Poesias de José Rodrigues

José Rodrigues

 

Deus ficou triste com a humanidade
07/04/2017

Deus na sua infinita sabedoria
No princípio Sua bela criação.
Criou um ser vivente com mestria,
E também Eva para sua companhia,
Que foram vencidos na sua tentação,

O casal viveu tempos de felicidade,
Tinham que cuidar de um jardim.
Seu viver era de pura simplicidade
Pois nunca conheceram a maldade,
O tentador, imitando serpente assim

Não comam do fruto do jardim?
Não comermos do fruto proibido.
Deus não vos explicou bem assim,
Para não teres poder Dele Eloim
Mas se comeres serás esclarecido.

Então Eva acreditando no tentador,
Colheu o tal fruto que fora proibido.
Naquele ato ofenderam ao Senhor
Que os fizeram com tanto amor,
Descreram e no pecado foram caindo.

Pensaram que Deus os enganara,
Eva deu Adão o fruto, ele comeu.
Ao desobedecerem eles pecaram,
Vendo a sua nudez eles coraram,
Pela sua ambição o casal sofreu.

Mas a serpente disfarce do maligno
Também foi duramente castigada
O casal começou a viver em perigo
Duvidaram de Deus o que é indigno,
A humanidade ficou amaldiçoada.

Mas Deus é cheio de longanimidade,
Sentiram-se mal com a sua nudez
Fizeram aventais para sua intimidade,
O Senhor com túnicas tapou sua maldade,
Sendo expulsos do jardim de vez.

E o gene do pecado ficou instalado,
Do qual sofre toda a humanidade.
O homem muito mais sobrecarregado,
E o homicídio começou a ser praticado
E assim o mundo ficou desgovernado

Somos todos imperfeitos, somos pecadores!


A AMIZADE CULTIVA-SE
24/02/2013

A amizade é abstrata, mas real,
Que pode ter grande significado!
Esta não deve ser desprezada,
Porque a amizade não pensa mal.

Se alguém tem uma grande amizade,
Que deve ser franca e fraternal!
É pessoa que tem algo de especial,
A amizade deve ser para a eternidade.

A amizade não é conflituosa,
Pois é um ato de fraternidade!
Nela não pode existir maldade,
É delicada, gentil e amorosa.

Pratiquemos a amizade verdadeira,
Usando sempre a franqueza!
Porque se a praticarmos temos beleza,
Ainda que na vida tenhamos canseira.

Porque os conflitos geram guerras,
Muitos ódios causam as ambições!
Que nos trazem más condições,
Causando mal-estar nas terras.

Inimizades e ambições desmedidas,
Que dão origem a desavenças!
E causam muitas falsas sentenças,
Com amizade poderiam ser resolvidas.

 

Jesus depois da morte ressuscitou
25/03/2016

Deus, num grande gesto de amor
Para remir o mundo ímpio pecador,
Do céu enviou Seu Filhoa amado.
Aquele menino nascido em Belém,
Perto da cidade de Jerusalém
Que pelo povo sempre admirado.

José e Maria foram-se recensear
Longos dias tiveram que caminhar,
Findo o tempo, Maria daria à luz
Na estalagem não tiveram lugar,
Com os animais tiveram partilhar,
Ali humildemente nasceu Jesus.

Um coro celestial, então cantava
Aos pastores a nova anunciava,
Eles, eram os primeiros adoradores.
Com alegria dirigiram-se a Belém,
Onde adoraram Jesus Sumo bem,
Em toda a terra, se cantou louvores.

Foram apressadamente os pastores,
Depois de ouvirem aqueles louvoures.
Com José e Maria e o menino deitado,
Vendo ali o menino tudo divulgaram.
A todos com muita alegria anunciaram
Ele era Deus menino, que encarnara.

Voltaram os pastores, iam glorificando
Com imensa alegria, sempre louvando.
Aquela era uma notícia tão gloriosa,
Louvavam pelo que tinham ouvido.
Tudo pelos anjos falado e esclarecido
A nova dada aos homens era formosa.



O preço da traição negação

03/03/2015

Noite escura de tragédias,
Judas foi o grande traidor
Entregando Cristo Senhor,
Por míseras trinta moedas.

O sinal ao inimigo indicado,
A lua envergonha se escondeu,
Pela traição daquele judeu,
Indicou a Cristo que foi beijado.

Jesus preso como malfeitor,
Foi logo fortemente atado.
Pela turba foi então apupado,
Depois de ter dado tanto amor.

O povo que sempre O ouviu,
Nos milagres que então fazia.
Mesmo assim O escarnecia,
Mas Cristo só, preso seguia.

Os discípulos O abandonaram,
Pedro o mais chegado O negou.
E três vezes o galo cantou,
No Sinédrio então O julgaram.

Jesus carregou a pesada cruz,
Ali morreu pela humanidade.
Para alcançar a eternidade,
Onde estaremos com Jesus.
 

A nossa morada celestial

16/01/2015

Quando a vida aqui findar,
Espero ao Céu poder subir.
Mas só por Cristo posso ir,
Para ao Senhor então louvar.

No céu irei então entrar,
Não entrarei pelas obras.
Ou por fazer coisas novas,
Mas por Cristo eu aceitar.

Então na celestial mansão,
Vou no celestial coro cantar.
Com os anjos a Deus louvar,
Purificado terei a salvação,

O sangue que me purificou,
O sangue de Jesus Senhor.
Sacrificado na cruz por amor,
Aos arrependidos justificou.


Ali já na eterna felicidade,
Onde a doença e choro findou.
Pois a tristeza e dor terminou,
Ali viveremos em fraternidade.

As ruas estão engalanadas,
Ceias de luzes coloridas.
Nesta quadra cheia de vida,
Multidões correm extasiadas.

As montras ceias de tentações,
Muita publicidade para distrair.
Com a intensão de poder atrair,
São lindas dizem as promoções.

Mas não param para pensar,
Que o real sentido do Natal.
Foi um nascimento especial,
Que veio ao mundo para Salvar.

No final o menino é esquecido,
Serviu apenas para ser exposto.
Fica guardado onde foi posto,
Voltando no novo ano requerido.

Mas para o verdadeiro Cristão,
O Natal tem outra mensagem!
Que os descrentes põem à margem,
Mas para o crente é de adoração.

Jesus veio cumprir as profecias,
Que anunciava a Sua missão.
Trazer ao mundo a Salvação,
Oferecida durante todos os dias.
 

Foi Deus que criou o Sol
08/07/2014

O Sol é uma estrela brilhante,
Que apareceu desde a fundação.
Mas não serve para adoração,
Dissipa calor, sendo iluminante.

Mas o homem duvida de Deus,
Diariamente tece conjeturas.
Pensando assim, anda às escuras,
Pensam assim todos os ateus.

Se Deus não desse este luminar,
A escuridão e o frio gelavam a Terra.
Numa noite de escuridão a encerra,
A humanidade morta iria gelar.

Mas a terra, descreve a sua rotação,
Num sistema solar inteligente.
Isto não foi pensado por gente,
Foi sim, pelo Deus Senhor da criação.

Pode o homem por muito pensar,
E tecer muitas e variadas conjeturas.
Até podia subir às infindas alturas,
Mas a obra de Deus não vai alcançar.

 

Ao Deus da criação da Terra
06/04/2014

No princípio a Terra era informe,
Era coberta por imensa escuridão.
As águas eram uma imensidão.
Deus colocou ordem na confusão.

Primeiro dia Deus iluminou a terra.
No segundo dia às águas ordenou.
Aos mares e lagos lugar arranjou,
Começando para a criação nova era.

Assim iniciou Deus toda a natureza,
Criando todos animais rios e relvas.
Peixes as aves e animais das selvas.
Criou paisagens cheias de beleza.

Toda esta bela criação, num momento,
Surgiu num tempo de amor inspiração.
Seria para o homem toda esta criação,
De onde tiraria todo o seu sustento.

E no quarto dia, criou Deus o sol e a lua:
O sol para dar luz e calor a toda a criação,
E a lua para presidir à noite e à inspiração.
Todas estas criações são inspiração Sua.

Podem os descrentes, em Deus não acreditar.
Por estar escrito que, em seis dias tudo criou.
Obra maravilhosa que ao homem entregou.
Mas o homem desobedeceu; teve que pecar.




Deus manifesta-se aos homens
25/02/2014

Jesus manso e muito delicado,
Na tua porta pode hoje bater.
Deseja entrar em teu coração,
O convite não deve ser rejeitado!

Ele te ama quer contigo cear,
Ele está buscando os perdidos.
Os humilhados e os ofendidos,
A todos a salvação quer dar!

Querer-te fazer nova criatura,
Exige sincero arrependimento.
Não rejeites este oferecimento,
Terás então vida eterna segura!

Foi à cruz pelos nossos pecados,
No Calvário seu sangue derramou.
Sofrendo tanta crueldade e dor,
Por nós perdidos e fomos achados!

Se aceitares esta grande oferta,
Estás morto, passarás a viver.
E a vida eterna passarás a ter,
A porta do céu, para ti está aberta!



O velho patriarca Noé

Livro de Génesis Capítulos 6 e 7
07/03/2013

Noé, o velho patriarca coitado,
Vivia numa constante tristeza!
No mundo, o povo vivia em pecado,
A corrupção existia por todo o lado,
Deus chamou Noé para uma empresa!

E o velho patriarca, aceitou a tarefa,
Para poder salvar seus familiares!
Poderia fazer a obra, sem pressa,
Pois era uma embarcação expressa,
Teria que na mata, as arvores cortar!

Levou muitos anos a construir,
Aquela embarcação enorme!
Foram quase cem anos, a concluir,
Onde muitos animais deviam ir,
Tempo que Noé quase nem dorme!

Seus amigos, então pensavam,
Para que é que ele está a trabalhar?
Aqui não há mar, e pasmavam,
Então, diariamente o observavam,
Coitado, está velho e a falhar!

Mas no dia, que Deus determinou,
Tudo estava enfim preparado!
Forragem para os animais chegou,
Alimento para as pessoas se guardou,
E o único postigo, Deus o cerrou!

E o dilúvio furioso começou,
Era a justiça divina a castigar!
A quem a Deus não respeitou,
Aquelas águas, a todos sepultou,
Depois, nova criação se iniciou!



A UNIVERSIDADE DO CRENTE
06/05/2011
I
Mais de trinta e oito anos,
Um paralítico, a Betesda ia!
Em todos, apanhava desenganos,
Pois, outro mais lesto o antecedia!
II
Mas, sua fé, não desfalecia,
Continuava o milagre, esperando!
A sua fé, era mais forte cada dia,
Sempre persistindo, e lutando!
III
As águas, o anjo agitava.
Todos tentando, entrar primeiro!
Assim aquele paralítico, não alcançava,
Continuava planeando o ano inteiro!
IV
Certo dia, Jesus parando, observava,
Toda aquela luta, pela primazia.
O aleijado coitado, não galgava,
Então o Senhor, a palavra lhe dirigia!
V
Tu, do teu mal, queres-te livrar?
Senhor quero, mas; não posso correr!
Logo Jesus, o mandou levantar,
Estás curado. Podes a cama recolher!
VI
Estando ali, os fariseus meticulosos,
Observadores da lei, ficaram irados!
Pois eram,  tremendamente invejosos,
Por não poderem, tal cura fazer...coitados!
VII
Criticando  Jesus, por este ter curado,
Um homem, sofrendo de paralisia!
Reclamando!!! O sábado, deve ser guardado!
Porque, o milagre inveja lhes fazia.
VIII
São assim hoje,  muitos religiosos,
Cheios de princípios e preconceitos!
Nada fazendo; os cínicos invejosos,
Só sabendo nos outros, por defeitos!



A Morte  Vai Chegar!!!
12/01/2007

I
A morte, vai chegando,
Chegando a qualquer hora!
A todos, vai levando,
A terminando, a vida agora!
II
Não pergunta, por profissões,
Nem idades, ou competência!
Leva, de todas as condições,
E terminam aqui, a existência!!
III
Eu sei, que um dia vou partir,
Quando esse dia? Não sei!
Será Deus, a decidir
Por isso… pronto estarei!
IV
Não poderei, então faltar,
Se os seus anjos, me vierem buscar!
Eu tenho, que me apresentar,
E me levam, quando Deus ordenar
V
Porque, só uma vez nascemos,
Nesta pobre Terra, em que vivemos!
Também, só uma vez terminamos,
Mesmo que assim, não desejamos.



Os Três Crucificados
14/11/2007

No calvário, três crucificados,
Jesus o salvador, da humanidade,
Dois salteadores, condenados,
Por viverem uma vida, de crueldade!
Arrependeu-se, um dos justiçados,
O outro continuava, na sua maldade!

Enquanto um, com ódio blasfemava,
Desafiando injustamente, o Senhor,
O outro arrependido, a Jesus rogava!
Lembra-te de mim meu, Salvador,
Jesus garantiu; hoje estarás no paraíso!
Porque eu vim salvar o pecador!

Aos pés da cruz, as mulheres chorando,
Pela crucificação, do mestre amado,
E Jesus, a João sua mãe, recomendando!
Pois foi injustamente, crucificado,
Ao lado a soldadesca, sua túnica jogando
Tremendo a terra, e o centurião, ficou aterrado

Jesus sofrendo, em alta voz bradou,
Rendendo ao Pai, o seu Espírito,
O véu do templo, ao alto se rasgou!
Todo o povo, temeu e assistiu contrito,
Cristo por nós sofreu, e agonizou,
Ficou Seu sacrifício, sempre bendito!



Jesus no Getsêmani
   08/11/06

Jesus, aos seus discípulos, deixou,
Indo mas além, ao Pai para orar!
E foi tanto, o seu sofrimento,
Que suportou, naquele momento,
Que suor, e gotas de sangue, corria,
Por ser tão grande, Sua agonia!
Grande, naquela hora, a Sua dor,
Carregando a culpa, do pecador!
E, quanto mais Ele, orava,
Maior era a dor, que suportava,
E seus discípulos, então dormiam!
Porém, a agonia de Jesus, não sentiam!
E Jesus, a orar pelo mundo; continuou,
Pois pelas nossas culpas, se entregou!

Orando, no momento de agonia,
Já o peso de Sua cruz, sentia!
Pedia: Pai; passa este cálice, de Mim,
Mas, seja feita  a Tua vontade, enfim!
Sua dor infinda, era mais forte agora!
Os discípulos, não velaram, nem uma hora!
E, continuou, orando e suplicando,
E o pecado  do mundo, carregando.
Tanta angústia, que estava sentindo,
Voltou!... E os  discípulos dormindo!



A Bíblia Sagrada  
 26/07/06

I

A Bíblia, é um livro sagrado,
Com os ensinamentos, do Senhor.
Por muitos, maltratado,
Não lhe sabendo, dar valor!
II
Por muitos, é lido e respeitado,
Servindo-lhes, de regra e orientação!
Por outros, em tempos queimado
Este livro, que lemos com devoção
III
A verdadeira palavra do Senhor,
Que mudou, muitas nações!
Sempre baseados, no seu amor,
Livro sagrado, que nos dá lições!
IV
É livro de sabedoria, sem igual,
Mostrando, o amor de Deus ao homem!
É um livro único, genial,
Chamando à vida, todos os que dormem!
V
Muito melhor seria, este mundo,
Se todos os cristãos, o amassem!
O homem seria purificado, não imundo,
Desde que todos, o respeitassem!
VI
Livro, cheio de bons ensinamentos,
Escritos, na linguagem do povo,
Trazendo a todos, bons conhecimentos!
            
VII
Deve ser lida, e meditada,
Quer por velhos, quer por novos!
É palavra de Deus e deve ser respeitada!



Julgamento e crucificação de Jesus
Inspirado em Lucas 22:47 a 23:48
07/11/06

I
Jesus, por Judas atraiçoado,
Logo foi preso, e manietado.
Levado, como um malfeitor,
Maltratado, sofrendo por amor.
II 
Reunido, o  farisaico tribunal,
Naquela ocasião, especial,
Faz-se um julgamento simulado,
Para que Jesus, seja condenado!
III
Testemunhas falsas, depuseram,
Contando mentiras, e juras fizeram!
Jesus foi agredido,  esbofeteado,
Depois do sumo sacerdote, o ter interrogado.
IV
Muitos erros houve, no farisaico tribunal,
Por inveja; foi sentenciado afinal!
Mandado para Pilatos, o governador,
Que interrogou, com autoridade ao Senhor!
V
Apresentando-o à multidão, enfurecida,
Pilatos quis, poupar-lhe a vida!
Mas… por fariseus e sacerdotes, instigada,
Gritava!.. Crucifica-o pedia, desvairada! 
VI
Foi à cruz, injustamente condenado,
Entregue á soldadesca, foi flagelado!
E uma coroa de espinhos, lhe deram,
Quando só o bem, ele sempre fizera!
VII
Depois, de cruelmente açoitado,
Carregando sua pesada cruz; coitado!
Seguindo entre alas, da multidão,
E já sem forças... caindo ao chão!
VIII
Essa cruz; que Jesus carregava;
Em que Simão cireneu, o ajudava!
Era a cruz, de todo o mundo,
Ele a carregava, com amor profundo!
IX
Chegado ao local,  designado,
Foi ali, cruelmente  crucificado!
Entre dois ladrões, salteadores,
Sofrendo imensas, e atrozes dores!
X
Depois; num brado profundo,
Morreu, deixando o cruel mundo!
Pedindo; Pai, recebe meu Espirito,
XI
Neste momento; a ira de Deus se sentiu,
A terra tremeu, e aos sepulcros abriu!
E o véu do templo, em dois separou,
 E toda esta tragédia, aqui findou!


 

Sermões e Estudos

Nando23ABR18
Convencido, ou convertido?

Sermão proferido por Fernando Quental em 23 de abril de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:21,22 realizado em 04 de abril de 2018

ManuelGomes 28FEV18
A maior rede social

Sermão proferido por Manuel Gomes em 31 de março de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:22,23 realizado em 18 de abril de 2018

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    356 2975-192 QUINTA DO CONDE





     
    Hotel Íbis, Avenida Casal Ribeiro, 23
    1000-090 LISBOA
  • geral@iqc.pt 
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • QUINTA DO CONDE
    Clique aqui para ver horário






     

    LISBOA
    Clique aqui para ver horário