Casamento e lar (11)

Casamento, lar

 

     

III O casamento é o relacionamento humano mais íntimo (continuação)

     Por vezes, uma rapariga frágil e meiga, modestamente criada e protegida, pode sentir vergonha quando chega ao leito conjugal. Ela pode pensar que há algo profano, algo indecente, na relação do casamento. Isso não é verdade. E todo o nosso ensino e toda a nossa atitude sobre este assunto do casamento devem ser tão santos e bíblicos que as pessoas cheguem ao casamento com um sentimento de santa devoção. As alegrias do casamento são santas alegrias. Não é errado uma mulher entregar-se ao marido sem reservas. Não é errado o marido entregar-se à esposa sem reservas. Não é errado o homem e a mulher estarem nus diante um do outro e sem vergonha.

     De facto, o ideal do casamento é que o coração de toda mulher esteja aberto, que ela procure que o seu marido compartilhe pensamentos, sonhos e aspirações. Da mesma forma, o marido deve amar tanto a sua esposa e ser-lhe tão devotado que ela possa entender todo o seu coração. As intimidades do casamento devem ser benditas e doces.

     Esta atitude sobre o casamento exige necessariamente pureza e transparência. Que homem, sendo licencioso e mau, um violador dos votos do seu  casamento, um perseguidor de mulheres perversas, sentir-se-á livre para abrir à sua esposa todo o seu coração? Que mulher, sendo rebelde e insubmissa, que recusa manter o seu voto de obediência do casamento e ir onde o marido vai e viver onde ele vive e trabalhar para lhe agradar como “adjutora”  - que mulher assim rebelde, sentiria vontade de tomar o seu marido com todo o seu coração? Estas pessoas não têm casado verdadeiramente nos seus corações, se não se entregarem totalmente, sem vergonha, aos seus parceiros.

     Um homem e mulher que se casem não devem apenas considerar-se legalmente como sendo uma só carne, mas devem amar-se um ao outro, moldarem-se às necessidades e amor e desejos e capacidades um do outro, tornando-se realmente um. Eles podem ser um nos seus sentimentos, um nos seus planos, um no seu amor, e um no seu entendimento, à medida que Deus concede graça e torna real o casamento.

     Tem sido dito  muito disparate e muita afirmação anti-bíblica sobre o casamento. Eu tenho lido os desvarios e delírios de alguns escritores que disseram que mulheres casadas estavam a viver em “prostituição legal” porque se sentiram obrigadas a render os seus corpos totalmente à vontade dos maridos na sua relação conjugal. E alguns têm mesmo ensinado tolamente que o pecado de Adão e Eva no jardim aconteceu na relação conjugal. Quão forçado, quão anti-bíblico, quão longe da verdade são essas vãs imaginações humanas!

     1 Coríntios 7:3-5 diz: “O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência”.

     Vê quão completamente o casamento torna o marido e a esposa um? A esposa não tem autoridade sobre o seu corpo. Essa autoridade pertence ao marido. O marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo. Esse poder pertence à esposa. E as Escrituras claramente afirmam: “Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência”.

     Como vê Deus não coloca nenhuma barreira entre marido e esposa. Deus não limita a intimidade de uma santa união. Deus não tem restrições no leito conjugal. A esposa pertence ao seu marido. O marido pertence à sua esposa. Não é pecado eles se considerarem um, e o prazer de um é ser a alegria do outro. Deus não limita o relacionamento matrimonial de marido e mulher.

     Quero que veja que o casamento é o relacionamento humano mais íntimo, para que duas pessoas realmente se tornem uma à vista de Deus e cresçam cada vez mais no sentido de serem uma nas suas vontades, crenças, hábitos, entendimento, alegria e dores.

     Essa intimidade da relação conjugal é tão grande que o casamento deve necessariamente ser um relacionamento permanente. Ninguém, a não ser uma prostituta, se pode sentir livre para se entregar nos braços de um homem e depois a outro, enquanto o primeiro homem ainda está vivo. O relacionamento do casamento é tão santo, o relacionamento do marido e da esposa é tão íntimo, que o casamento deve durar até que a morte o quebre. É esse o ensino das Escrituras. E é também essa a implicação clara da natureza do próprio casamento. Tão íntima, tão completa é essa união de homem e mulher no casamento que a união nunca se deve romper, exceto pela morte. Quão ímpio é contaminar uma união tão santa e bela! E que dor e mágoa será a porção daqueles que pensam levianamente no casamento e nas suas obrigações, alegrias e privilégios!

- John Rice
The Home (O Lar)
(FIM)

Casamento e lar (1)
Casamento e lar (2)
Casamento e lar (3)
Casamento e lar (4)
Casamento e lar (5)
Casamento e lar (6)
Casamento e lar (7)
Casamento e lar (8)
Casamento e lar (9)
Casamento e lar (10)
Casamento e lar (11)

Sermões e Estudos

Dário Botas
Não teimes, mas persevera

Tema abordado por Dário Botas em 20 de setembro de 2020

Carlos Oliveira
Os 10 Mandamentos salvam?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 18 de setembro de 2020

José Carvalho
Abraão, construtor de altares

Tema abordado por José Carvalho em 13 de setembro de 2020

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 3:13 em 16 de setembro de 2020

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário