Um país chamado Céu

smith oj

   Quero falar-lhe de um país estranho e maravilhoso, um país onde não há lágrimas nem mágoas, um país onde não há doença, nem dor e nem morte. As pessoas que vivem neste país nunca se cansam. Não precisam usar bordão e nunca envelhecem. Ninguém diz adeus a outro porque a separação é desconhecida e não existem contratempos.

     Nesse país de que estou a falar não há pecado, pois ninguém faz o que é errado. Não acontece acidente de espécie alguma. Pode-se viajar milhares de quilómetros e nunca se ver um cemitério ou um cortejo fúnebre. Não existem empresas funerárias nem morgues. Nunca se vê luto sobre as portas pois ninguém morre. Não há necessidade de coveiros e as urnas são desconhecidas. As vestes usadas são claras e resplandecentes e ali ninguém usa luto.

     É um país onde nada se estraga. As flores nunca perdem a sua fragrância e as folhas são sempre verdes. Não existem tempestades, nem vulcões em erupção, nem terramotos. Aquelas lindas praias jamais são açoitadas por vendavais ou por ressacas. Não existem micróbios, nem febres, nem pestilência de qualquer espécie. O sol nunca brilha, no entanto está sempre claro porque ali não há noite. Nunca faz muito calor nem muito frio. A temperatura é sempre agradável. As nuvens jamais enegrecem o céu e os ventos fortes nunca sopram.

     Não há bêbados nessa terra, pois ninguém tem o vício de beber. Não há pessoas de comportamento imoral; os homens e as mulheres são puros. Não existem filhos ilegítimos. As prisões, as penitenciárias e os reformatórios nunca perturbam o panorama. Não há fechaduras nas portas nem ferrolhos nas janelas, porque ladrões e assaltantes jamais entram ali. Não se lêem livros indecentes e as pinturas obscenas nunca são vistas. Não se pagam impostos e os alugueres são desconhecidos. É um país livre de guerras e de derramamento de sangue.

     Sim, e permita-me contar-lhe alguma coisa mais. Não se vêem aleijados em parte alguma; ninguém é coxo ou mutilado. Não há nem um cego, um surdo ou um mudo que seja. Por isso não se constroem sanatórios para doenças incuráveis, porque todos são sadios, fortes e estão sempre bem. Não se vêem mendigos nas ruas, porque ninguém tem falta de coisa alguma e todos têm o suficiente. Lepra e cancro, paralisia e tuberculose são palavras que esse país nunca ouviu. Não há manicómios, porque ninguém é débil mental. Não se necessitam médicos e não se conhecem hospitais.

     Talvez me pergunte como é que eu sei de tudo isso; se eu já estive lá. Não, eu não tive ainda o privilégio de visitar esse país maravilhoso de que lhe falo, mas outros tiveram-no. E pelo menos UM que morou lá por longo tempo veio e me contou muita coisa a respeito desse lugar. Ele diz que esse país se chama Céu, e afirma a respeito dos que vivem ali: "Deus enxugará dos seus olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor," Apocalipse 21.4.

     Não quer ir para lá? Se quer, por que não se prepara agora para isso? Não é difícil. Tudo o que tem a fazer é abrir o coração ao Senhor Jesus Cristo, o Dono daquele país, crendo n'Ele como seu único Salvador, a fim de obter a purificação dos seus pecados e ter ali acesso. Então, quando a jornada da vida aqui terminar, também irá para esse país maravilhoso e habitará ali para sempre. Quer fazê-lo? Faça-o e faça-o JÁ.

Oswald J. Smith



 

Sermões e Estudos

CMO 10DEZ17
Alerta Pungente Duplo

Sermão proferido por Carlos M. Oliveira em 10 de dezembro de 2017

Simao Santos 01DEZ17a
Origem bíblica do dispensacionalismo

Sermão proferido por Simão Santos em 01 de dezembro de 2017

Teles
Depoimento e Súmula

Testemunho de José Teles em 02 de dezembro de 2017

Perguntas respostas
Perguntas e Respostas

Conferência Bíblica Dispensacionalista realizada 01-03 de dezembro de 2017

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    Quinta do Conde
  • geral@iqc.pt
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • Domingo: 10:00, Ceia do Senhor
    11:00, Pregação e Escola Dominical
    Quarta-feira: 21:00, Oração e Estudo Bíblico