• 1
  • 2
  • 3

Servindo entusiasticamente,
com amor e temor,

para em tudo te enriquecer em Cristo, em toda a Palavra, em todo o conhecimento (1 Coríntios 1:5).

Testemunhos

Pedro Cândido

Breve testemunho acerca de como se converteu a Cristo e de como tem sido a sua vida ao Seu lado.

José Jacinto Carvalho

Conversão significa mudar de vida e a minha vida mudou mesmo.

Jorge da Silva

Como a graça de Deus o conduziu à salvação em Cristo. Ouve o seu testemunho até ao fim.

Sermões e Estudos

Fernando Quental 14JUL24
Preparado para viver

Tema abordado por Fernando Quental em 14 de julho de 2024

Carlos Oliveira 12JUL24
O vazio no coração do homem

Tema abordado por Carlos Oliveira em 12 de julho de 2024

Carlos Oliveira 07JUL24
Como vencer relações difíceis

Tema abordado por Carlos Oliveira em 07 de julho de 2024

Estudo Bíblico
Voo sobre a Bíblia: Oseias 1-14

Estudo realizado por David Gomes em 10 de julho de 2024

ver mais
 
 

04-07-2024 - Como acolher autistas na igreja?

Igreja deve aprender a acolher pessoas com autismo - Agência de Notícias  SIGNIS

 

     O Transtorno do Espectro Autista, conhecido como TEA, afeta as habilidades de interação social, de comunicação e gera repetição de comportamentos padronizados. 

     No Brasil, estima-se que mais de 2 milhões de brasileiros tenham este transtorno. O cálculo baseia-se em estudos do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), agência pública de saúde dos Estados Unidos.

     Com o crescente número de diagnósticos no país, preparar a igreja local para tornar o seu ambiente mais acolhedor para estas pessoas tornou-se tarefa urgente. 

      Embora extensas pesquisas tenham tentado isolar a base neuropsicológica deste transtorno complexo, sua causa ainda é desconhecida. 

     Pensando nisso, psicólogas deram dicas de como as igrejas podem agir e esclareceram pontos importantes do assunto. 

 

Importância da preparação da igreja

     É comum que crianças atípicas sofram preconceito dentro da igreja, devido ao comportamento, que na maioria das vezes é involuntário da própria criança e do adulto. 

     Então, levar informação é fundamental, e isso pode ser feito por meio de palestras e treinamentos onde todos os líderes devem estar inseridos. 

     Em entrevista ao Guiame, a psicóloga Daniela de Almeida Souza Cruz explicou que esse trabalho é feio em conjunto com a família. Ela explicou algumas medidas que a igreja pode adotar para tornar seu ambiente mais acolhedor para pessoas com espectro autista.

     “Materiais adaptados e de fácil linguagem, não só beneficiam pessoas com autismo, mas beneficiam a todos. Todas as crianças serão beneficiadas com um material didático acessível, mais explicativo e interativo”, disse ela. 

     E continuou: “Isso é um ganho não só para a pessoa com autismo, mas também para todos que ali estão, porque a inclusão não é eu fazer alguma coisa para uma pessoa específica, mas eu incluir naquilo que eu já estou a fazer todas as pessoas. Inclusão é fazer com que todo mundo faça parte da mesma atividade, tarefa e contexto, sendo acessível a todos. Não é eu adaptar uma coisa para quem tem autismo, enquanto as outras pessoas fazem coisas diferentes, mas é eu trazer para perto todo mundo”.

     “Isso é um trabalho coletivo de toda a igreja, a gente não pode achar que esse trabalho vai ser feito na salinha. Mas é desde quando a família entra na igreja. Essa inclusão precisa acontecer desde a porta até todos os âmbitos. A igreja precisa fde alar a mesma linguagem em todos os ambientes”, acrescentou.

     Caroline Silva dos Santos, de 29 anos, é Terapeuta Ocupacional (TO) e conversou com o Guiame sobre a melhor maneira de ensinar o Evangelho a crianças autistas.

     De acordo com ela, depende do grau de compreensão de cada um, pois devido ao espectro, cada caso é um caso. 

     “Em geral, usar linguagem simples, de fácil entendimento; utilizar imagens, fotos e vídeos. É importante ter cuidado com a forma de falar. Muitos autistas são superdotados e têm muito boa compreensão sobre diversos assuntos. Nestes casos, fala-se normalmente, como com qualquer outra pessoa neurotípica. Em casos de pouca compreensão, a linguagem simples e direta, por vezes com auxílio de imagens, é suficiente”, disse ela.

     O pedagogo, Gabriel Murilo, acrescentou: “Cada espectro é único, cada criança autista tem uma peculiaridade. O segredo é você conhecer a criança, escolher o tipo de imagem, sempre que possível escolher imagens mais realistas”, explicou Gabriel ao Guiame.

     “Exemplo, se fosse falar da arca de Noé, evitar imagens estilizadas de desenho, usar imagens realistas para ajudar a criança a entender que se está a tratar de animais reais. Evitar figuras de linguagem, ditos populares e jargões, porque alguns autistas têm o pensamento muito concreto e literal”, acrescentou.

     “Jesus usava muito parábolas. Ele sabia com quem Ele estava a falar e as pessoas que Ele queria alcançar. Então, Ele mudava a linguagem dele para atrair as pessoas. Não tem como trabalhar com pessoas com autismo se eu não adaptar a minha linguagem para isso. Isso vai requerer trabalho, tempo, paciência e estudo. Na própria Bíblia nós temos exemplos de Jesus fazendo isso”, destacou Daniela.

     Caroline observou que no caso das crianças autistas, ter um monitor sempre atento às suas necessidades, mediando as atividades com outras crianças, auxiliando nas tarefas e prevenindo possíveis crises é muito importante. 

     “No caso de crises, o ideal é ter um espaço preparado, com menos estímulos visuais e auditivos, propiciando uma acomodação sensorial para regulação do sistema nervoso da criança. Este espaço também pode ser usado por autistas adultos em casos de sobrecarga sensorial”, concluiu ela.

     Ao se relacionar com essas famílias, os Cristãos devem ter em mente que existe cansaço, renúncia, resiliência, amor, cuidado, e acima de tudo, o desejo de ser compreendida e respeitada.

     Angélica Cruz testemunhou sua experiência em priorizar um bom acolhimento para sua filha Elisa, que é autista.

     A mãe enfrentou um processo difícil, até encontrar uma igreja que atendesse às suas necessidades.

     “Estávamos insatisfeitos por estar em uma igreja que não tinha um lugar adequado para minha filha. Ela não entrava para fazer as atividades com as crianças, ela gostava de estar com elas mas não sabia como se inserir no meio delas e não tinha nenhum trabalho específico para que ela pudesse interagir”, contou ela.

     “Nós estávamos extremamente cansados devido a nossa rotina de vida e chegada no culto, a gente não tinha nenhum suporte para conseguir ficar sentado e ouvir a Palavra. Estávamos tristes e isolados pela igreja. Desesperançosos achando que a nossa vida ministerial estava enterrada”, acrescentou. 

     Angélica e o marido André, queriam uma igreja onde Elisa aprendesse o Evangelho. Tempo depois, Deus lhes direcionou a uma nova igreja.

     “Quando nós chegámos à igreja era um culto com a temática autista. Ela chegou e correu até ao púlpito, abriu os braços e começou a adorar. E desde então, estamos lá. A Elisa é muito amada, nós fomos muito bem acolhidos”, relembrou Angélica. 

     “Elisa participa de tudo e tudo de uma maneira inclusiva. As lições da Elisa da igreja são todas adaptadas, ela é ministrada e se sente parte daquela igreja”, afirmou a mãe.

     “Temos oito autistas hoje na igreja, fora os que estão chegando. Hoje, somos exemplo para outras famílias atípicas. Enquanto eu e o meu esposo estamos a servir nos nossos ministérios na congregação, temos uma equipa que trabalha aos cuidados da Elisa, uma igreja que zela pela vida dela desde a receção até ao culto de crianças. É um amor e trabalho em conjunto”, afirmou Angélica.

     E continuou: “Eu louvo a Deus por esse trabalho e por este ministério, porque quando eu achei que tudo estivesse acabado para mim, que eu não tinha mais possibilidades de fazer mais nada na casa do Senhor, Deus abriu essa porta através da igreja”.

     “Nós ganhámos vida de volta, hoje a nossa dinâmica familiar é muito diferente. Hoje, estou vivendo o melhor de Deus em minha vida. Somos amados, respeitados e incluídos. Tenho tranquilidade em ir para a igreja e ver minha filha feliz porque ela se sente em casa. Isso não tem preço, não tem nada mais valioso do que uma igreja acessível”, acrescentou ela.

     Nesse espaço de um ano após a mudança da igreja, a evolução da Elisa relatada pelos psicólogos é gigantesca. 

     “Hoje eu posso dizer que existe cura para o autismo, a cura chama-se amor. A cura para o autismo chama-se comunidade cristã, família da fé. Se nós encontrarmos um lugar que tenha essas características, pode ter a certeza de que essa família vai se desenvolver e essa criança irá muito para além das expectativas médicas. Então eu só agradeço a Deus”, concluiu.

     Elisa chegou à igreja sem falar. Hoje, ela fala, canta e adora. Os seus pais agradecem a Deus pelos avanços e por todas as pessoas que fazem esse trabalho acolhedor.

- in Guiame

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

_________________________________________

NOTA de esclarecimento importante:

Esta secção de notícias é exatamente isso, e tão somente isso: notícias, visando informar o povo de Deus do que vai acontecendo no mundo. Não significa que subscrevamos princípios, práticas e costumes associados às mesmas. O resto do portal esclarece bem e com rigor o que realmente cremos à luz das Escrituras bem manejadas.

FRUINDO DA ADMIRÁVEL GRAÇA DE DEUS,
A NOSSA MISSÃO É AJUDAR TODOS 
A USUFRUIR DA MESMA GRAÇA.

"... vos exortamos a que não recebais a graça de Deus em vão" (2 Coríntios 6:1).
Se é que tendes ouvido a dispensação da graça de Deus ... (Efésios 3:2)
"... que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar
a ação de graças para glória de Deus" (2 Coríntios 4:15).
"Porque pela graça sois salvos ..." (Efésios 2:8).

  • Avenida da Liberdade 356 
    2975-192 QUINTA DO CONDE 





     
  • geral@iqc.pt 
  • Rede Móvel
    966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • HORÁRIO
    Clique aqui para ver horário