Apocalipse Capítulo 1:1-10

Estudos no Livro do Apocalipse
Por  Paul M. Sadler  

“Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo; o qual testificou da palavra de Deus, e do testemunho de Jesus Cristo, e de tudo o que tem visto.”
(Apo. 1:1,2). 

Com a ajuda de Deus, planeámos apresentar um breve panorama sobre a Tribulação futura. O propósito deste estudo é dissipar a noção de que a Igreja, o Corpo de Cristo, é tema nos primeiros quatro capítulos do Livro do Apocalipse. Também exploraremos os eventos futuros do dia do Senhor a fim de aumentarmos mais a nossa apreciação da graça de Deus. Uma compreensão mais completa destes assuntos levar-nos-á a dobrar os nossos joelhos em adoração humilde Àquele que nos prometeu livrar da ira futura (I Tes. 5:9).  

A maior parte da Cristandade tem o Livro do Apocalipse como um livro selado que não pode ser interpretado com exactidão, devido à natureza das numerosas visões e linguagem simbólica. Como consequência, os que desejam estudar este registo bíblico ficam desencorajados de o fazer uma vez que não pode ser compreendido.  É claro que isto é um raciocínio deficiente porque o primeiro versículo do registo ensina o contrário: 

“Revelação de Jesus Cristo, a qual Deus lhe deu, para mostrar aos seus servos as coisas que brevemente devem acontecer; e pelo seu anjo as enviou, e as notificou a João seu servo” (Apo. 1:1). 

Isto é a revelação (Gr. apokalupsis), o desvendar, o desvelar de Jesus Cristo segundo a profecia. Ao contrário dos Quatro Evangelhos onde Cristo é retratado como o humilde servo sofredor, Ele aqui é apresentado como o Juiz de toda a terra, preparado para derramar a Sua ira sobre os Seus inimigos. Esta é a revelação que foi mostrada aos Seus servos, que brevemente devem acontecer. Como iremos ver, João dedicará atenção a este tema ao longo do livro.  

Certamente que esta revelação deve ser distinguida da que Paulo recebeu. Ele diz a respeito do seu evangelho: “Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo” (Gál. 1:12). A revelação (Gr. apokalupsis) dada ao Apóstolo Paulo revela Cristo segundo o Mistério, que tem a ver com a nossa exaltação com Ele nos lugares celestiais. Hoje conhecemos Cristo como o Deus de toda a graça que declarou um cessar-fogo a este mundo que O rejeitou. Como resultado, está a ser oferecida uma amnistia a todos os que confiam n’Ele como seu Salvador. Mas a declaração de graça e paz da parte de Deus em breve dará lugar a uma declaração de guerra, como o Livro do Apocalipse apresenta claramente. O que Deus separou, não o ajunte o homem; por conseguinte, é essencial que as revelações de Cristo, de Paulo e de João, não sejam misturadas.


TRÊS CHAVES IMPORTANTES  

Uma chave dá acesso, se for a chave certa!  O mesmo é verdade com as coisas espirituais. Há três chaves importantes que abrem as complexidades do Livro do Apocalipse. Primeira chave: é essencial ter um bom conhecimento das Escrituras proféticas, que revelam e aclaram o propósito de Deus para a terra. O Livro do Apocalipse é meramente uma continuação e desenvolvimento ulterior da profecia. Assim, “Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia” (Apo. 1:3).  

Tem sido dito correctamente que os frutos do Apocalipse são encontrados nas raízes da profecia. Nós cremos que o melhor comentário à Bíblia é a própria Bíblia. As Escrituras interpretam-se a si mesmas se as deixarmos na sua moldura natural. É interessante que a maioria do simbolismo que tem sido pedra de tropeço para muitos no Livro do Apocalipse seja explicado noutras porções da Palavra de Deus. Por vezes é definido no próprio livro. Por exemplo, João viu o Filho do Homem no meio de sete castiçais de ouro, segurando sete estrelas na Sua mão direita. Graças a Deus não somos deixados entregues à nossa própria imaginação quanto à interpretação correcta. Os sete castiçais de ouro são sete igrejas na Ásia e as sete estrelas são sete anjos (Gr. aggelos) ou mensageiros destas sete assembleias (Apo. 1:20). Como podes ver, o simbolismo no livro abre mão de uma interpretação literal quando comparamos coisas espirituais com coisas espirituais.  

O Livro do Apocalipse desempenha um papel muito importante na profecia porque nos dá uma ordem cronológica dos eventos futuros, que não se encontra no Velho Testamento. João, sob a direcção do Espírito, reúne todas as profecias do Velho Testamento referentes às coisas futuras e coloca-as numa sequência temporal, revelando ao leitor quando transpirará cada evento profético. Ele dá-nos então elos de ligação nunca antes revelados. Por exemplo, nós sabemos que o reino foi predito pelo profeta, mas João é o primeiro a revelar que a sua duração será de 1.000 anos (Apo. 20:4).  

Embora João divague ocasionalmente, os capítulos 1 a 10 dirigem-se antes de tudo aos primeiros 3½ anos da Angústia para Jacob. Com tantos elementos a serem revelados no meio do período da Tribulação ele passa a maior parte de quatro capítulos (11,12,13,14) a descrever a abominação da desolação. Nos capítulos 15 a 19 João trata intensivamente com os horrores da Grande Tribulação, que acaba com a Segunda Vinda de Cristo. Depois, no capítulo 20 o apóstolo remove dramaticamente a cortina do juízo final, a que se segue o estado eterno na terra, nos capítulos 21 e 22. 

Segunda chave: temos de também ter uma compreensão adequada do apostolado e mensagem de Paulo. Falhar nisto só servirá para frustrar a graça de Deus. O Mistério está claramente desligado das profecias futuras sobre o futuro dia do Senhor. Nós estamos a viver na era da graça não profetizada por Deus. É por isso que todas as tentativas para se predizer o Arrebatamento da Igreja tomando por base a linha de tempo da profecia tem falhado.  

Provavelmente alguns lerão a próxima declaração com incredulidade, mas no entanto é verídica, se compreendemos o Evangelho de Paulo – nenhuma profecia do Velho Testamento está a ser cumprida hoje. Nós compreendemos que o mundo se dirige nessa direcção e que se renderá ao cenário que está a ser preparado. Mas a sabedoria diz  que temos de parar aqui pela seguinte razão: Após o Arrebatamento, logo que o relógio profético recomeçar a trabalhar, as profecias cumprir-se-ão numa sucessão rápida, visto que estão todas inter-relacionadas umas com as outras. Por exemplo, a profecia de que o Anticristo se assentará no Templo e se declarará Deus está dependente do cumprimento de uma profecia precedente que diz que o Templo será reedificado.  

Uma vez que estamos livres da ira futura, tornou-se desnecessário que Paulo instruísse os membros do Corpo de Cristo sobre a atenção que estes deveriam dar aos avisos de Mateus 24. O Arrebatamento é um evento não profetizado; portanto, não há sinais, tempos ou estações que precedam o retorno iminente do Senhor para a Igreja. Não admira o apóstolo dizer aos Tessalonicenses, “consolai-vos uns aos outros com estas palavras”. Ele nunca teria feito esta declaração se tivéssemos que passar por alguma parte da Tribulação futura. Isto ajuda a clarificar porque é que o Corpo de Cristo nunca é mencionado no Livro do Apocalipse.  

Terceira chave: temos de nos certificar do método correcto de interpretação. Teologicamente, a Interpretação Preterista diz que o Livro do Apocalipse refere-se especificamente aos problemas e perseguições da igreja primitiva, que existia no tempo em que foi escrito. Por outras palavras, a profecia já foi completamente cumprida. Esta interpretação desafia a razão, a lógica, e mais importante ainda, qualquer evidência credível.  

A Interpretação Histórica diz que o registo descreve simbolicamente a sequência cronológica dos eventos históricos da Igreja. Uma forma modificada desta posição declara que as sete igrejas na Ásia representam as sete fases históricas da Igreja, o Corpo de Cristo. Segundo esta interpretação, estamos actualmente a viver na era de Laodiceia.  Apesar desta ser talvez a posição mais popular entre os dispensacionalistas, também deixa muito a desejar. O problema aqui é que nos é deixada a interpretação do homem sobre a história da Igreja, que às vezes é questionável. Nós preferimos deixar a autoridade final sobre tais assuntos com as próprias Escrituras.  

Nós cremos que a Interpretação Futurista se ajusta melhor ao registo que nos é dado pelo Apóstolo João. Esta interpretação diz que todo o Livro do Apocalipse é futurista. Uma coisa a favor desta posição é tanto a história bíblica como as Escrituras parecem claramente sustentá-la. É geralmente aceite que o Apóstolo João escreveu o Livro do Apocalipse por volta do ano 95 A.D.. Ussher, que desenvolveu o sistema de datação com o seu nome, concorda. Ele foi um dos primeiros a datar os livros das Sagradas Escrituras ao comparar meticulosamente tanto os documentos seculares como os bíblicos que estavam à sua disposição.  

Na altura que João escreveu o Apocalipse, a bênção de Deus tinha sido completamente removida de Israel. O Templo e Jerusalém já tinham sido destruídos por Tito e o sistema sacrificial jazia em ruínas. Tanto Paulo como Pedro tinham sofrido o martírio, e a maioria dos salvos em Pentecostes sob o Evangelho do Reino estavam agora com o Senhor. Isto levanta a questão: A quem estava João a escrever? Apesar de sabermos que a Igreja, o Corpo de Cristo, era o meio através do qual Deus estava a canalizar a Sua bênção na altura, sabemos que João foi dirigido pelo Espírito a confinar o seu ministério à circuncisão (Israel) (Gál. 2:9).  

Creiamos que o Livro do Apocalipse tenha sido escrito numa data mais anterior ou posterior é realmente controverso, se compreendemos que o escrito é totalmente futurista. João teria naturalmente passado o livro aos poucos santos do reino que permaneciam nos seus dias de modo a este poder ser adicionado ao cânone das Escrituras. Contudo isto não diminui o facto de que a principal força da escrita é a futura nação de Israel.  

Os que podem ter reservas sobre João se dirigir à futura nação de Israel devem lembrar-se que o mesmo é verdadeiro de muitas profecias do Velho testamento relativamente à Tribulação futura. De facto, quase metade do Livro de Daniel cai nesta mesma categoria. Assim então, as sete igrejas a quem João está a escrever são sete futuras assembleias Judaicas localizadas na Ásia Menor (Apo. 1:11). Os teólogos que rejeitam a interpretação futurista têm reconhecido alguns dos casos espinhosos associados ao ensino de que João estava a escrever a sete igrejas dos seus dias. Como consequência, eles foram forçados a espiritualizar estas igrejas, interpretando-as como sete fases da história da Igreja. Uma vez mais, devemos tomar sempre uma interpretação literal da Palavra de Deus a menos que o contexto exija algo diferente. Certamente que aqui há poucas dúvidas de que estas assembleias são literalmente assembleias do Reino.


UMA JORNADA ATRAVÉS DO TEMPO  

O mundo teve sempre um desejo insaciável de conhecer o futuro. Até Hollywood tem procurado capitalizar isto com filmes como De Regresso ao Futuro! Com uma natureza decaída, podes ter a certeza de que se o homem pudesse predizer o futuro seria para maus propósitos. Graças a Deus que Ele tem escondido isto ao homem, com a excepção do que Ele escolheu revelar-nos no respeitante a estas coisas que estão para acontecer. Só a Palavra de Deus faz um relato exacto dos eventos futuros – todos os outros meios são artifícios e artimanhas de Satanás.  

No Livro do Apocalipse Cristo é o alfa e o ómega (Apo. 1:8). Alfa e Ómega são a primeira e última letra do alfabeto Grego. Por conseguinte Cristo é o começo e o fim. Ele conhece o fim desde o começo porque Ele tem planeado e designado todas as coisas segundo o conselho da Sua vontade. Isto é, em essência, o próprio fundamento da profecia. Como disse um distinto ensinador da Bíblia: “O que é a profecia, senão a história escrita antecipadamente?”  

Embora viajar no tempo seja impossível para o homem, nada é impossível para Deus. Ele é eterno, tendo todo o conhecimento, todo o poder, e estando presente em toda a parte. Do mesmo modo que Enoque e Filipe foram transportados para outro lugar num momento de tempo, o Apóstolo João foi levado no Espírito ao futuro dia do Senhor (Actos 8:39,40 cf. Heb. 11:5). E tu que pensavas que as tuas férias do Verão passado tinham sido uma viagem inesquecível! Isto soa forçado? Não para o crente que vê com os olhos da fé! O que dizem as Escrituras?  

“Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo. Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta” (Rev. 1:9,10).  

Este é João, o amado, que reclinou a sua cabeça no seio de Jesus na Última Ceia. Ele era um dos doze apóstolos do reino, e tanto quanto sabemos ele era o último membro sobrevivente do grupo quando escreveu estas palavras. Ele tinha sido deportado para a Ilha de Patmos pelo Imperador Romano Domitian I.[1] A deportação significava uma sentença de morte para o apóstolo idoso, mas Deus converteu o mau intento numa revelação inesquecível do Seu querido Filho.  

Como um Hebreu dirigindo-se a Hebreus, João identifica-se como seu parente segundo a carne. Ele era seu irmão e companheiro em tempos atribulados. Se consultarmos aqui o original sabemos que o artigo definido precede o substantivo, aflição (tribulação); como consequência João foi seu companheiro durante “os” sete anos de Tribulação e o Milénio a seguir.  

Estas são as coisas que o versículo 1 diz “que brevemente devem acontecer”. A referência é àqueles que estarão vivos naquele dia. Isto é-nos confirmado pela declaração seguinte do apóstolo: “Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor”. A tradição ensina que o Dia do Senhor é o Domingo, que é o dia em que os Cristãos adoram. Contudo, isto é estranho às Escrituras. O dia do Senhor é uma referência clara ao período de tempo extenso que inclui: sete anos de tribulação, a Segunda Vinda de Cristo, a prisão de Satanás no abismo, o juízo de Israel e das nações, o reino Milenar de Cristo, a batalha de Gog e Magogue, e o Juízo do Grande Trono Branco. Quando João foi transportado a este dia futuro ele ficou, por assim dizer, sentado no balcão, e registou todos os eventos que se desenrolaram diante dos seus próprios olhos.  

“Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo” (Apo. 1:3).  

Uma bênção especial está reservada para os que vivendo naqueles dias, lerem, ouvirem esta visão profética pregada, e obedecerem às palavras desta revelação. Vendo que há um número de profecias chave que têm de ser cumpridas mesmo no começo da Tribulação, é impossível a qualquer crente do passado ou do presente “guardar” aquelas coisas registadas no Livro do Apocalipse. Uma dessas profecias tem a ver com o ministério das duas testemunhas ...



[1]  Domitian (81-96 A.D.). Ver Nelson’s New Illustrated Bible Manners & Customs, Howard F. Vos, páginas 602 e 603.

Sermões e Estudos

David Gomes 26SET21
Como lidar com portas fechadas

Tema abordado por David Gomes em 26 de setembro de 2021

Carlos Oliveira 24SET21
As religiões são todas boas?

Tema abordado por Carlos Oliveira em 24 de setembro de 2021

Alberto Verissimo 19SET21
Crer ou Crer, eis a questão

Tema abordado por Alberto Veríssimo em 19 de setembro de 2021

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 4:3 em 22 de setembro de 2021

 
ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário