Seja Alegre III

w_wiersbe_warren.jpgAs Quatro Atitudes que Conservam a nossa Alegria

l. A Mente Integral — Filipenses l

     «O homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos» (Tiago 1:8). Ou, aplicando o velho provérbio latino, «Quando o piloto não sabe para que porto segue nenhum vento sopra a favor.» A razão porque muitos cristãos se sentem perturbados pelas circunstâncias, é não cultivarem a «mente integral». Paulo expressa esta atitude de devoção total a Cristo nestas palavras: «Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho» (1:21).

     No capítulo l, Paulo fala das suas circunstâncias difíceis e enfrenta-as honestamente. Contudo, essas circunstâncias não lhe roubam a alegria porque ele não vive para gozar as circunstâncias. Vive para servir a Jesus Cristo. É um homem com um propósito: «Uma coisa faço» (3:13). Ele não vê as circunstâncias em si mesmas, mas antes em relação a Jesus Cristo. Ele não é um prisioneiro de Roma; é sim «o prisioneiro de Jesus Cristo» (Efésios 3:1). As cadeias que usa são «as minhas prisões em Cristo» (Fil. 1:13). Não se considera perante um julgamento civil; está «posto para defesa do Evangelho» (1:16). Paulo não olhava para Cristo através das circunstâncias; pelo contrário, encarava as circunstâncias através de Cristo — e isso mudava tudo.

     Quando o cristão possui uma mente integral, preocupa-se com a comunhão do Evangelho (1:1-11), com o avanço do Evangelho (1:12-26), e com a fé do Evangelho (1:27-30). Paulo regozijava-se nas suas circunstâncias penosas, porque elas ajudavam-no a fortalecer a sua comunhão com outros cristãos, davam-lhe oportunidades de conduzir outros a Cristo e permitiam-lhe defender o Evangelho perante os tribunais de Roma. Quando possuímos uma mente integral, as circunstâncias actuam a nosso favor e não contra nós.


2. A Mente Submissa — Filipenses 2

     Este capítulo foca a nossa atenção sobre as pessoas, e o versículo chave diz: «Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores (mais importantes) a si mesmos» (v. 3). No capítulo l, Paulo põe Cristo em primeiro lugar. Neste capítulo põe os outros em segundo lugar. Isto significa que ele se coloca em último lugar! A razão porque as pessoas nos ofendem tanto encontra-se geralmente no facto de não estarmos no lugar certo. Se passamos a vida a pôr a nossa própria pessoa em primeiro plano e os outros fazem o mesmo em relação a si próprios, então é mais que certo que se irão travar conflitos horríveis em muitos pontos.

     Certa vez, uma senhora entrou com o filhinho num elevador para ir ao consultório médico. No segundo andar, entrou um grupo de pessoas, entre as quais uma senhora bastante forte. Enquanto o elevador subia, o silêncio foi subitamente interrompido por um grito saído dos lábios da volumosa passageira. Ela voltou-se para a mãe da criança e disse: «O seu filho acaba de me morder!»

     A senhora ficou horrorizada, mas o rapazito explicou à sua maneira: «Ela sentou-se na minha cara e eu mordi-lhe!»

     O que se passou naquele elevador passa-se em toda a parte: pessoas e nações mordem-se mutuamente porque se sentem prejudicadas ou comprimidas.

     Todavia, o cristão que possui uma mente submissa não fica à espera que os outros o sirvam; é ele que serve. Considera o bem dos outros como mais importante que os seus próprios planos e desejos.

     No capítulo 2 encontramos quatro exemplos maravilhosos de uma mente submissa: Jesus Cristo (2:1-11), Paulo (2:12-18), Timóteo (2:19-24) e Epafrodito (2:25-30). Cada um destes exemplos prova este princípio: «Portanto, qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado» (Lucas 14:11).


3. A Mente Espiritual — Filipenses 3

     Neste capítulo, Paulo usa onze vezes a palavra coisas. Salienta que muitas pessoas «só pensam nas coisas terrenas» (v. 19), mas que o cristão que possui uma mente espiritual está interessado acima de tudo nas coisas celestiais. «Mas a nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo» (v. 20). A pessoa com mente espiritual olha para as coisas deste mundo sob o ponto de vista do céu — e que diferença isso faz!

     Quando cinco missionários foram martirizados pelos Aucas, no Equador, alguns jornais e revistas consideraram a tragédia como um grande desperdício de vidas. Embora o sucedido causasse profunda dor e sofrimento aos amigos e queridos, os acontecimentos posteriores provaram que as suas mortes não foram um «desperdício» nem para eles nem para o mundo. As palavras de Jim Eliott estavam certas: «Não é tolo nenhum aquele que dá o que não pode conservar para ganhar aquilo que não pode perder.»

     A ânsia por «coisas» rouba a alegria às pessoas, incluindo os cristãos. Queremos ter coisas e descobrimos então que são elas que tomam posse de nós. O único caminho para a vitória e para a alegria é ter uma mente espiritual e olhar para as coisas do ponto de vista de Deus. Como Paulo, devemos ser contabilistas de valores autênticos (3:1-11), atletas com verdadeiro vigor (3:12-16) e estrangeiros com uma visão correcta (3:17-21). «Eu conto... Eu prossigo... Eu espero» são os verbos que descrevem o homem com uma mente espiritual.

Warren W. Wiersbe

Sermões e Estudos

David Gomes 26SET21
Como lidar com portas fechadas

Tema abordado por David Gomes em 26 de setembro de 2021

Carlos Oliveira 24SET21
As religiões são todas boas?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 24 de setembro de 2021

Alberto Verissimo 19SET21
Crer ou Crer, eis a questão

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 19 de setembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3 em 22 de setembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário