Franklin Graham sobre a praga da imoralidade

Franklin Graham

     A revolução sexual que começou a sério há cinco décadas com promessas de novas e libertadoras liberdades sexuais, deixou atrás de si, pelo contrário, um quadro de destruição moral que tem minado o tecido e fundação da nossa nação. Ao desprezar o que foi percebido como as restrições puritanas das gerações anteriores, os anos 60 e os anos 70 lançaram uma nova era de experimentação sexual. A revolução, inaugurada publicamente com o "Summer of Love" (verão de amor) de 1967 no distrito de Haight-Ashbury, em San Francisco, prometeu uma era iluminada de moralidade sexual.

     A nova forma de pensar, dizia que a coabitação não era realmente um problema. O divórcio não era assim tão prejudicial quanto se pensava. A promiscuidade não representava qualquer perigo claro e presente para a unidade familiar. A atração por pessoas do mesmo sexo era perfeitamente normal. A pornografia era pouco motivo de grande preocupação. Na verdade, toda uma indústria desenvolvia-se em torno da sua sedução espúria.

     Cinquenta anos depois, podemos ver que os resultados têm sido catastróficos.

     Em muitos aspetos, a família americana está completamente irreconhecível, graças a uma revolução sexual que tem deixado um rastro de destruição devastadora.

     Em determinados segmentos da cultura americana, mais de 70 por cento das crianças têm nascido de pais solteiros e permanecem em famílias monoparentais. Nacionalmente, mais de uma em cada quatro crianças de hoje vivem em famílias com apenas um dos pais. Os demógrafos preveem que com a idade de 18 anos, quase 50 por cento de todas as crianças terão vivido com apenas uma mãe ou pai.

     Quase metade de todos os casamentos terminam em divórcio, e os casais que coabitam antes do casamento são ainda mais propensos a separarem-se. Alguns estudos mostram que a proliferação da pornografia disponível na Internet, provavelmente contribuiu para a taxa de declínio do casamento.

     As liberdades prometidas pela revolução sexual deram, pelo contrário, lugar ao aumento, como nunca, da escravidão e prisão do pecado. A tentativa de se desprezar a contenção moral só tem aberto escancaradamente as portas aos instrumentos destruidores e mortíferos do diabo. “Prometem liberdade a essas pessoas, mas eles mesmos são escravos de hábitos imorais” (2 Pedro 2:19, NTLH).

     A praga da imoralidade tem varrido de tal modo toda a América que não há praticamente nenhum lugar onde a sua influência corrosiva não seja sentida. O alcance penetrante, imoral dos populares media, que promovem ativamente todo o tipo de conduta sexual imprópria que se possa imaginar, atacam constantemente as normas bíblicas de verticalidade, de comportamento piedoso.

     A Bíblia é clara: "Mas a prostituição, e toda a impureza ou avareza, nem ainda se nomeie entre vós … Porque bem sabeis isto: que nenhum fornicário, ou impuro, … tem herança no reino de Cristo e de Deus" (Efésios 5: 3, 5).

     Hoje, o que a nossa sociedade parece valorizar mais é a liberdade de fazer o que queremos, o que quer que nos faça sentir bem. Se alguém tentar nos impedir de fazer o que queremos, mesmo quando o que queremos é destrutivo para nós mesmos e para os outros, é ridicularizado e difamado.

     Mas as leis e os mandamentos de Deus são dados para o nosso bem. A sexualidade é um dom de Deus para ser usado dentro das Suas restrições sábias. Como os diques que travam os rios caudalosos de inundações destrutivas, a Palavra e os caminhos de Deus estão concebidos para manter os nossos pensamentos, paixões e desejos dentro de margens piedosas. São para o nosso bem, não para o nosso mal.

     "O corpo não é para a imoralidade sexual", escreveu o apóstolo Paulo à igreja em Corinto, ”senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo" (1 Coríntios 6:13). Os nossos corpos, que um dia serão corpos redimidos, glorificados, são feitos por Deus e para Deus. Desprezar o Seu projeto é, em essência, cometer idolatria por premiação e deleitar com o que Deus odeia.

     A nossa cultura, como as culturas antigas que acabaram por ser destruídos em grande parte devido à sua própria depravação moral, tem sido severamente enfraquecida. A unidade familiar comprometida com a verdade e preceitos da Bíblia já foi a base e espinha dorsal da nossa nação. Esse modelo é agora a exceção, não a regra.

     Nós sabemos que, com o aproximar do fim, este mundo caracterizar-se-á pela escalada da violência e imoralidade sexual desenfreada. Em Apocalipse 17 e 18, Babilónia representa a "grande prostituta" da terra. Ela destaca-se pela busca desenfreada dos prazeres sensuais. A Terra, prestes a ser julgada pelo Rei dos reis e Senhor dos senhores, torna-se completamente intoxicada por prazeres devassos. "Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua [de Babilónia] prostituição" (Apocalipse 18: 3).

     Quando Cristo estiver prestes a voltar à Terra, brados de triunfo soarão quando multidões no Céu disserem: "Aleluia: Salvação, e glória, e honra, e poder pertencem ao Senhor nosso Deus; porque verdadeiros e justos são os Seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua prostituição, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos" (Apocalipse 19: 1-2).

     A única resposta que eu conheço para qualquer sociedade em qualquer época é a poderosa Palavra do Senhor dirigida à igreja em Tiatira, que, apesar de fiel em alguns aspetos, aparentemente tolera a permissividade sexual que se espalha a toda a igreja: "E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu" (Apocalipse 2:21).

    Ainda há tempo para o arrependimento. É por isso que Jesus está a atrasar o Seu retorno “… não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se" (2 Pedro 3: 9).

     A minha oração é que nós não recusemos essa oferta, enquanto ainda há tempo.

Sermões e Estudos

PeterCerqueira19NOV17a
Aliancismo I   -   Aliancismo II

Sermão proferido por Peter Cerqueira em 18 de novembro de 2017

Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:16,17, realizado em 15 de novembro de 2017

PeterCerqueira19NOV17a
Calvinismo

Sermão proferido por Peter Cerqueira em 19 de novembro de 2017

Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:16, realizado em 08 de novembro de 2017

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    Quinta do Conde
  • geral@iqc.pt
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • Domingo: 10:00, Ceia do Senhor
    11:00, Pregação e Escola Dominical
    Quarta-feira: 21:00, Oração e Estudo Bíblico