Apocalipse Capítulo 1:18-3:22

Estudos no Livro do Apocalipse
Por Paul M. Sadler

Durante as últimas semanas tenho lido os diários de Lewis e Clark. Tenho de confessar que é um registo notável de heroísmo. Em 1803 o Presidente Jefferson comissionou Lewis e Clark para explorarem o Pacífico Noroeste, pouco depois da aquisição da Louisiana pelos Franceses. Precisaram aproximadamente de um ano para adquirirem os abastecimentos necessários e reunirem os quarenta membros da expedição. Cada membro da equipa era o melhor do melhor que havia nesta área particular, e para a melhor razão.  

Durante as últimas semanas tenho lido os diários de Lewis e Clark. Tenho de confessar que é um registo notável de heroísmo. Em 1803 o Presidente Jefferson comissionou Lewis e Clark para explorarem o Pacífico Noroeste, pouco depois da aquisição da Louisiana pelos Franceses. Precisaram aproximadamente de um ano para adquirirem os abastecimentos necessários e reunirem os quarenta membros da expedição. Cada membro da equipa era o melhor do melhor que havia nesta área particular, e para a melhor razão.  

No dia 14 de Maio de 1804, a expedição deixou St. Louis, viajando para Norte através do Dakota do Sul para a zona central Oeste do Dakota do Norte onde passaram o Inverno. Era o Oeste mais distante que qualquer homem branco tinha chegado. No dia 3 de Abril da Primavera seguinte Lewis e Clark conduziram a expedição na direcção Oeste, para Montana, com a incerteza do que enfrentariam ao retomarem a sua jornada rumo ao grande desconhecido.  

O medo do desconhecido pode ser preocupante. Nós cremos que isto é especialmente verdade para o descrente que sente que o mundo está à beira da destruição, mas não tem consciência da seriedade da sua condição de perdido. Uma vez que estas coisas se discernem espiritualmente, nós arcamos com a responsabilidade de avisar os homens em toda a parte para que fujam da ira futura. O próprio Paulo argumentou com Félix a respeito da justiça, da temperança e do juízo vindouro (Actos 24:25).  

O amor de Deus enviou o Seu querido Filho à Cruz para que pudéssemos desfrutar do conhecimento de pecados perdoados e do livramento do dia da Sua vingança. Mas se a salvação que está em Cristo Jesus for rejeitada, Deus derramará a ferocidade da Sua ira sobre os descrentes. Antes de podermos efectivamente avisar os homens, nós temos que primeiro equipar-nos com uma melhor compreensão acerca das coisas vindouras. É por isso que é essencial proclamar todo o conselho de Deus, que inclui o Livro do Apocalipse. É claro que o devemos fazer sempre à luz do Evangelho de Paulo, onde somos instruídos a manejar bem a Palavra da verdade.


A SOBERANIA DE DEUS

Apesar dos homens falarem do fim do mundo em termos de um holocausto nuclear ou duma calamidade mundial, o facto é que Deus terá a palavra final sobre a questão da Sua criação, como o Apocalipse claramente prediz. Ele é soberano! Com efeito, “segundo a Sua vontade Ele opera com o exército do céu e os moradores da terra: não há quem possa estorvar a Sua mão, e Lhe diga: Que fazes?” (Dan. 4:35).

Mas ... uma pergunta: se Deus está no controlo então porque é que Ele permite o que o mal, aparentemente, prevaleça no mundo? Irmão, Deus hoje não está a acusar os homens dos seus pecados; pelo contrário, está a dar-lhes uma oportunidade para que creiam no Evangelho. A isso chama-se graça! Isto não significa que Ele se tenha esquecido dos seus caminhos injustos. Assinala estas palavras e assinala-as bem: o descrente que rejeita o Evangelho está a armazenar a ira de Deus contra si mesmo. Um registo dos seus pecados está a ser guardado para ele “no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus” (Rom. 2:5 cf. II Cor. 5:19).

“E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno [Hades]” (Apo. 1:18).

Quando o Senhor deu a Pedro as chaves do reino, essencialmente Ele deu ao apóstolo a autoridade para actuar em Seu nome no respeitante às questões do reino.  Contudo isto não incluía o poder sobre a morte e o Hades, que pertence apenas a Cristo. Mesmo apesar dos santos da tribulação serem assinalados pelo Anticristo para a morte, eles não necessitam de temer a morte, pois Cristo tem o poder sobre a mesma. Ele é a ressurreição e a vida! Isto será especialmente consolador no futuro dia do Senhor, quando se virem proporções nunca antes vistas deste martírio. Como sabemos, o Holocausto durante a II Guerra Mundial circunscreveu-se principalmente à Europa, mas o que irá acontecer será global no seu alcance (Apo. 6:7-11). O custo de se testemunhar de Cristo nesse dia será extremamente elevado.


AS SETE IGREJAS NA ÁSIA

“ESCREVE ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz Aquele que tem na Sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro” (Apo. 2:1).

João é instruído para escrever ao anjo da igreja que está em Éfeso. É óbvio, no contexto, que ele não estava a escrever a um ser angélico celestial. O termo “anjo” é a palavra Grega aggelos, ou mensageiro. De facto, nas Escrituras algumas vezes é traduzido por “mensageiro”. Por exemplo, o Senhor disse: “Porque é este de quem está escrito: Eis que diante da tua face envio o Meu anjo, que preparará diante de ti o teu caminho” (Mat. 11:10). João Baptista era o mensageiro [aggelos] de Deus que foi enviado para preparar o caminho para a vinda do Messias.

Assim João está a escrever ao mensageiro ou pastor da assembleia local situada em Éfeso. Embora esta carta contenha instruções específicas para esta assembleia particular, o âmbito dela é muito mais vasto. Nós cremos que as cartas às sete igrejas na Ásia destinavam-se a ser encíclicas (cartas circulares). Isto é confirmado pela repetida referência a “o Espírito diz às igrejas” (Apo. 2:7). Por outras palavras, estas cartas serão distribuídas a todas as assembleias do reino para instrução, como acontece com as epístolas de Paulo hoje. Do mesmo modo que nós nos voltamos para a revelação de Paulo onde encontramos os mandamentos de Cristo para a Igreja, os santos da tribulação voltar-se-ão para as epístolas Hebraicas onde encontram a sua guia de marcha, ou ordens a seguir, com ênfase especial nestas sete cartas.

Como vimos, a Igreja, o Corpo de Cristo não é tema dos capítulos dois e três do Livro do Apocalipse. Apesar disto ser contrário à tradição da Igreja, é, no entanto, o verdadeiro testemunho das Escrituras. Tanto a terminologia como a fraseologia destes capítulos são completamente estranhas às epístolas Gentílicas de Paulo. Contudo são frequentemente encontradas nos Escritos Proféticos. A seguinte comparação demonstra a nossa razão:

1. A árvore da vida (Gén. 3:22) cf. A árvore da vida (Apo. 2:7).

2. Sinagoga (Marcos 1:23) cf. Sinagoga (Apo. 2:9).

3. Balaão e Balaque (Núm. 23:1 cf. 31:16) cf. Balaão e Balaque (Apo. 2:14).

4. [O] que vence (I João 5:4,5) cf. Ao que vencer (Apo. 2:26).

5. Quem tem ouvidos para ouvir ouça (Mat. 11:15) cf. Quem tem ouvidos, ouça (Apo. 2:29).

6. O Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus (Lucas 12:8) cf. confessarei o seu nome … diante dos Seus anjos (Apo. 3:5).

Quando os 12 Apóstolos questionaram o Senhor sobre o fim do mundo, o Mestre proferiu o que ficou conhecido como O Sermão do Monte das Oliveiras. Uma leitura informal do discurso revela que o Evangelho do reino será pregado na futura tribulação (Mat. 24:14). Sob este Evangelho será necessário chamar Israel ao arrependimento no princípio da tribulação uma vez que a nação tem um vínculo contratual (ligação por concerto) com Deus. Como nos dias de João Baptista, a nação terá de realizar obras dignas de arrependimento. Por exemplo:

“E a multidão o [João Baptista] interrogava, dizendo: Que faremos pois? E, respondendo ele, disse-lhes: Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos faça da mesma maneira. E uns soldados o interrogaram também, dizendo: E nós que faremos? E ele lhes disse: A ninguém trateis mal nem defraudeis, e contentai-vos com o vosso soldo” (Lucas 3:10,11,14).

Uma vez que esta ligação por concerto seja restabelecida será necessário que cada Israelita coloque a sua fé no Messias e se submeta ao rito do baptismo na água como expressão da sua fé. Isto ajuda-nos a compreender uma declaração que o Filho do Homem faz a cada uma das sete igrejas na Ásia. Ele diz sete vezes, “Eu sei as tuas obras” (Apo. 2:2). Ou seja, as tuas obras da circuncisão, de arrependimento, e do baptismo na água. Naquele dia a fé expressar-se-á através de obras de arrependimento e do baptismo na água. Como Tiago diz, “ a fé sem obras é morta”. Ao contrário do Evangelho da graça de Deus, o Evangelho do reino está baseado num sistema de acção (obras).

Além disso, o Senhor recomenda muitos destes santos do reino pelo seu fiel serviço e boas obras após a sua conversão. “Eu conheço as tuas obras, e a tua caridade, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras” (Apo. 2:19). O Senhor não só reconhece as suas obras iniciais de arrependimento, como também as obras que se lhes seguiram posteriormente. Como membros do Corpo de Cristo, devermos-nos exercitar em boas obras, sob o Evangelho do reino dar fruto era um evidência da salvação. Daí, a célebre declaração, “Por seus frutos os conhecereis” (Mat. 7:15-20).

Uma outra razão porque não somos tema nestas sete cartas centra-se ao redor da esperança destes crentes. Se João estivesse a escrever aos membros do Corpo de Cristo, como muitos ensinam, então o Arrebatamento teria de ser pós-tribulacionista, pois a esperança que ele defende para os seus leitores é a Segunda Vinda de Cristo. Para aqueles que manejam bem a Palavra da verdade isto é impensável!

Em mais de uma ocasião, o Filho do Homem desafia os santos da tribulação a “vigiarem” e a “guardarem”, a permanecerem até ao fim, até que Ele venha. Aos que falham em o conseguirem Ele avisa: “E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei” (Mat. 24:36-44 cf. Apo. 3:3; 19:11,12).


A PORTA DO NOSSO CORAÇÃO
"Eis que estou à porta, e bato: se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo" (Apo. 3:20).

Se no arsenal dos evangelistas há um versículo que é pedra angular na sua pregação do Evangelho é este. “Caro amigo pecador, se simplesmente abrires a porta do teu coração e receberes o Senhor Jesus pela fé, Ele virá e salvar-te-á dos teus pecados e dar-te-á o dom gratuito da vida eterna”.

Os artistas Cristãos também têm procurado captar este momento retratando o humilde Salvador diante de uma porta, que representa a porta do coração do pecador. Se observares atentamente esta porta, ela não possui nenhuma fechadura ou trinco do lado do Salvador; portanto, ela tem de ser aberta pelo pecador do seu lado de dentro de modo a permitir que o Salvador entre. Isto soa positivamente a romantismo, mas esta passagem absolutamente nada tem a ver com a salvação na administração da Graça. De facto, o mesmo pode ser dito no futuro dia do Senhor.

Temos que nos lembrar que o Filho do Homem não é apresentado como Salvador no Livro do Apocalipse, mas como Juiz de toda a terra. Tiago, falando do mesmo período declara: “Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o Juiz está à porta” (Tiago 5:9). Nós também temos em mente que quando João escreve às sete igrejas na Ásia ele dirige-se a crentes – tanto fieis como infiéis. Se tomarmos a parábola da festa da bodas de que o Senhor falou durante o Seu ministério terreno, ela ajudar-nos-á a colocar Apocalipse 3:20 no seu próprio contexto.

“Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias. E sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas, para que, quando vier, e bater, logo possam abrir-lhe. Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa, e, chegando-se, os servirá. E, se vier na segunda vigília, e se vier na terceira vigília e os achar assim, bem-aventurados são os tais servos. Sabei, porém, isto: que, se o pai de família soubesse a que hora havia de vir o ladrão, vigiaria, e não deixaria minar a sua casa. Portanto, estai vós também apercebidos; porque virá o Filho do homem à hora que não imaginais” (Lucas 12:35-40).

Essencialmente, o Filho do Homem assentar-se-á para julgar quando Ele voltar à terra em poder e glória. Quando na Sua vinda Ele bater à porta, os crentes do reino que estiverem fielmente em vigilância e espera abrirão de imediato e serão introduzidos nas bênçãos do reino. Eles terão a honra de cear com Ele na bodas do Cordeiro (Apo. 19:9,10).

Mas os que seguirem as pegadas dos Laodiceanos estão em perigo se sofrerem grande perda. Eles não eram nem frios nem quentes; eram mornos devido à apostasia (Apo. 3:14-18).  Para eles as riquezas deste mundo eram claramente mais importantes do que as coisas do Senhor. Assim o Senhor desejava que eles fossem antes frios ou quentes. Uma bebida quente só é satisfatória se estiver fumegante. De modo semelhante, uma bebida fria só é refrescante se for mantida fria. Contudo, uma bebida quente ou fria que se tenha tornado morna é indesejável.  

“Eu repreendo e castigo a todos quantos amo: sê pois zeloso, e arrepende-te. Eis que estou à porta, e bato ... (Apo. 3:19,20). Os que naquele dia forem infiéis farão bem em dar ouvidos a este aviso, de outro modo o Filho do Homem vomitá-los-á da Sua boca. Os que não se arrependerem entrarão no reino, mas ser-lhes-ão vedadas todas as bênçãos que o Senhor conferirá aos fieis, incluindo as bodas do Cordeiro.


UMA PORTA NO CÉU
"Depois destas coisas, olhei, e eis que estava uma porta aberta no céu: e a primeira voz, que como de trombeta ouvira falar comigo, disse: Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer. E logo fui arrebatado em espírito, e eis que um trono estava posto no céu, e um assentado sobre o trono." (Apo. 4:1,2).

Segundo a interpretação tradicional, quando a era Laodiceana da Igreja terminar aparecerá uma porta aberta no céu. Esta visão diz que ao mandamento de “Sobe aqui”, a Igreja, o Corpo de Cristo, é arrebatada para a glória, no que geralmente é conhecido como Arrebatamento. Uma vez mais, temos de lembrar ao leitor que os eventos registados no Livro do Apocalipse são inteiramente futuristas. Por conseguinte, o Apóstolo João está a descrever o que ocorrerá após o Arrebatamento.

O Livro do Apocalipse regista quatro vezes que o céu será aberto na tribulação futura. É interessante que com cada ocorrência um evento significativo ocorre (Apo. 4:1:11:19; 15:5; 19:11). Aqui no capítulo quatro João é instruído a subir ali para receber uma revelação especial. Este é o amado João, um dos doze apóstolos do reino. Ele não era membro do Corpo de Cristo, nem representa a Igreja. João foi arrebatado no Espírito à sala do trono de Deus para um propósito muito específico.

Quando o apóstolo observa o trono de Deus no céu, os sete espíritos diante do trono, as quatro criaturas viventes, os 24 anciãos e o Cordeiro de Deus, uma coisa é clara: o dia da vingança de Deus chegou! O livro septuplamente selado que está prestes a ser aberto pelo Cordeiro contém os juízos de Deus. Nós devemos compreender que os eventos calamitosos que se seguem virão da mão de Deus, quando Ele derramar a Sua ira sobre este mau sistema mundial. Isto será plenamente compreendido pelo mundo no início da tribulação.

“E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; e diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?” (Apo. 6:15-17).

Sermões e Estudos

David Gomes 26SET21
Como lidar com portas fechadas

Tema abordado por David Gomes em 26 de setembro de 2021

Carlos Oliveira 24SET21
As religiões são todas boas?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 24 de setembro de 2021

Alberto Verissimo 19SET21
Crer ou Crer, eis a questão

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 19 de setembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3 em 22 de setembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário