no que diz respeito à vida espiritual. A existência e o ser de Deus transcendem a compreensão finita. Então, como esperamos compreender o processo pelo qual nos tornamos seus filhos? O nosso Senhor mesmo declarou que o novo nascimento é um mistério: “O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito” (Jo 3.8).

     A regeneração é sobremodo solene. O novo nascimento é a linha divisória entre o céu e o inferno. Aos olhos de Deus há somente dois tipos de pessoas nesta terra: aquelas que estão mortas em pecados e aquelas que andam em novidade de vida. No âmbito físico, não há um estado entre a vida e a morte. Um homem ou está morto ou está vivo. A faísca de vida pode estar muito fraca, mas enquanto ela existe, a vida está presente. Se a faísca se apaga por completo, ainda que você vista o corpo com roupas bonitas, este não passa de um cadáver. Isso também acontece no âmbito espiritual. Ou somos santos ou pecadores, espiritualmente vivos ou espiritualmente mortos, filhos de Deus ou filhos do diabo. Em vista deste facto solene, quão significativa é a pergunta: “Eu nasci de novo?” Se a resposta é não, e se você morrer nesta condição, desejará nunca haver nascido.


1. A necessidade da regeneração jaz na nossa degeneração natural.

     Em consequência da queda dos nossos primeiros pais, todos nascemos afastados da vida e da santidade de Deus, despojados de todas as perfeições com as quais a natureza do homem foi dotada no princípio. Ezequiel 16.4-6 mostra uma figura da nossa terrível situação espiritual, ao entrarmos neste mundo: lançados em pleno campo, devido ao nojo que causávamos, revolvendo-nos no nosso próprio sangue, incapazes de nos ajudarmos a nós mesmos. A “semelhança” com Deus (Gn 1.26), que no princípio estava gravada na alma do homem, foi apagada; uma aversão a Deus e um amor desordenado pela criatura tomou o seu lugar. A própria fonte da nossa natureza está poluída e jorra continuamente águas amargas; e, embora essas águas tomem vários rumos e sigam por vários canais, todas são salobras. Por essa razão o “sacrifício” dos perversos é abominável ao Senhor (Pv 15.8), e até a sua lavoura é “pecado” (Pv 21.4 - RC).

     Há somente duas condições, e cada homem está incluído numa delas: a condição de vida espiritual e a de morte espiritual. Uma é a condição de justiça, a outra, de pecado; uma é salvação, a outra, condenação. Uma é inimizade, na qual o homem tem inclinações contrárias a Deus; a outra é amizade e comunhão, pelas quais os homens andam com Deus em obediência, não desejando ter intenções opostas à Sua vontade. Uma condição é chamada trevas, a outra, luz — “Pois, outrora [nos dias que precederam a  regeneração, não só estáveis nas trevas, mas], éreis trevas, porém, agora, sois luz no Senhor” (Ef 5.8). Não há meio-termo entre essas duas condições: cada pessoa encontra-se numa delas. Cada homem e cada mulher agora, na terra, ou é objecto do prazer de Deus ou da sua abominação. As mais bondosas e imponentes obras da carne não agradam a Deus. Entretanto, as menores faíscas que procedem daquilo que a graça iluminou são aceitáveis aos Seus olhos.

     Na Queda, o homem tornou-se desqualificado para aquilo que é bom. Nascido em iniquidade e concebido em pecado (Sl 51.5), o homem é um “transgressor desde o ventre materno” (Is 48.8).  Desviam-se os ímpios desde a sua concepção; nascem e já se desencaminham, proferindo mentiras” (Sl 58.3); “é mau o desígnio íntimo do homem desde a sua mocidade” (Gn 8.21). Ele pode ser civilizado, educado, sofisticado e religioso, mas no coração ele é desesperadamente corrupto (Jr 17.9). Tudo o que ele faz é desprezível aos olhos de Deus, porque nada do que o homem faz procede do amor a Deus e do propósito de glorificá-Lo. “Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons” (Mt 7.18). Enquanto não passam pelo novo nascimento, todos os homens são “reprovados para toda a boa obra” (Tt 1.16).

     Na Queda, o homem adquiriu uma indisposição para o que é bom. Todas as acções da sua vontade caída, por causa da ausência de um princípio correcto do qual elas poderiam fluir e da ausência de um propósito correcto para o qual elas se dirigiriam, são nada mais do que maldade e pecaminosidade. Deixe uma pessoa entregue a si mesma, retire dela todas as restrições impostas pela lei e pela ordem, e rapidamente ela descerá a um nível mais baixo do que o dos animais, como quase todos os missionários podem testificar. A natureza humana é melhor em terras civilizadas? Nem um pouco. Retire toda a camuflagem, e será descoberto que “como na água o rosto corresponde ao rosto, assim, o coração do homem, ao homem” (Pv 27.19). Por todo o mundo, isto é solenemente verdadeiro: “O pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar” (Rm 8.7). Num via vindouro, Cristo apresentará a mesma acusação que proferiu quando esteve na terra: “Os homens amaram mais as trevas do que a luz” (Jo 3.19). Eles não O buscam a fim de terem “vida”.

     Na Queda, o homem adquiriu uma incapacidade para fazer o que é bom. Ele é não somente  desqualificado e indisposto, mas também incapaz de fazer o que é bom. Qual o homem que pode dizer verdadeiramente que tem correspondido aos seus próprios ideais? Todos têm de reconhecer que existe uma estranha força interior que os subjuga e os dirige ao mal; este, por sua vez, em intensidades diferentes, vence os homens, apesar dos maiores esforços deles contra o mal. A despeito das amáveis exortações dos amigos, as fiéis advertências dos servos de Deus, os solenes exemplos de sofrimento, tristeza, enfermidade e morte, os quais vemos em toda parte, e a resolução da própria consciência, os homens ainda se rendem ao mal. “Os que estão na carne [em sua condição natural] não podem agradar a Deus” (Rm 8.8).

     Assim, é evidente a necessidade de uma mudança radical e revolucionária no homem caído, antes que ele possa desfrutar de comunhão com o Deus três vezes santo... O homem deve ser enxertado entre os outros ramos, unido a Cristo, participante do poder da Sua ressurreição. Sem isso, ele pode produzir frutos, mas não “para Deus”. Como é que alguém pode voltar-se para Deus sem um fundamento de mudança espiritual? Como é que alguém de natureza abominável e diabólica pode ser digno do Reino de Deus?


2. A necessidade da regeneração jaz na depravação total do homem.

     Cada membro da raça de Adão é uma criatura decaída, e cada parte do seu ser complexo foi corrompida pelo pecado. O coração do homem é “enganoso... mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Jr 17.9). O entendimento dele está cegado por Satanás (2 Co 4.4) e obscurecido pelo pecado (Ef 4.18), de modo que os desígnios do homem são continuamente maus (Gn 6.5). As suas afeições estão corrompidas, de modo que ele ama o que Deus odeia e odeia o que Deus ama. As intenções do homem são desprovidas de justiça (Rm 6.20) e inimigas de Deus (Rm 8.7). Ele não é justo (Rm 3.10), está debaixo da maldição da lei (Gl 3.10) e é cativo do diabo. De facto, a sua condição é deplorável, e o seu caso, desesperador. O homem não se pode melhorar a si mesmo, porque é “fraco” (Rm 5.6). Ele não pode produzir a sua própria salvação, pois nele não habita nenhum bem (Rm 7.18). Logo, o homem precisa de nascer de Deus, “pois nem a circuncisão é coisa alguma, nem a incircuncisão, mas o ser nova criatura” (Gl 6.15).

     O homem é uma criatura decaída. Isto não significa que apenas algumas poucas folhas murcharam, e sim que toda a árvore apodreceu, da raiz até aos ramos. Em cada ser humano existe algo que é radicalmente errado. A palavra radical vem de um vocábulo que, em latim, significa “a raiz”; então, quando dizemos que o homem está radicalmente errado, queremos dizer que há nele, no próprio cerne e fundamento do seu ser, aquilo que é intrinsecamente corrupto e mau. Os pecados são apenas o fruto, necessitam de uma raiz da qual brotem. Como inevitável consequência, inferimos que o homem precisa do auxílio de um Poder Maior para realizar uma mudança radical nele. Há somente Um que pode fazer isso. Deus criou o homem, e somente Ele pode recriá-lo. Esta é a razão da exigência: “Importa-vos nascer de novo” (Jo 3.7). O homem está espiritualmente morto e somente um poder grandioso pode trazê-lo à vida... [Portanto,] quanto mais pudermos compreender a extrema necessidade da regeneração e as várias razões por que ela é absolutamente essencial para que uma criatura caída de torne apta para estar na presença do Deus três vezes santo, menos dificuldades encontraremos ao nos esforçarmos para chegar ao entendimento da natureza da regeneração...

     Jesus Cristo veio a este mundo para glorificar a Deus e a Si mesmo por meio da redenção de um povo que seria Seu. Mas, que glória imaginamos Deus possuir, e que glória atribuiríamos a Cristo, se não houvesse uma diferença fundamental entre o seu povo e o mundo? E que diferença pode haver entre estes dois grupos, senão uma mudança de coração? A partir disso, as fontes da vida (Pv 4.23), a  transformação da natureza ou da disposição, são como uma nascente de onde procedem todas as outras diferenças — ovelhas e bodes têm naturezas diferentes. Toda a obra medianeira de Cristo tem em vista esse propósito. O Seu ofício como sacerdote consiste em reconciliar e trazer o Seu povo para Deus; como profeta, Ele ensina-lhes o caminho; como rei, Ele opera neles essas diferenças e concede-lhes aquela beleza que é necessária para adequá-los à comunhão santa com o Deus três vezes santo. Assim Ele purifica “para Si mesmo, um povo exclusivamente Seu, zeloso de boas obras” (Tt 2.14).

     “Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis” (1 Co 6.9). Multidões são enganadas, iludidas exactamente neste assunto de extrema importância. Deus tem avisado aos homens que “enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto” (Jr 17.9), mas poucos crêem que isso é verdade a respeito de si mesmos. Pelo contrário, dezenas de milhares de Cristãos professos enchem-se de vã e presunçosa confiança de que está tudo bem com eles. Enganam-se com esperanças de misericórdia, enquanto vivem fazendo a sua própria vontade e agradando-se a si mesmos. Imaginam que estão aptos para o céu, quando em cada dia estão mais preparados para o inferno. Sobre o Senhor Jesus está escrito: “Ele salvará o Seu povo dos seus pecados” (Mt 1.21), e não nos seus pecados. O Senhor Jesus salvá-los-á não só da penalidade, mas também do poder e da corrupção do pecado.

     Será que as seguintes palavras não se aplicam a inúmeros cristãos: “Porque a transgressão o lisonjeia a seus olhos e lhe diz que a sua iniquidade não há de ser descoberta, nem detestada” (Sl 36.2)? O principal artifício de Satanás é iludir as pessoas, fazendo-as acreditar que podem, com sucesso, associar o mundo com Deus, dar lugar à carne, enquanto desejam o Espírito, e assim “aproveitar ambos os mundos”. Mas Jesus enfatizou que “ninguém pode servir a dois senhores” (Mt 6.24).


     3. A necessidade da regeneração jaz no fato de que o homem é inapto para Deus.

     Quando Nicodemos, um fariseu honrado e religioso, sim, um “mestre em Israel”, procurou Cristo, Este Disse-lhe claramente que, “se alguém não nascer de novo”, não pode ver nem entrar no “reino de Deus” (Jo 3.3-5), nem no estado que o Evangelho outorga neste mundo, nem no estado de glória, no céu. Ninguém pode entrar no reino espiritual, se não possui a natureza espiritual, que lhe concede o desejo e a capacidade de deleitar-se nas coisas espirituais. O homem natural não possui essa natureza. E, muito mais do que isso, ele não pode nem mesmo discernir as coisas espirituais (1 Co 2.14)! Ele não tem amor por elas e não as deseja (Jo 3.19). Ele não as deseja porque a sua vontade é dominada pelas inclinações de sua carne (Ef 2.2-3). Portanto, antes que um homem possa entrar no reino espiritual, o seu entendimento precisa de ser iluminado sobrenaturalmente; o seu coração, renovado; e a sua vontade, libertada.


"Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?  E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo" (Actos 16:30,31)

1 Obra medianeira – em seu propósito eterno e de acordo com o pacto estabelecido entre Ele e o Filho, aprouve a Deus escolher e destinar o Senhor Jesus Cristo, seu Filho unigénito, para ser o mediador entre Deus e os homens; para ser o profeta, sacerdote e rei; o cabeça e Salvador de sua igreja; o herdeiro de todas as coisas e Juiz do mundo. Desde toda a eternidade, Deus deu-Lhe um povo para ser sua descendência e, no devido tempo, ser redimido, chamado, justificado, santificado e glorificado por Ele.

A. W. Pink (1886–1952). Era pastor e ensinava a Bíblia por meio de um ministério itinerante. Autor de Studies in the Scriptures (Estudos nas Escrituras) e de muitos livros. Nascido em Nottingham, Inglaterra, imigrou para os Estados Unidos, retornando mais tarde à sua terra natal, em 1934.
 

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 19MAI19
Cremação

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 19 de maio de 2019

Fernando Quental 12MAI19
Filhos no Casamento

Sermão proferido por Fernando Quental em 12 de maio de 2019

Fernando Quental 05MAI19
Mulheres no Casamento

Sermão proferido por Fernando Quental em 05 de maio de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:16 em 22 de maio de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário