Seja Alegre VI

w_wiersbe_warren.jpgCOMO AUMENTAR A NOSSA ALEGRIA

(Filipenses 1:1-11)

«Que tal, se fôssemos para casa para termos alguma comunhão?»

«Que belo jogo de golfe! Tivemos um convívio fantástico!»

«A comunhão que se desfrutou no retiro foi formidável!»


     A palavra comunhão parece significar muitas coisas para diferentes pessoas. Talvez, como acontece com uma moeda já gasta, esteja a perder o seu verdadeiro cunho. Se é esse o caso, faríamos melhor em tomar medidas para o salvar. Afinal de contas, uma boa palavra bíblica como comunhão precisa de continuar em circulação o mais tempo possível.

     Apesar das circunstâncias difíceis que estava a atravessar como prisioneiro de Roma, Paulo está alegre. O segredo da sua alegria é a sua mente integral; ele vive para Cristo e para o Evangelho. (Cristo é mencionado 18 vezes no capítulo l, e Evangelho é referido 6 vezes). «Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho» (1:21). Mas o que é de facto uma «mente integral»? É a atitude que diz: «De nada interessa o que me possa acontecer a mim, contanto que Cristo seja glorificado e o Evangelho partilhado com outras pessoas.» Paulo regozijava-se apesar das circunstâncias, porque elas fortaleciam a comunhão do Evangelho (1:1-11), promoviam o avanço do Evangelho (1:12-26) e guardavam a fé do Evangelho (1: 27-30).

     A palavra comunhão significa simplesmente «ter em comum». Todavia, a verdadeira comunhão cristã é realmente muito mais profunda do que um mero partilhar de café e bolos, ou mesmo dum agradável jogo de golfe em conjunto. Muitas vezes, o que pensamos ser «comunhão» não passa dum conhecimento ou amizade. Não se pode ter comunhão com alguém, a não ser que exista algo em comum; e no que respeita à comunhão cristã, isso significa a posse da vida eterna no coração. A menos que a pessoa tenha posto a sua confiança em Cristo como seu Salvador, ela desconhece totalmente «a comunhão do Evangelho.» Em 2:1 Paulo escreve a respeito de «a comunhão no Espírito», porque quando a pessoa nasce de novo recebe o dom do Espírito Santo (Rom. 8:9). Existe também «a comunhão dos Seus sofrimentos» (Fil. 3:10). Quando partilhamos o que possuímos com outros, isso é também comunhão. (Neste versículo e em 4:15 a versão portuguesa traduz por «comunicar»).

     Assim, a verdadeira comunhão cristã é muito mais do que ter o nome no rol de membros duma igreja ou marcar presença numa reunião. É possível estar fisicamente perto das pessoas e a quilómetros de distância delas espiritualmente. Uma das fontes da alegria Cristã é esta comunhão que os crentes têm em Jesus Cristo. Paulo estava em Roma, os seus amigos encontravam-se a muitos quilómetros de distância, em Filipos, mas a sua comunhão espiritual era real e perfeita. Quando possuímos uma mente integral não nos queixamos das circunstâncias, porque sabemos que as circunstâncias difíceis resultarão em fortalecimento da comunhão do Evangelho.

Warren W. Wiersbe

Sermões e Estudos

David Gomes 26SET21
Como lidar com portas fechadas

Tema abordado por David Gomes em 26 de setembro de 2021

Carlos Oliveira 24SET21
As religiões são todas boas?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 24 de setembro de 2021

Alberto Verissimo 19SET21
Crer ou Crer, eis a questão

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 19 de setembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3 em 22 de setembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário