Atos Dispensacionalmente Considerados - CAPÍTULO XLIII – Atos 23:12-35 (2)

Acts dispensationally considered

 

A CONSPIRAÇÃO DESCOBERTA

     Ah, mas Deus, apesar de não estar a intervir diretamente, estava a superintender. Aquele que Se havia apresentado a Paulo para o tranquilizar na noite anterior apresentava-se agora para cumprir a Sua promessa.

     O apóstolo tinha uma irmã cujo filho, na providência de Deus, estava em Jerusalém naquela altura. Se ele morava lá com a mãe não se sabe, mas se assim fosse, pode indicar que eles não eram crentes, já que Paulo não se havia apresentado a eles nesta visita, nem lemos que ele tivesse algum contacto com eles.

      O apóstolo tinha parentes crentes em Roma (Rom. 16:7,11), mas não há indicação de que alguém da sua família imediata tenha sido salva, nem qualquer razão para supor que fossem salvos, pois a verdade não se aplica automaticamente às famílias.

     Talvez o rapaz, como tantos outros, estivesse em Jerusalém apenas para os dias de festa, mas o ponto é que Deus tinha a pessoa certa ali na hora certa para ouvir sobre a conspiração contra a vida de Paulo.

     Quer o rapaz fosse, ou não, simpatizante da causa de Paulo, ele era da sua própria carne e sangue e ele não podia permitir que Paulo fosse assim morto a sangue frio. Além disso, o registo indica que ainda ele era muito jovem, de modo que ele não seria suspeito de traição, quer por Paulo quer por Lísias.

     O apóstolo, sendo um prisioneiro ainda não-condenado, foi evidentemente detido simplesmente sob uma forma moderada de custódia militar, pois parece que o seu sobrinho tinha livre acesso a ele (Ver. 16; cf. 24:23; 27:3; 28:16 30).

     A presença tranquila e equilibrada com que Paulo recebeu o relato do rapaz e agiu, era característica dele. Deus assegurou-lhe que ele iria a Roma, mas ele não desconsiderou o relato como não representando qualquer ameaça à sua segurança. Ele sabia que, embora Deus seja soberano, a responsabilidade e o esforço humanos fazem parte dos Seus planos (cf. Atos 27:24,31). Por conseguinte, chamando um dos centuriões, ele disse simplesmente: “Leva este jovem[1] ao tribuno, porque tem alguma coisa que lhe comunicar” (Ver. 17).

     O centurião então conduziu o rapaz a Lísias com a mensagem do “preso Paulo”, uma designação que se tornaria familiar para muitos. O tribuno, a seguir, “tomando-o pela mão”, levou-o a um espaço à parte e perguntou-lhe o que ele lhe tinha a dizer.

     A maneira com que Lísias recebeu o rapaz parece indicar adicionalmente a tenra idade do rapaz e o interesse simpático de Lísias por Paulo.

     O rapaz relatou, com algum sentimento os factos de que soubera sobre a conspiração, suplicando ao tribuno: “Mas tu não os creias, porque mais de quarenta homens dentre eles lhe andam armando ciladas” (Ver. 21).

 

[1] Gr., Neanias, juventude.

 

 Atos dispensacionalmente Considerados

Cornelius R. Stam

 

Sermões e Estudos

Carlos Oliveira 15OUT21
O maior filantropo

Tema abordado por Carlos Oliveira em 15 de outubro de 2021

Dario Botas 10OUT21
Qual a tua motivação? (Parte III)

Tema abordado por Dário Botas em 10 de outubro de 2021

Carlos Oliveira 08OUT21
A violência

Tema abordado por Carlos Oliveira em 08 de outubro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3,4 em 13 de outubro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário