Teste ao que se diz crer

Avião saindo de turbulência

 

     Certamente não exageramos no que concerne a testemunhos. Quantas vezes alguém lhe ofereceu um folheto evangelístico? Eu posso contar pelos dedos de uma mão as ocasiões em que isso aconteceu comigo. E quantas vezes alguém iniciou uma conversa sobre as coisas espirituais comigo? Uma única vez! E era mórmon! Eu já tinha voado perto de três milhões de milhas por todo o mundo. E apenas uma única vez me vieram dar testemunho.

     Estava num voo na costa leste, não me lembro exatamente de e para onde, mas havia trocado de avião em Charlotte e seguíamos para norte. Quando a mulher começou a falar comigo sobre o seu mormonismo, comecei a pressioná-la sobre o caminho da salvação. Como centenas de outras religiões, ela pensava que tudo se resumia em fazer o melhor que se pode.

     "Então não acredita num Deus perfeito? É que as Suas obras não são perfeitas!"

     Depois respondi-lhe assim: "Eu não conto com as minhas obras para ir para o Céu. Confio numa obra perfeita, totalmente consumada, o sacrifício de Cristo no Calvário, que evidentemente satisfez a Deus; Ele provou isso ao ressuscitar o Seu Filho dentre os mortos e depois exaltá-Lo ao lugar mais alto do universo. ”

     Mas a mulher respondeu: "Mesmo que a minha religião não esteja correta, não vou mudar. Estou feliz com ela. Eu gosto de como ela dá aos meus filhos um ambiente seguro com as suas danças e outras atividades ... ”

     Naquele momento, o avião caiu de repente num poço de ar com centenas de metros. As bebidas voaram. Várias pessoas gritaram. Uma hospedeira estatelou-se em cima das pessoas na fila à nossa frente.

     Mas o passeio turbulento ainda não acabara. Estava apenas a começar. O avião girou para a esquerda, para a direita, para cima e para baixo. Estremecia por todos os lados. Coisas e pessoas pareciam descolar. Eu podia ouvir o piloto a tentar várias altitudes para encontrar melhores aragens, mas não havia nenhuma. Eu já passei por algumas turbulências, especialmente em alguns pequenos aviões sobre as Montanhas Rochosas, mas esta ganhou o primeiro prémio (com uma exceção - quando atingimos um vento cortante nas montanhas Sangre de Cristo, no Colorado, e caímos 2.000 pés diretamente em direção ao Monte Blanca, o pico mais alto da cordilheira; pensei que partia para a glória naquele dia).

     A mulher ao meu lado era apoplética. Ela dizia com os dentes cerrados: "Importa-se que eu aperte a sua mão?" Os olhos dela literalmente esbugalhavam-se no rosto, que estava drenado de todas as cores. Cada sacudidela trazia novas exclamações entre os dentes cerrados.

     Depois de vinte ou trinta minutos, finalmente superámos o pior. A pobre mórmon deitou-se na cadeira e soltou um longo suspiro. Ela estava totalmente exausta.

     “Sabe o que estava acontecer, não sabe?” Eu disse-lhe com um sorriso. Seguiu-se silêncio. Ela ainda não estava perto de estar de bom humor. “Deus acabou de nos dar uma pequena prova. É fácil divulgar ideias quando tudo corre bem na vida, mas quando os tempos difíceis chegam, descobrimos repentinamente o que é real. Para mim, se o avião cair, eu sei que subirei. Seria realmente o melhor cenário para mim. Mas notei que não estava a pensar assim, pois não? A senhora estava apavorada. Sabe porquê? Porque importa se o que acredita é verdadeiro ou não.

     Pude ver que ela estava a tentar processar isto. “O Senhor”, acrescentei, “deve amá-la muito para exibir esta pequena demonstração do Seu poder. É como a história dos discípulos no barco. Quando a tempestade se abateu sobre o mesmo, eles interrogaram-se se Jesus se importaria com eles. Eles gritaram, aterrorizados: "Não Te importas que pereçamos?" Porém Jesus importa-Se – importa-Se tanto que morreu por si. Espero que nunca se esqueça disso.

     "Eu certamente não vou esquecer este passeio", disse ela com um sorriso irónico.

     “Não, e espero que se lembre de que o Senhor Jesus quer que O leve a bordo confiando na Sua obra consumada no Calvário. Então, da próxima vez, poderá relaxar nos braços d’Ele, porque, mesmo que o avião caia, terá a sua alma em segurança. "

     Quando saímos do avião, ela apertou minha mão, agradeceu-me por cuidar dela e disse que tinha sido uma conversa que lhe mudou a vida. Eu não sei exatamente o que ela quis dizer com isso, mas espero que ela tenha passado a  confiar agora n’Aquele que ainda controla os ventos.

Sermões e Estudos

José Carvalho
Abigail

Tema abordado por José Carvalho em 20 de junho de 2021

Carlos Oliveira
A tragédia da imoralidade

Tema abordado por Carlos Oliveira em 18 de junho de 2021

Fernando Quental
O primeiro de muitos dias

Tema abordado por Fernando Quental em 13 de junho de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:24 em 16 de junho de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário