BATISMO NA ÁGUA

batismo na agua01

 

     Embora seja raramente reconhecido, há um número de diferentes tipos de batismos nas Escrituras. Nem todos os batismos têm a ver com água. Por exemplo, falando do êxodo de Israel do Egito, Paulo escreve:

     “Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar, E TODOS FORAM BATIZADOS EM MOISÉS, NA NUVEM E NO MAR” (1 Coríntios 10:1,2).

    Este obviamente não é um “batismo na água”, pois Israel atravessou o Mar Vermelho em “terra seca” (Êxodo 14:22). Faraó e o seu exército, é claro, é que foram mergulhados na água quando esta desabou sobre eles em juízo. Todavia são os Israelitas que são ditos terem sido batizados. Para Israel, tratou-se de um batismo seco!

     Isto ajuda a esclarecer o verdadeiro significado da palavra batismo. A palavra em si é simplesmente uma forma aportuguesada da palavra Grega, baptizo. Infelizmente, por muito tempo, os léxicos influenciados pelas denominações definiram baptizo como “mergulhar”. Que esta não pode ser uma definição adequada vê-se facilmente nas Escrituras.

     Em Mateus 3:11, João Batista disse: “Ele [Cristo] vos batizará com o Espírito Santo e com fogo”. “Mergulharia” Ele as pessoas no Espírito Santo e no fogo? Em Lucas 12:50, Cristo chamou à Sua morte de batismo. Teria Ele sido “mergulhado” na morte? Em 1 Coríntios 12:13 [RA], lemos: “... todos nós fomos batizados em um corpo ...”. Os crentes terão sido “mergulhados” em um corpo? A resposta a estas perguntas é claramente não. Trata-se de uma definição totalmente inadequada.

     É desta definição errónea que evoluiu a ideia do batismo como um sepultamento com Cristo na água. Porém, o facto é que Cristo não foi sepultado na água. Ninguém sepulta as pessoas na água, exceto talvez como recurso quando no mar.

     Em geral o uso bíblico a palavra batismo sugere identificação completa se associada a um elemento, a uma pessoa ou a um grupo. É por isso que Paulo disse em Romanos 6:3: “Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na Sua morte?” Por outras palavras, a única maneira de alguém se tornar um com Cristo é identificar-se com Ele na Sua morte pela fé.

     Quanto ao batismo na água, é imperativo ter uma compreensão, apenas do que ele sugere ou simboliza. Felizmente, não é difícil determinar o significado apropriado associado ao batismo nas Escrituras. Ele é usado repetidamente para representar uma purificação cerimonial.[1] Apesar de não sepultarmos na água, certamente que nos lavamos ou purificamos na água e esse é claramente o significado associado ao batismo na água nas Escrituras.

     Quando Pedro disse em Atos 2:38, “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado”, ele quis dizer “arrependei-vos, e cada um de vós seja sepultado”? Claro que não! Ele quis dizer arrependei-vos e cada um de vós seja purificado. O batismo na água simboliza purificação - não sepultamento - e foi por esta razão que surgiu a questão sobre a purificação em João 3:23-25,​​ relativamente ao batismo de João.

     Mais uma passagem: Em Atos 22:16, Ananias declarou a Saulo: “... Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados ...”. Note: "Lava" não soletra nem significa “sepulta”.

     Nunca nas Escrituras o batismo na água se refere a sepultamento, mas sempre a purificação. Para entendermos a razão disso, precisamos entender o lugar do batismo na água no programa de Deus para a nação de Israel.

     Primeiro, devemos reconhecer que o batismo na água não é simplesmente uma chamada “ordenança do Novo Testamento”. É, de facto, uma prática firmemente enraizada nas Escrituras do Antigo Testamento e no programa de Deus para a nação de Israel.

     Em João 1:25, perguntaram a João Batista: “Porque batizas, pois, se tu não és o Cristo, nem Elias, nem o profeta?” Obviamente, estes inquiridores não foram surpreendidos com a prática do batismo na água que João realizava como se fosse algo novo para eles. Bem pelo contrário, eles esperavam a prática do batismo na água em relação à vinda do Messias. De onde poderia vir essa espera, senão das profecias encontradas nas Escrituras do Antigo Testamento?

     E lembre-se: a economia Mosaica ainda estava em vigor durante os ministérios tanto de João como de Cristo. Hebreus 9:17 declara: "Porque um testamento tem força ONDE houve morte." Assim, o novo concerto não poderia substituir o antigo senão depois da morte de Cristo. Isso significa que os livros de Mateus, Marcos, Lucas e João são, na realidade, “livros do Velho Testamento” até aos últimos capítulos!

     O batismo de João não era algo novo - antes, era uma cerimónia totalmente entendida por aqueles a quem ele ministrava.

     O batismo na água não começou com João Batista. Quando nos voltamos para as Escrituras a fim de traçarmos o seu desenvolvimento aprendemos de imediato que o batismo na água é um cerimonial de purificação que pertence ao reino prometido à nação de Israel.

 

UM REINO DE SACERDOTES

     Em Êxodo 19:5,6 – na própria dádiva do Concerto Mosaico – o propósito de Deus ao dar nascimento à nação de Israel é claramente revelado:

     “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes o Meu concerto, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é Minha.

     “E VÓS ME SEREIS REINO SACERDOTAL E POVO SANTO. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.”

     O propósito declarado de Deus a respeito da nação de Israel é que esta será um reino de sacerdotes e uma nação santa, através da qual as nações Gentílicas podem chegar-se a Deus. É a isto que Isaías se refere quando escreveu:

     “MAS VÓS SEREIS CHAMADOS SACERDOTES DO SENHOR, E VOS CHAMARÃO MINISTROS DE NOSSO DEUS ...” (Isa. 61:6).

     Em última análise, isso cumprir-se-á, naturalmente, durante o reino regido por Cristo, quando Israel estiver a habitar na sua terra e as nações encontrarem salvação e bênção por meio da instrumentalidade desta nação.

     Tudo isto aguarda a redenção de Israel. O princípio da lei “se obedeceres ... então sereis”, assegurava que "o conhecimento do pecado" seria abundante. Por causa do seu fracasso, a nação de Israel depressa se viu na necessidade de um Redentor. Assim, apesar da esperança de Israel olhar para o prometido reino vindouro, a necessidade de purificação da nação tinha que ser encarada primeiro.

     Com isto em mente, é importante lembrar que, de todas as pessoas ou coisas que deveriam ser batizadas, era o sacerdote que estava em primeiro lugar. Êxodo 29 estabelece o procedimento para a admissão ao ofício sacerdotal. Dois passos muito importantes na consagração ao sacerdócio são incluídos:

     O primeiro passo é a purificaçãouma lavagem com água:

     “Então, farás chegar Arão e seus filhos à porta da tenda da congregação e OS LAVARÁS COM ÁGUA” (Êxo. 29:4).

     O segundo passo é a unção com azeite.

     “E TOMARÁS O AZEITE DA UNÇÃO E O DERRAMARÁS SOBRE A SUA CABEÇA; ASSIM, O UNGIRÁS” (Êxo. 29:7).

     Assim como os filhos de Arão eram os sacerdotes através dos quais o povo de Israel podia se aproximar de Deus, a nação de Israel um dia será um reino de sacerdotes e uma nação santa através da qual os Gentios se aproximarão de Deus (Gén. 12:1- 3; 22:17,18, Isaías 60:1-3, Zac. 8:20-23). É à luz disto que João Batista aparece em cena a pregar “a todo o povo de Israel o [seu] batismo do arrependimento” (Atos 13:24).

     Por outras palavras, o “batismo de arrependimento para a remissão de pecados” (Marcos 1: 4) de João foi um meio de arrependimento e preparação nacional para Israel ser o reino de sacerdotes que Deus ordenara à nação favorecida que fosse. Mateus 3:1,2 é aqui importante:

     “E, naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judeia

     “E dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o Reino dos céus.”

     E como é que eles se preparavam para o reino vindouro? Continue a ler:

     “Então, ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judeia, e toda a província adjacente ao Jordão;

     “E ERAM POR ELE BATIZADOS NO RIO JORDÃO, CONFESSANDO OS SEUS PECADOS.

     O batismo de João era o meio de se “fugir da ira futura”. E não é deixada nenhuma dúvida quanto ao que envolverá esta “ira futura”:

     “Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento

     “E não presumais de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.

     “E também, agora, ESTÁ POSTO O MACHADO À RAIZ DAS ÁRVORES; TODA ÁRVORE, POIS, QUE NÃO PRODUZ BOM FRUTO É CORTADA E LANÇADA NO FOGO.

     “E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas Aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; não sou digno de levar as Suas sandálias; ELE VOS BATIZARÁ COM O ESPÍRITO SANTO E COM FOGO.

     “Em Sua mão tem a pá, e [ELE] LIMPARÁ A SUA EIRA, E RECOLHERÁ NO CELEIRO O SEU TRIGO, E QUEIMARÁ A PALHA COM FOGO QUE NUNCA SE APAGARÁ” (Vs. 8-12).

     Note a escolha colocada a Israel: havia um julgamento futuro e se eles quisessem ser o “trigo” que é levado com segurança para o celeiro e não o “joio” que seria queimado com o fogo do juízo, eles teriam que se identificar como o remanescente crente através do batismo de arrependimento para a remissão de pecados.

 

O PEQUENO REBANHO

    O batismo na água de João tornou-se num fator divisor em Israel. Lucas 7:29,30 diz-nos,

     “E todo o povo que o ouviu e os publicanos, TENDO SIDO BATIZADOS COM O BATISMO DE JOÃO, JUSTIFICARAM A DEUS.

     “Mas os fariseus e os doutores da lei REJEITARAM O CONSELHO DE DEUS CONTRA SI MESMOS, NÃO TENDO SIDO BATIZADOS POR ELE.”

     Esta, é claramente a razão por que o batismo na água estava associado à salvação e à remissão de pecados. A salvação era pela fé, mas a única maneira pela qual eles podiam expressar a sua fé era fazendo o que Deus exigia - preparando-se para funcionar como “um sacerdócio real”. Primeiro tem que vir a purificação; depois o serviço. Ezequiel 36:25 promete a Israel:

     “Então, ESPALHAREI ÁGUA PURA SOBRE VÓS, E FICAREIS PURIFICADOS; DE TODAS AS VOSSAS IMUNDÍCIAS E DE TODOS OS VOSSOS ÍDOLOS VOS PURIFICAREI.”

     A “aspersão de água pura” era o necessário primeiro passo de fé na formação do núcleo do futuro reino, o grupo de crentes Judeus a que o nosso Senhor denominou de o Seu “pequeno rebanho”.

     “NÃO TEMAS, Ó PEQUENO REBANHO, PORQUE A VOSSO PAI AGRADOU DAR-VOS O REINO” (Lucas 12:32).

     O passo seguinte na preparação deste remanescente crente era o batismo com o Espírito de Mateus 3:1. Esse batismo correspondia ao segundo rito da consagração ao sacerdócio - a unção. O batismo com o Espírito proporcionaria o poder necessário para o futuro serviço da nação.

     Isto explica por que razão o ministério de pós-ressurreição do nosso Senhor liga tão intimamente juntas estas duas coisas - o batismo de arrependimento e a unção do Espírito Santo. Por exemplo:

     “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

     “QUEM CRER E FOR BATIZADO SERÁ SALVO; mas quem não crer será condenado.

     “E ESTES SINAIS SEGUIRÃO AOS QUE CREREM: em meu nome, expulsarão demónios; falarão novas línguas” (Marcos 16:15-17;Cf. Lucas 24:47; Atos 1:4-8, etc.).

     Após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes, o apelo de Pedro a Israel é claramente um desenvolvimento adicional à chamada de João ao arrependimento:

     “E disse-lhes Pedro: ARREPENDEI-VOS, E CADA UM DE VÓS SEJA BATIZADO EM NOME DE JESUS CRISTO PARA PERDÃO DOS PECADOS, E RECEBEREIS O DOM DO ESPÍRITO SANTO” (Atos 2:38).

     A ordem aqui é clara: primeiro a lavagem“arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado” – e depois a unção“recebereis o dom do Espírito Santo”.

     Aqueles que pensam que o papel do batismo na água mudou, de alguma forma, em Pentecostes devem notar que os batismos pré e pós-ressurreição eram idênticos. “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado... para a remissão de pecados" é exatamente o que João proclamou em Marcos 1:4. Nada mudou. Certamente tinha simplesmente havido o desenvolvimento histórico da crucificação e ressurreição de Cristo, a que se seguiu o derramamento do Espírito. O reino não era mais simplesmente proclamado “próximo” como foi com João; agora chegara o momento de o oferecer a Israel.

     E mesmo depois de Pentecostes, aqueles que se recusaram a ser batizados permaneceram condenados diante de Deus, como os que estavam em Lucas 7:30, pois Pedro continua declarando,

     “Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar.

     “E com muitas outras palavras isto testificava e os exortava, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa” (Atos 2:39,40).

     Esta questão básica de reunir o remanescente crente de Israel - o "pequeno rebanho" de Lucas 12:32 - atravessa os ministérios de João, de nosso Senhor e dos Doze na primeira parte dos Atos. Este "pequeno rebanho" representava o núcleo da autoridade governamental no futuro reino. Os que em Israel se recusassem a arrepender e a serem batizados - a identificar-se como os que tinham mudado de pensar sobre Cristo como sendo o seu Messias através do batismo de arrependimento para a remissão de pecados - seriam “exterminado[s] dentre o povo” (Atos 3:23).

     É a este pequeno rebanho de crentes Judeus que Pedro escreve mais tarde:

     “MAS VÓS SOIS A GERAÇÃO ELEITA, O SACERDÓCIO REAL, A NAÇÃO SANTA, O POVO ADQUIRIDO, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1 Pedro 2:9).

     Assim, dizemos de novo: nas Escrituras, o batismo na água é uma cerimónia de purificação que pertencia ao reino prometido à nação de Israel.

 

O BATISMO GENTÍLICO

     Se o batismo na água está assim associado à purificação da nação de Israel para o seu ministério no reino, onde é que se enquadra o batismo dos Gentios sob a comissão de Mateus 28:19?

     Até aqui, o batismo na água prova mais uma vez simbolizar a purificação - e uma vez mais claramente associado ao reino de Israel.

     Lembre-se de que os sacerdotes não eram os únicos a serem batizados. Relativamente à purificação dos leprosos, Levítico 14:9 instrui:

     “...e LAVARÁ A SUA CARNE COM ÁGUA, E SERÁ LIMPO”.

     As “nações” de Mateus 28:19 são, naturalmente, consideradas “imundas ou impuras” por Israel e, portanto, têm que ser batizadas - serem purificadas - a fim de obterem acesso ao reino de Israel e aceitação no favor de Deus.

     Tanto Israel como os Gentios necessitavam de reconhecer a sua necessidade de purificação. Os primeiros, a fim de serem dignos de ministrar as coisas de Deus, os últimos para serem os recipientes dessas coisas.

 

E QUANTO A NÓS?

     O facto de o batismo na água pertencer ao programa do reino de Israel demonstra porque ele não tem lugar algum no programa de Deus hoje. Tratava-se de uma lavagem cerimonial que vigorou até a nação de Israel e o seu programa serem postos de lado.

     Com “a queda de Israel” Deus levantou o apóstolo Paulo e através dele enviou "salvação aos Gentios". Após o levantamento de Paulo, a prática do batismo na água passou claramente por uma mudança. A primeira indicação real disso no registo das Escrituras encontra-se na experiência de Pedro na casa de Cornélio em Atos 10.

     Quando o Senhor começou a preparar Pedro para reconhecer a mudança no programa ocorrido em meados dos Atos, (por exemplo, Atos 10: 28), Ele também o preparou para a mudança no batismo. Quando Pedro se dirigiu aos que estavam reunidos na casa de Cornélio, ele recebeu um choque:

     “A Este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que n’Ele creem receberão o perdão dos pecados pelo Seu nome.

     “E, DIZENDO PEDRO AINDA ESTAS PALAVRAS, CAIU O ESPÍRITO SANTO SOBRE TODOS OS QUE OUVIAM A PALAVRA.

     “E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os Gentios” (Atos 10:43-45).

     Este foi um significativo desvio do programa sob o qual Pedro tinha estado a operar! Tudo o que os Gentios tinham que fazer para receber o Espírito Santo era crer, em nítido contraste com o anterior requisito do prévio batismo de arrependimento (Atos 2:38). Pedro então batiza-os apressadamente, perguntando: “Pode alguém, porventura, recusar a água, para que não sejam batizados estes ...?” (Veja Atos 10: 45-48).

     É claro que o batismo na água não estava a funcionar da mesma forma que funcionava antes com Israel. A própria atitude de Paulo em relação ao batismo reflete essa mudança:

     “Dou graças a Deus, porque a nenhum de vós batizei, senão a Crispo e a Gaio;

     “Para que ninguém diga que fostes batizados em meu nome.

     “E batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro.

     “Porque CRISTO ENVIOU-ME NÃO PARA BATIZAR, MAS PARA EVANGELIZAR [ou, PREGAR O EVANGELHO] …” (1 Cor. 1:14-17).

     Certamente que se Paulo estivesse a operar sob a comissão dada aos outros Apóstolos, ele nunca poderia ter dito isto! Quando Deus interrompeu o programa profético de Israel e introduziu “o mistério”[2], pela própria natureza das coisas, Ele interrompeu o batismo de Israel. Assim como Israel diminuiu (Rom. 11:12) ao longo do último período dos Atos, assim também o batismo na água diminuiu gradualmente de importância e um novo batismo entrou em em cena para tomar o seu lugar.

     Hoje não há nação sacerdotal ou uma classe exaltada acima das outras. Deus agora está a reconciliar tanto Judeus como Gentios em um só corpo, simplesmente através da fé na obra consumada do Senhor Jesus Cristo no Calvário (Efésios 2:13-18).

     Quando o crente confia em Cristo como seu Salvador, nesse momento ele é batizado em um só corpo pelo Espírito (I Cor. 12:13) e assim “batizado em Cristo” (Gálatas 3:27). Aqui não há espaço para uma cerimónia de água. Nenhum ritual ou cerimónia levado a cabo pelo homem pode colocar o crente “em Cristo”. Não, o “um só batismo” do “um só corpo” é efetuado pelo "um só Espírito" - não por pregador ou sacerdote.

     O mecanismo da verdade posicional - de estar em Cristo "- é este batismo do Espírito. A nossa posição em Cristo por virtude deste batismo realizado pelo Espírito é tão completamente adequada que nos é dito:

     “E ESTAIS PERFEITOS N’ELE ...” (Col. 2:10).

     “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais, em Cristo” (Efésios 1: 3).

     À luz de tal perfeição em Cristo, proporcionada até mesmo ao crente mais simples no exato momento da salvação, perguntamos: O que poderia ser realizado pelo batismo na água que Cristo e a Sua obra consumada no Calvário já não realizaram?

     Se esta questão for encarada com honestidade, será de imediato evidente que não somente o batismo na água não tem lugar no programa de Deus hoje, como a sua prática repercute e lesa a obra gloriosa, toda-suficiente e consumada do nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Col. 2:20).

     Agradecemos a Deus o facto de por um só Espírito todos nós termos sido batizados em um só corpo. Deus nos livre de acrescentarmos algo a este “um só batismo” que nos une a Cristo e ao Seu povo e nos torna perfeitos n’Ele.

 _________________________

[1] Distorções denominacionais que leem água em passagens como Romanos 6:3, Gálatas 3:27, Colossenses 2:12 - que falam da nossa identificação com Cristo – têm roubado à palavra o seu significado.

[2] “Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus, que para convosco me [Paulo] foi dada; como me foi este mistério manifestado pela revelação …” (Efésios 3:2,3).

- Richard Jordan

Sermões e Estudos

David Gomes
Faróis

Sermão proferido por David Gomes em 15 de setembro de 2019

José Carvalho
Dupla Verdade

Sermão proferido por José Carvalho em 08 de setembro de 2019

Carlos Oliveira
Dividir bem a Bíblia II

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 01 de setembro de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:19 em 11 de setembro de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário