Atos Dispensacionalmente Considerados - CAPÍTULO XLIII – Atos 23:12-35 (2)

Acts dispensationally considered

 

A CONSPIRAÇÃO DESCOBERTA

     Ah, mas Deus, apesar de não estar a intervir diretamente, estava a superintender. Aquele que Se havia apresentado a Paulo para o tranquilizar na noite anterior apresentava-se agora para cumprir a Sua promessa.

     O apóstolo tinha uma irmã cujo filho, na providência de Deus, estava em Jerusalém naquela altura. Se ele morava lá com a mãe não se sabe, mas se assim fosse, pode indicar que eles não eram crentes, já que Paulo não se havia apresentado a eles nesta visita, nem lemos que ele tivesse algum contacto com eles.

      O apóstolo tinha parentes crentes em Roma (Rom. 16:7,11), mas não há indicação de que alguém da sua família imediata tenha sido salva, nem qualquer razão para supor que fossem salvos, pois a verdade não se aplica automaticamente às famílias.

     Talvez o rapaz, como tantos outros, estivesse em Jerusalém apenas para os dias de festa, mas o ponto é que Deus tinha a pessoa certa ali na hora certa para ouvir sobre a conspiração contra a vida de Paulo.

     Quer o rapaz fosse, ou não, simpatizante da causa de Paulo, ele era da sua própria carne e sangue e ele não podia permitir que Paulo fosse assim morto a sangue frio. Além disso, o registo indica que ainda ele era muito jovem, de modo que ele não seria suspeito de traição, quer por Paulo quer por Lísias.

     O apóstolo, sendo um prisioneiro ainda não-condenado, foi evidentemente detido simplesmente sob uma forma moderada de custódia militar, pois parece que o seu sobrinho tinha livre acesso a ele (Ver. 16; cf. 24:23; 27:3; 28:16 30).

     A presença tranquila e equilibrada com que Paulo recebeu o relato do rapaz e agiu, era característica dele. Deus assegurou-lhe que ele iria a Roma, mas ele não desconsiderou o relato como não representando qualquer ameaça à sua segurança. Ele sabia que, embora Deus seja soberano, a responsabilidade e o esforço humanos fazem parte dos Seus planos (cf. Atos 27:24,31). Por conseguinte, chamando um dos centuriões, ele disse simplesmente: “Leva este jovem[1] ao tribuno, porque tem alguma coisa que lhe comunicar” (Ver. 17).

     O centurião então conduziu o rapaz a Lísias com a mensagem do “preso Paulo”, uma designação que se tornaria familiar para muitos. O tribuno, a seguir, “tomando-o pela mão”, levou-o a um espaço à parte e perguntou-lhe o que ele lhe tinha a dizer.

     A maneira com que Lísias recebeu o rapaz parece indicar adicionalmente a tenra idade do rapaz e o interesse simpático de Lísias por Paulo.

     O rapaz relatou, com algum sentimento os factos de que soubera sobre a conspiração, suplicando ao tribuno: “Mas tu não os creias, porque mais de quarenta homens dentre eles lhe andam armando ciladas” (Ver. 21).

 

[1] Gr., Neanias, juventude.

 

 Atos dispensacionalmente Considerados

Cornelius R. Stam

 

Sermões e Estudos

José Carvalho
Influenciados

Sermão proferido por José Carvalho em 14 de julho de 2019

David Gomes
Escapando de Emaús

Sermão proferido por David Gomes em 07 de julho de 2019

Carlos Oliveira
Maldição hereditária

Sermão proferido por Carlos Oliveira em 30 de junho de 2019

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 2:18 em 10 de julho de 2019

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário