Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (V)

compare

 

Capítulo 3Cristianismo

 AS DIFERENÇAS

1. OS CONCERTOS

     JUDAÍSMO

     O Evangelho do Reino baseia-se nos concertos que Deus fez com Israel. Eles são cinco, e a profecia gira em seu torno.

     a. CONCERTO ABRAÂMICO – Génesis 12:14; Génesis 17:1-8. Os Judeus são os primeiros e os Gentios são os últimos. Foi suspenso temporariamente até ao fim da presente dispensação – a dispensação da graça. Os Gentios, hoje, estão a ser abençoados devido à QUEDA de Israel (Romanos 11:11,12) e por meio do Mistério revelado a Paulo (Efésios 3:6).

     b. CONCERTO MOSAICO – Êxodo 19:5-8 e os capítulos 20 e seguintes. É chamado Velho Concerto em Hebreus 8:13. Este concerto contém a Lei de Moisés.

     c. CONCERTO PALESTINIANO – Deuteronómio, capítulos 29 e 30. Este concerto amplia em pormenor a TERRA da promessa do Concerto Abraâmico.

     d. CONCERTO DAVÍDICO – 2 Samuel 7:8-17. Este concerto tem a ver com o reino, o trono e a casa de David. Foi por isso que o Evangelho que Jesus pregou foi chamado o Evangelho do Reino.

     e. NOVO CONCERTO – Jeremias 31:31; Ezequiel 36:24-29; Hebreus 8:8. Este concerto encerra as qualificações ESPIRITUAIS do Reino, enquanto que os outros concertos têm a ver com os requisitos FÍSICOS. No futuro o Novo Concerto abrogará o Velho Concerto (Hebreus 8:13). O batismo na água é uma parte do Novo Concerto (Ezequiel 36:25).

     Porque a nação de Israel rejeitou o Senhor Jesus Cristo e não se quis arrepender, os concertos foram postos de parte temporariamente, juntamente com a nação, em Atos 28. Israel e os seus ensinos andam juntos.

- Robert C. Brock
(Continua)

Nota de esclarecimento sobre o Concerto Palestiniano:

A chamada Aliança Palestina está registada em Deuteronómio 29:1-29 e Deuteronómio 30:1-10 e foi feita entre Deus e Israel antes de Moisés morrer e Israel ter entrado na Terra Prometida. A Bíblia nunca usa o termo "Aliança Palestina", e Moisés certamente nunca teria chamado a terra "Palestina", mas o termo tornou-se um uso comum. Esta aliança também é chamada de Pacto de Terra porque muitas das promessas relacionam-se com a posse de Israel da terra. Deus fez esta aliança com Israel após a Aliança Mosaica e depois de Israel ter deambulado no deserto durante quarenta anos. Deus fez esta aliança com Israel enquanto estavam em Moabe esperando para entrar na Terra Prometida, e a aliança servirá a esta nova geração de israelitas como um lembrete da sua relação especial do concerto com Deus.

     A Aliança Palestina tem muitas semelhanças com a Aliança Mosaica feita no Monte Sinai, mas é uma aliança separada e distinta, como se vê claramente em Deuteronómio 29:1. "Estas são as palavras da aliança que o Senhor ordenou a Moisés fazer com os filhos de Israel na terra de Moabe, além da aliança que Ele fez com eles em Horebe." Antes de fazer esta aliança com Israel, Deus lembrou que se eles obedecessem à Lei Mosaica, abençoaria abundantemente a nação e advertiu-lhes que a desobediência à Lei resultaria na Sua maldição sobre a nação (Deuteronómio 28:1-68).

     Além das promessas de que Deus os abençoaria se obedecessem aos Seus mandamentos e os amaldiçoaria se desobedecessem, a Aliança palestina também contém algumas promessas especiaisparaa Israel que muitos acreditam que não serão completamente cumpridas até o reinado milenar de Cristo. Primeiro, Deus prometeu reunir os israelitas dispersos de todo o mundo e trazê-los de volta à terra que prometeu aos seus antepassados ​​(Deuteronómio 30: 3-5). Em segundo lugar, Deus prometeu regenerar os israelitas daquele tempo e seus descendentes circuncidando seus corações para que o amassem totalmente (Deuteronómio 30:6). Terceiro, Deus prometeu julgar os inimigos de Israel (Deuteronómio 30:7) e, quarto, prometeu que os israelitas obedeceriam a Deus e que Deus os prosperaria na sua obediência (Deuteronómio 30:8-9). Embora alguns possam ver essas promessas serem cumpridas quando Israel voltou do cativeiro na Babilónia no tempo de Esdras e Neemias, parece haver alguns aspectos disso que ainda não foram plenamente realizados.

     Por exemplo, a restauração prometida de Israel para a terra não aconteceria até que todas as bênçãos e maldições prometidas fossem cumpridas (Deuteronómio 30:1), e sabemos que Israel como uma nação rejeitou Jesus Cristo como seu Messias e foi mais uma vez amaldiçoado e partiu da terra quando os romanos conquistaram Jerusalém em 70 dC. Em segundo lugar, vemos que uma das promessas nesta aliança era que Deus circuncidaria seus corações (Deuteronómio 30:6) para que eles e seus descendentes lhe obedecessem Deuteronómio 30:8). Estas mesmas promessas são repetidas em Jeremias 32: 36-44 e Ezequiel 36:22-38 e fazem parte das bênçãos e promessas da Nova Aliança. Além disso, parece que a restauração definitiva ou final de Israel para a terra e para uma relação eterna com Deus é o que Paulo está ansioso em Romanos 11:25-26, quando ele diz que "um endurecimento parcial aconteceu com Israel até a plenitude dos gentios entrar e assim todo Israel será salvo ".

     A Aliança Palestina também serve para reforçar as promessas feitas a Abraão, Isaque e Jacó de que Deus estabeleceria Israel como Seu povo escolhido (Deuteronómio 29:13). Embora Deus tenha estabelecido diante de Israel a promessa das Suas bênçãos pela obediência e das Suas maldições pela desobediência, Ele sabia muito bem que eles se desviariam d'Ele e da Sua aliança e se converteriam aos ídolos. É por isso que Ele prometeu um dia restaurá-los para a terra e ter compaixão deles (Deuteronómio 30:1-3). Portanto, o resultado final desta aliança não depende de Israel e da sua obediência, mas sim depende de Deus e da Sua fidelidade. A Aliança Palestina enfoca o que Deus vai fazer mais do que o que Israel deve fazer. Enquanto a prosperidade de Israel está intimamente ligada à sua obediência aos mandamentos de Deus, e eles ainda serão punidos pela sua desobediência a Deus, haverá um dia em que Deus os devolverá à terra (toda a extensão da terra, como descrito em Génesis 15:18-21), e eles a possuirão, e Deus os abençoará para sempre.

     Naquele tempo, Deus circuncidará seus corações para que eles Lhe obedeçam (Deuteronómio 30:6). Esta aliança reafirma novamente a Aliança Abraâmica em que um dia a semente de Abraão possuirá a Terra Prometida para sempre. Ao contrário da Aliança Mosaica, cujas promessas estão condicionadas à obediência de Israel à Lei, o cumprimento final das promessas da Aliança Palestina não depende da obediência de Israel. Em vez disso, a Aliança Palestina é uma aliança incondicional e eterna (Ezequiel 16:60), porque é parte da Aliança Abraâmica e uma amplificação da mesma.

     Não foram felizes os que a denominaram assim: alguns, por isso têm-na chamado de A Aliança Palestina ou Cananita (de Canaã). Parece-nos mais correto.

 

 

Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (I)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (II)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (III)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (IV)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (V)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (VI)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (VII)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (VIII)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (IX)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (X)

Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XI)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XII)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XIII)

Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XIV)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XV)
Cristianismo é o Evangelho da Graça de Deus - não o Evangelho do Reino (XVI)

Sermões e Estudos

Fernando Quental
Galinha ou Águia?

Sermão proferido por Fernando Quental em 18 de fevereiro de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:20 realizado em 21 de fevereiro de 2018

David 11FEV18
Foco no Futuro

Sermão proferido por David Gomes em 11 de fevereiro de 2018

Estudo Bíblico
Estudo Bíblico

Sobre a Epístola aos Colossenses 1:19,20 realizado em 14 de fevereiro de 2018

ver mais
 
  • Avenida da Liberdade 356 
    Quinta do Conde
  • geral@iqc.pt
  • 966 208 045
    961 085 412
    939 797 455
  • Domingo: 10:00, Ceia do Senhor
    11:00, Pregação e Escola Dominical
    Quarta-feira: 21:00, Oração e Estudo Bíblico